segunda-feira, 2 de maio de 2011

Sangue de João Paulo II será exposto e venerado em cerimônia de beatificação


A Igreja Católica Romana afirmou que uma ampola com o sangue do papa João Paulo II será exposta aos fieis no dia da cerimônia de sua beatificação, que ocorrerá no próximo domingo, 1 de maio.

O sangue foi extraído de Karol Wojtyla nos seus últimos dias de vida como provisão para eventuais transfusões que fossem necessárias. Como não houve necessidade de realizar o procedimento, a amostra ficou guardada em quatro recipientes. Dois deles foram conservados no Hospital Menino Jesus pelas freiras da instituição, e os outros dois ficaram sob a responsabilidade do secretário particular de João Paulo II, o cardeal Stanis¿aw Dziwisz, atual arcebispo da Cracóvia.

Serão expostos os exemplares que foram guardados no hospital. Um será colocado à veneração dos fieis e, depois, será conservada no Escritório de Celebrações Litúrgicas do Sumo Pontífice, e o segundo será enviado ao Hospital Menino Jesus.

Segundo a Santa Sé, as amostras ainda estão em estado líquido porque foi usado um anticoagulante logo após a extração. A ampola será colocada em um relicário feito especialmente pelo Escritório de Celebrações Litúrgicas. Antes da cerimônia que tornará o ex-Pontífice beato, no dia 29, seu corpo será exumado para permanecer até 1 de maio na Cripta Vaticana, diante do túmulo de São Pedro, em uma maca e coberto por um manto branco. Após a exposição de seus restos mortais cobertos, o caixão de Wojtyla será transferido do cemitério papal, a Gruta do Vaticano, na Basília de São Pedro, para a Igreja de São Sebastião. O corpo será colocado em um vão fechado com uma lápide simples de mármore, com a escrita em latim: Beatus Ioannes Paulus II.

O processo de beatificação ocorrerá em cinco etapas, que inclui uma vigília e a preparação para ela em 30 de abril; a celebração em si, que será presidida pelo papa Bento XVI na Praça São Pedro em 1 de maio; a exposição dos restos mortais do então novo beato no mesmo dia; a Missa de Agradecimento, na segunda-feira; e, enfim, o enterro do corpo de Wojtyla, que será a única cerimônia do processo que não será aberta ao público.

Caro leitor, a fé pregada pelo Catolicismo Romano é absolutamente desconexa com o ensino bíblico. Para que você tenha idéia do que estou falando, o Brasil possui inúmeras romarias cujo propósito é a veneração dos chamados santos. Em cada uma destas procisões, milhares de pessoas seguem comovidamente a imagem de um santo qualquer na expectativa de que milagres aconteçam em suas pobres vidas.

Em Juazeiro do Norte-CE, acontecem pelo menos três grandes romarias. Na maior delas, a cidade recebe cerca de 550 mil romeiros. Bom Jesus da Lapa-BA, que também tem três festas por ano, recebe cerca de 600 mil romeiros na festa do Bom Jesus. Em Canindé-CE, aproximadamente 400 mil devotos comparecem à romaria. Em Trindade-GO, na festa do Divino Pai Eterno, as autoridades estimaram que 800 mil romeiros e visitantes estiveram na cidade (no ano 2000). Em Aparecida do Norte-SP, quase dois milhões de pessoas visitam a cidade durante o ano. Só em outubro, na festa da padroeira, 500 mil peregrinos chegam à cidade. Em Divina Pastora-SE, a romaria é concentrada em um só dia, quando a cidade recebe cerca de 80 mil pessoas. Em Belém-PA, durante o Círio de Nazaré, a capital paraense já chegou a receber meio milhão de romeiros. (A Pátria Para Cristo, Ano LV - Nº 220).

Ora, os motivos de idolatria são os mais curiosos: em uma cidade no Ceará o povo adorava um "santo" sem cabeça (veja imagens). É que construíram o corpo do "santo" lá em cima do morro, mas fizeram a cabeça na parte de baixo do morro. Como a cabeça ficou muito grande e pesada, não conseguiram transportá-la morro acima para colocá-la no corpo. Então, os mais acomodados adoravam a cabeça do santo aqui em baixo, enquanto os mais destemidos subiam o morro, fazendo o sacrifício, para adorar o corpo sem a cabeça. Em Trindade-GO, milhares de fiéis ficam horas em uma fila para a "beijança" - que é um ritual onde as pessoas beijam uma fita dependurada atrás do altar da igreja matriz. Em Carnaúba-RN, os crédulos adoram um galo feito de pedra. Em Santa Brígida-BA, o alvo da adoração e romaria não é sequer um "santo", mas um beato, falecido há alguns anos. Em Divina Pastora-SE, os romeiros caminham 40 quilômetros a pé para adorar a padroeira, beber cachaça e voltar para casa. Em Canindé-CE, os devotos carregam pedras enormes na cabeça. Em Juazeiro do Norte-CE, até chá feito com uma estátua do padre Cícero já tomaram! (A Pátria Para Cristo, Ano LV - Nº 220).

Por falar em Padre Cícero, todos os dias, chegam em Juazeiro do Norte no Ceará, dezenas de caravanas com devotos. Anualmente passam pela cidade milhares de romeiros com o fim de prestar adoração e louvor ao Padre Cícero Romão Batista. A imagem do santo é cultuada e venerada com fervor. Grandes procissões são realizadas na qual se faz presente a imagem do santo que é acompanhada por seus muitos fiéis, devotos e pagadores de promessas.

Caro leitor, as Escrituras Sagradas combatem a Idolatria. Em inúmeros textos o Senhor nos adverte que não devemos adorar outros deuses. Aliais, vamos combinar uma coisa? Essa história de veneração dos santos é absolutamente absurda, até porque, a Bíblia nos ensina que só existe um mediador entre Deus e os homens, Cristo Jesus.

Infelizmente o Catolicismo Romano prega de forma velada uma fé politeísta e sincrética, onde santos e objetos são vistos com milagrosos. Isto posto, afirmo que, prostrar-se diante de imagens, seguir romarias, ou rogar aos diversos santos católicos que façam milagres, é além de anti-bíblico, herético, até porque, só existe um caminho para Deus e este é o unigênito do Altíssimo.

Pense nisso!

Fonte: Renato Vargens

92 comentários:

  1. "E Deus pelas mãos de Paulo fazia maravilhas extraordinárias. De sorte que até os lenços e aventais se levavam do seu corpo aos enfermos, e as enfermidades fugiam deles, e os espíritos malignos saíam" – Atos 19.11-12.

    A Piedade Popular brota das Sagradas Escrituras. O que algumas pessoas não entendem é que essas coisas não ficaram no passado. Ninguém contém o Espírito Santo, protagonista da história! Veem o que querem ver, infelizmente. O fato de a Igreja VENERAR os santos e alguns objetos, sinais visíveis, não os denomina IDÓLATRAS. Toda a Igreja sabe e ama um ÚNICO Deus que se manifesta não somente através das Escrituras. Jesus não é um personagem do passado. É um Deus atemporal! Que antes de se revelar de forma ESCRITA, se revela de forma VIVA. De onde você acha que vieram esses 27 livros do Novo Testamento???? Aceitar a autoridade da Igreja para os cânones, vocês aceitam mas, para todo o resto da Tradição, não. Como não desejar, ardentemente, que Deus faça maravilhas e nos encha de graça, assim como fez com tantos santos, que viveram PLENAMENTE o dom de AMAR A DEUS SOBRE TODAS AS COISAS? Como não olhar pra uma imagem e lembrar de que falta muito pra eu me esvaziar, como aquela vida ali representada? Como bem diz São Paulo: "Já não sou eu quem vivo, mas Cristo que vive em mim." Com que propriedade eu posso repetir essas mesmas palavras? Ou nosso nível de conversão é igual ao desses santos (Igreja de Cristo)? Cremos, amigo num ÚNICO Cristo, salvador, mediador e verdade. Mas sabemos que esse Cristo não é sozinho. É a cabeça, mas tem UM corpo vivente, pulsante na história em qual Cristo se revela constantemente. Por isso a intercessão dos santos! Afinal, nós em ambas as nossas igrejas, na minha e na sua, praticamos isso. Por que, até onde eu sei, vocês intercedem uns pelos outros.

    ResponderExcluir
  2. Segundo o dicionário online (www.dicio.com.br) a palavra veneração corresponde a " admiração excessiva por algo ou por alguém, geralmente, ocasionada pela demonstração de talento, poder, honestidade etc., do que ou de quem é alvo dessa admiração".

    Não concordo com o comentário da Juliana Veloso, pois em toda Bíblia não vemos os cristãos contemporâneos dos apóstolos venerando-os, adorando a eles em detrimento do Cristo ressurreto. Se tal aberração ocorresse, seria digna da repreensão dos apóstolos, sobretudo de Paulo, defensor da sã doutrina.

    Para entendermos o princípio da veneração aos santos, temos que estudar História. No ano de 319 d.C o imperador Constantino , associou à sua dinastia o Cristianismo, e deu-lhe uma presença institucional no Estado romano. Dessa forma, o catolicismo passou a cristianizar muitas festas e rituais pagãos, dando-lhes um novo sentido. A maioria dos templos pagãos foram derrubados e em seu lugar construídas igrejas da nova fé. O que a Igreja não conseguía destruir das antigas práticas religiosas, adaptava, transformando-as em práticas cristãs. A esse fato dá-se o nome de sincretismo, em que podemos pontuar, por exemplo, que o culto à Maria substitui o de Cibele, mãe dos deuses romanos.

    Sei que não é fácil desconstruir o que sempre aprendemos por tradição, mas se queremos buscar os fatos, uma busca sincera pela verdade, verificaremos que nem tudo o que foi ensinado pela tradição de fato foi o que aconteceu ou que seja realmente verdade.

    Um abraço fraterno Juliana, sem ofensas.

    Andry Bastos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, anônimo. De jeito nenhum me ofendes. Estou falando com a mais pura sinceridade. Fica na paz. Somos todos companheiros da mesma jornada, não é? E, pelo batismo, fazemos parte de um ÙNICO corpo.
      Pois bem. Faço suas as minhas palavras. Não é realmente fácil desconstruir...
      Como você explica o fato de que, mesmo antes da definição da canonização da bíblia, já haviam registros de cultos dos primeiros cristãos, como o exemplo da catatumba de São Sebastião, em Roma, que tem grafites de pessoas pedindo a intercessão de Pedro e Paulo? As missas celebradas em cima dos túmulos dos mártires (memória)? Nós cremos na Igreja! E quando falo igreja, não estou falando de instituição, estou falando do corpo orgânico, dos santos, dos mártires, pessoas que deram seu sangue pra guardar a fé como um verdadeiro tesouro, que derramaram seu sangue para que, hoje, nós tivéssemos essa bíblia em nossas mãos! Não existe bíblia sem Igreja! Ou você acha que ela caiu do jeito que é de para-quedas? Volto a repetir: Não ADORAMOS. Esta conversa chega cansa. Agora, é preciso um ato corajoso de muita humildade para aceitar essa autoridade da Igreja. E é por isso que, apesar de todas as investidas poderosas do demônio, ela ainda se mantém de pé e em UNIDADE. Coisa que, infelizmente, as evangélicas não possuem.

      Graça e paz.

      Excluir
    2. Desculpe, relendo novamente foi que eu vi seu nome, Andry. Perdão.

      Excluir
  3. O que vocês não entendem é que não é a santidade deles que veneramos, é a SANTIDADE de Deus neles. É um olhar pequenininho a um Deus imensamente grandioso e misericordioso capaz de preencher com sua graça uma criatura que, claro, tem que estar numa posição humilde, pequena, assim como a de Maria, e fazer coisas grandes! E que a imagem é um ícone que nos transporta para o céu, nos faz olhar pra cima, com o coração completamente agradecido e desejoso de fazer a mesma caminhada de qualquer santo. Que isso nos é possível. Fora isso, existem vários milagres, comprovados cientificamente, porque a Igreja Católica é muito criteriosa para proclamá-los, não vive dando shows miraculosos na televisão, que revelam um Deus que corrobora com sua Igreja.
    Te convido também a um passo corajoso e honesto do conhecimento como por exemplo, estudar o catecismo da Igreja Católica. A não ser que tenhas medo de se converter ao catolicismo.

    Abraços, Andry.

    ResponderExcluir
  4. Olha, Andry e demais irmãos, claro, se vocês publicarem o que estou dizendo, eu falo essas coisas não com o intuito de "guerrear" pela simples razão de ter certeza de que isso é um CONTRA-TESTEMUNHO que todos nós damos ao mundo. Principalmente em lugares onde a população já sofre com a violência e a repressão. Lá estão os "cristãos" brigando pelo posto de verdadeira doutrina! Mas, falo com a propriedade de quem passou mais de oito anos em contato com a doutrina protestante e mergulhou, aliás, está mergulhando na doutrina de fé católica. Sinceramente, meu irmão, e de peito aberto te digo: Nesse tempo todo eu não encontrei o menor motivo pra que Lutero se achasse maior do que os 1.500 anos de Igreja. Lógico, que o Espírito Santo semeou nele os seus dons, especialmente o de protestar. Mas ele os usou de forma errada. Assim como São Paulo, que estava na contramão do cristianismo, usando seus dons (de ser eremita comunicador) para perseguir os cristãos. Só que Jesus se revelou e deu sua luz para São Paulo, fazendo com que ele enxergasse a verdade. Verdade essa que ele, como um especialista das escrituras judaicas, nunca iria encontrar no pergaminho. Lutero simplesmente não viveu as palavras "vocês também devem lavar os pés uns dos outros", aquelas que foram proferidas logo após o próprio exemplo do Cristo. Achou um caminho mais fácil e egoísta: a quebra da unidade. É lógico que, naquele período em que a igreja vivia, escura, entregue aos abusos, precisava dos dons de Lutero para uma urgente recolocação no raio da vontade Deus, mas ele não lavou os pés. Se dizia servo mas agiu como patrão. E, irmãos, apesar de toda a fase escura em que a Igreja foi mergulhada, a doutrina apostólica NUNCA mudou, nunca foi traída. Pois, não pode contar com Lutero mas contou com Santos como São Francisco de Assis, por exemplo. Fico me perguntando o que passou pela cabeça de Lutero para pensar que Jesus fez sua promessa de permanência com sua Igreja somente até o ano de 1.500.

    Mas uma vez, graça e paz.

    ResponderExcluir
  5. Graça e Paz Juliana, me senti compelido a comentar este post após ler seu primeiro comentário. Hoje pela manhã vi seus últimos comentários e fiz (no word) um longo texto respondendo as perguntas que fez e te inquirindo (respeitosamente) sobre algumas questões. Quando fui colar no campo de comentário do blog, vi que a página foi atualizada e havia um novo comentário seu, com um “contra-testemunho”. Li e me deu uma certa tristeza (que explico mais abaixo) e acabei descartando o longo comentário que já estava pronto para ser postado (salvei, pelo menos).
    Minha tristeza não se dá pelo fato de você argumentar contra a Reforma, absolutamente não. Para mim não há temas tabus que não se devam ser discutidos. Minha tristeza foi no que você deixou implícito no texto, sobretudo na afirmação: [...] “Achou um caminho mais fácil e egoísta: a quebra da unidade”. Parei, reli diversas vezes essa frase que, ao menos para mim, resume seu ponto de vista: de que a igreja pela qual morreu Jesus é representada por uma instituição. Engraçado que no texto que ia postar escrevi justamente contra isso, que transcrevo abaixo resumindo meu ponto de vista sobre a igreja.
    Creio na Igreja, não a instituição, não a rotulada por placas, não a feita por mãos de homens (entenda templos) mas a igreja una, indivisível, que é o corpo de Cristo (1 Co 12:27). Não tenho a posição de muitos que, erradamente, defendem que apenas sua instituição religiosa tem a autoridade e está apta para conduzir um povo para o céu, em nome de Deus. Nenhuma instituição é proprietária de Deus. E Deus não tem nada a ver com muitas delas que dizem carregar Seu Santo nome; fazem o contrário, profanando-O.
    Certa vez os discípulos chegaram até Jesus, após verem que outros homens, fora os 12 chamados inicialmente por Jesus, estavam pregando o evangelho. Segue o texto de Lucas 9:49-50:

    “E, respondendo João, disse: Mestre, vimos um que em teu nome expulsava os demônios, e lho proibimos, porque não te segue conosco. E Jesus lhe disse: Não o proibais, porque quem não é contra nós é por nós.”

    Essa resposta tão singela do Mestre no revela que o corpo não é formado por apenas uma peça inteira, mas de diversos outros órgãos, e partes, controlados pelo Cabeça do corpo. Ou seja, não há uma instituição proprietária de Deus, de Jesus, mas sim: todos que professem seu nome, que sigam seu evangelho foi dado o poder para serem filhos de Deus, como diz em João 1:12:

    “Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, aos que crêem no seu nome;”.
    Aqui ressalto que não vou ao extremo, crendo que todas as religiões levam a Deus, absolutamente não. Mas todos aqueles que se arrependeram de seu mau caminho, que receberam a Cristo em seu coração, e que passaram a segui-lo, devem fazer discípulos, mantendo uno o povo de Deus, independente da denominação.

    Dessa forma, gostaria de debater contigo ideias, mas partindo do pressuposto que entendi (tomara que esteja enganado) de que você acredita que somente a igreja de Roma seja a representante da igreja pela qual Cristo morreu, encerro aqui as conversas, pois por mais que eu escreva, debata, inquira e seja também questionado, não conseguiremos prosseguir conversando, pois só haveria “ataques” e não seríamos edificados. Desculpe se fui rude. Estou meditando ainda em tudo o que escreveu e te peço a gentileza que medite também sobre o que é a igreja de Cristo, tendo como luz os textos de 1 Coríntios 12:12-31.

    Um abraço fraterno Juliana, e que a graça e a paz de Cristo sejam ainda mais abundantes em sua vida.

    ResponderExcluir
  6. Juliana e Andry, vocês elevaram a discussão nesse assunto a um bom nível. Propomos escrever em breve um artigo sobre a igreja e o corpo de Cristo, para que outras pessoas possam também argumentar sobre este tema, que enriquece a todos que leem.

    Deus abençoe a você dois e continuem escrevendo sobre o assunto, comentando, e abençoando a todos com o conhecimento de vocês.

    Equipe Gospel Home Blog

    ResponderExcluir
  7. Andry, respeito muito se você quiser encerrar as nossas "conversas". Apesar, ainda, de achar que você não respondeu muitas das minhas questões.
    Sobre Igreja, não vou repetir o que eu falei lá em cima. Até aí, temos a mesma compreensão. Mas vou copiar e colar:

    E quando falo igreja, não estou falando de instituição, estou falando do corpo orgânico, dos santos, dos mártires, pessoas que deram seu sangue pra guardar a fé como um verdadeiro tesouro, que derramaram seu sangue para que, hoje, nós tivéssemos essa bíblia em nossas mãos!

    Quando falo da quebra da UNIDADE, estou falando justamente do CONTRA-TESTEMUNHO que nós, católicos e protestantes, damos com nossas divisões, pois Jesus se encarnou, tomou a medíocre condição de homem, para nos ensinar o movimento da vida trinitária: O AMOR. Um Deus em três pessoas, onde nenhuma se sobrepõe à outra! Já falei lá em cima também sobre sermos TODOS parte de um só corpo. E isso, é um consolo pra mim, para as minhas orações. Roo, sinceramente, pra que um dia, consigamos encarnar a exortação de São Paulo: "Rogo-vos, porém, irmãos, pelo nome de nosso Senhor Jesus Cristo, que digais todos uma mesma coisa, e que não haja entre vós dissensões; antes sejais unidos em um mesmo pensamento e em um mesmo parecer."

    Fiquemos sempre com a graça de Deus e obedeçamos sempre a ela. Gostei muito de debater contigo, senti algo de bom com seu último comentário.

    Juliana.


    ResponderExcluir
  8. Graça e Paz Juliana, bom ver seu comentário! Começo pedindo desculpas, pois houve um grande equívoco. Realmente você escreveu nos primeiros comentários acerca do que pensa sobre a igreja como corpo, englobando, não só uma instituição específica, mas àqueles que realmente se arrependeram e creram no Evangelho de Jesus, novamente meu pedido de desculpa. Prosseguimos entanto com nosso debate.

    Temos algo em comum, além da fé no Salvador: o conhecimento do ponto de vista católico e protestante. Como você descreveu, passou oito anos em contato com a doutrina protestante; eu fui catequizado por onze anos pela congregação de Irmãs de São José de Chambéry, que fundaram uma escola de freiras e tive o prazer de ter contato com elas e mergulhar no ensino que proporcionavam.

    Por ser muito jovem, aceitava tudo o que me era ensinado e me fez bem, pois tive meu primeiro contato com o Evangelho. E também fui ensinado conforme a tradição do ensino da igreja de Roma. Após me aprofundar na Bíblia, comecei a verificar algumas contradições que palpitavam em meu peito, creio que normal para todo estudante da Bíblia. (Dou uma pausa neste relato para argumentar sobre uma frase sua, ir para a Bíblia e depois finalizar este ponto) .

    Você escreveu o seguinte:

    “Assim como São Paulo, que estava na contramão do cristianismo, usando seus dons (de ser eremita comunicador) para perseguir os cristãos. Só que Jesus se revelou e deu sua luz para São Paulo, fazendo com que ele enxergasse a verdade. Verdade essa que ele, como um especialista das escrituras judaicas, nunca iria encontrar no pergaminho.”

    “Nesse tempo todo eu não encontrei o menor motivo pra que Lutero se achasse maior do que os 1.500 anos de Igreja”.

    Todos sabemos que Paulo foi judeu, “segundo a justiça que há na lei, irrepreensível” (Filipenses 3:6), ou seja, era participante daquele povo que saiu da terra do Egito pelas mãos de Deus, herdeiro de todas as promessas feitas aquele povo israelita constantes no Antigo Testamento. Após a conversão de Paulo, descrita em Atos 9:15,16 o que vemos? Um homem que era herdeiro do povo da promessa do Antigo Testamento saindo dessa posição e aceitando uma nova fé que havia somente há pouco anos iniciada pelo ministério de Jesus. Isto não seria um abandono da fé no Deus de Israel? Não estaria Paulo largando a tradição, os costumes, a antiga fé no somente Deus de Abraão para seguir um Nazareno que dizia ser o Messias? Que contraditório não? O que fez Paulo? Creu que a forma como estava prosseguindo sua fé na tradição de seus pais, família não o levaria à salvação e creu no Evangelho.

    ResponderExcluir
  9. * Continuando 1

    Na história de Paulo faço um paralelo com Lutero, que descrevo brevemente. Estudante das obras de Santo Agostinho, se aprofundou na leitura da Bíblia no mosteiro dos eremitas agostinianos. Lá aprendeu um grande “segredo”: um testemunho de que o Espírito Santo confirmou ao seu coração, dizendo que seus pecados seriam perdoados somente mediante a fé.

    Estas palavras não serviram somente para fortalecer Lutero, mas também para ensinar o sentido do ensino de Paulo, que insistentemente dizia: “Somos justificados pela fé”. Assim, Lutero percebeu o quanto eram vãs as interpretações que havia aprendido no interior da igreja romana, desde então. A partir deste fato continuou na Universidade de Wittenberg, em que ensinava, do mesmo modo que João Batista anunciava o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo, a suficiência em Cristo e somente nEle, não precisando de nenhum outro mediador ou intercessor.

    Ainda na Universidade, aprofundou-se ao estudo dos idiomas grego e hebraico; e a isto estava dedicado quando se publicaram as indulgências gerais (época em que se estava construindo a catedral de Roma e, precisando de muito dinheiro, a igreja começou a vender indulgências). Estas indulgências provocaram escândalo em Wittenberg e em Lutero. Nisto decidiu em declarar-se contrário a tais indulgências em todas as circunstâncias. Em outubro de 1517 publicou as 95 teses, onde desafiava a qualquer que se opusesse a elas, fosse por escrito ou por debate oral. Mesmo após isto, manteve-se fiel as autoridades eclesiásticas por um certo tempo e foi até o mosteiro para um sincero debate sobre a “justificação pela fé”.

    Obviamente por interesses escusos suas teses não foram aceitas, mesmo estando de acordo com as escrituras. O povo na época não examinava as escrituras, mas seguiam às cegas as bulas papais. Vendo um (Lutero) que examinava as escrituras e ensinava como estava escrito ao povo, foi considerado pelo papa um “membro separado da Igreja, cismático e um herege obstinado e notório”.

    Este relato foi apenas para dar subsídio ao que quero argumentar. Lutero estava percebendo que a igreja estava caminhando para um rumo completamente diferente do proposto por Cristo no Evangelho. E pior, a distorção estava sendo ensinada para um povo que não lia as escrituras, que estava sendo enganado. Lutero queria viver a verdade, gostaria que a igreja a pregasse, mas não era o que estava acontecendo. Assim como Paulo, Lutero deixou o engano e a mentira que o levaria à perdição e se sujeitou somente ao Evangelho, abrindo mãos de todos os costumes e tradição que lhe havia sido ensinado.

    ResponderExcluir
  10. * Continuando 2

    Refutando o que você escreveu, Lutero não quis ser maior do que os 1500 anos da igreja; pelo contrário, ele queria continuar um anônimo nela, desde que esta se prontificasse a continuar seguindo os passos de Jesus, o que Ele havia ensinado. A partir do momento em que se começou a vender o perdão de pecados ele se sentiu compelido a combater tamanho mal, assim como Paulo combatia fortemente as heresias que surgiam nas igrejas, como a de Corinto, fortemente repreendida em suas cartas.

    Difícil é desconstruir o que aprendemos por tradição. Nem sempre o fato de perdurar por anos ou até séculos é o fundamento necessário para que se considere absoluta ou indiscutível. Se a igreja começa na verdade, e vai se desviando para caminhos contrários a ela o que devemos fazer? Nos ater às Escrituras e seguir a verdade, pois as instituições passam, caem, são corrompidas, mas o Evangelho eterno, puro e verdadeiro de Jesus subsiste a mais de dois mil anos mesmo com toda a corrupção dos homens.

    Assim, finalizando meu relato inicial. Por isso rompi com as tradições e costumes da igreja de Roma que me havia sido ensinado por onze anos. Foi dificílimo, mas estudando a Bíblia percebi a suficiência somente em Cristo, como padrão de verdade e santidade. Ele é a luz de todos os homens (João 1:4), nEle há um padrão completo de verdade e Santidade (João 17:17), não precisamos de estátuas de homens para lembrarmos de como foram piedosos e santos em Deus, pois Cristo me é suficiente. Todas as lâmpadas, das mais potentes, são apenas mínimos focos de luz perto do Sol, assim como qualquer homem, do mais piedoso, ou santo, como define o catolicismo, são focos de luz mínimos próximos de Jesus, a luz dos homens. Ele me é suficiente.

    Este debate Juliana não é para te converter ao protestantismo ou querer dizer que estou certo e você errada. É um desafio para que examinemos a Bíblia, para que sigamos a verdade, para que não deixemos nos levar por tradições ou filosofias que nos distanciem do caminho proposto por Jesus. Ele morreu por nós, quero aprender mais e mais dEle, não quero ser enganado e não quero que ninguém seja. Estou em busca dEle, perseguindo-o e percebo esta mesma busca em você, por isso me uno a você nestes longos textos e debates.

    Que a paz de Cristo inunde seu coração, que Sua Palavra te ilumine e que sejas cheia da graça do nosso Senhor. Um abraço fraternal.

    ResponderExcluir
  11. * Continuando 3

    Desculpe pelo longo texto, se não tiver paciência para ler, tudo bem. Você é uma pessoa inteligente, que dá gosto para debater, Até mais.

    ResponderExcluir
  12. * Continuando 4

    O algo de bom que você descreveu no último comentário que sentiu eu também senti e continuo sentindo! E não tenho dúvidas que é o Espírito Santo, pois Paulo diz: "O mesmo Espírito testifica com o nosso espírito que somos filhos de Deus" . Por isso sentimos essa paz quando falamos de Jesus.

    Agora finalizei por ora...rs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahahahahaha, eu li tudo sim. Ao contrário do que vejo muita gente fazendo, "bombardeando" os outros com discursos pré-prontos sem ler na íntegra, eu respeito cada linha do que a outra pessoa escreveu. Pode até me chamar de besta, mas tento imaginar até o tom de voz da pessoa se ela tivesse me dizendo cada palavra. :) Bom, aqui a gente chega no limite pois como você sabe, não acredito na bíblia como ÚNICA fonte de verdade. Como bem disse João: "Este é o discípulo que testifica destas coisas e as escreveu; e sabemos que o seu testemunho é verdadeiro.
      Há, porém, ainda muitas outras coisas que Jesus fez; e se cada uma das quais fosse escrita, cuido que nem ainda o mundo todo poderia conter os livros que se escrevessem. Amém." As aparições de Nossa Senhora, não encontraremos registro disso na bíblia. E trazem consigo mensagens de Jesus. Os milagres eucarísticos, o último agora e mais impressionante com registros fotográficos e tudo: uma hóstia profanada foi guardada para dissolver em água e ao invés disso, se transformou em pedaço de carne sangrenta. Sem saber de sua origem, os cientistas que analisaram descobriram se tratar de um pedaço do ventrículo de um coração humano, com sangue AB, de homem ao redor dos 30 anos, que sofreu grande estresse (como espancamento) e que, pelas condições em que se encontrava, teria sido retirado do corpo ainda vivo! Também não vamos achar na bíblia, pois contam com nossa fé e são registrados pelo magistério da Igreja para que daqui há muitos anos, mesmo entregue aos desvios, muitos creiam e testifiquem esse Jesus que não cabe somente num livro.
      Dentre todos os nossos carismas, todos os nossos dons, tudo aquilo que o Espírito Santo semeou em um e outro, espero que saibamos acolher. Só assim a gente segue juntos pra testemunhar Jesus, única fonte salvífica ao mundo.

      Tenhamos Jesus no nosso meio.

      Abraços.

      Excluir
    2. Olha, se você quiser, mas só se quiser, dá um lidinha neste artigo do seguinte blog:
      http://porquecreio.blogspot.com.br/2014/01/um-protestante-historico-descobre.html

      Aqui temos o testemunho da conversão de um protestante para o catolicismo. Como você, também não é minha pretensão convencê-lo a nada, de verdade, mas não é mais um testemunho qualquer, é uma conversão que aconteceu, justamente, por causa da tese da justificação e do "anticatolicismo". Bom, fica a seu dispor.

      Mais uma vez, abraços.

      Excluir
  13. Graça e Paz Juliana. É uma pena um cristão que professa o nome de Cristo dizer: “não acredito na bíblia como ÚNICA fonte de verdade” . É fato que Jesus operou inúmeros milagres, que não foram todos escritos (João 20:30). Porém toda a Escritura fora inspirada pelo Espírito Santo, como diz em 2 Timóteo 3:16,17:

    “Toda a Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa para ensinar, para redargüir, para corrigir, para instruir em justiça; Para que o homem de Deus seja perfeito, e perfeitamente instruído para toda a boa obra.”

    Dessa forma a Bíblia é inerrante em sua doutrina, eficiente e infalível, pois nos leva a salvação por Jesus. Deus permitiu que o que fosse escrito seria o essencial para nossa paz de espírito e salvação.

    Agora sobre a suposta assunção de Maria, você sabe que discordo plenamente. Já estudei trechos de documentos da igreja católica dos século IV, V, VI. Nisto observei que o primeiro texto em que isto é descrito foi considerado apócrifo e heréticos inicialmente.
    E Maria, como sendo da geração dos apóstolos, não foi citada nenhuma vez sobre tal assunção (que seria um fato notório, grandioso e plenamente divulgado por todos e que chamaria atenção dos escritores da Bíblia para mencionar tal assunção). Mas o que ocorreu? Nenhuma menção na Bíblia, e ainda mais importante, nenhuma menção pelos profetas no Antigo Testamento. É só parar para pensar. Um importante texto está em Amós 3:7:

    “Certamente o Senhor DEUS não fará coisa alguma, sem ter revelado o seu segredo aos seus servos, os profetas.”

    Se tal assunção tivesse realmente acontecido, teria sido profetizada, Jesus teria citado (pois falou sobre as coisas da terra, do céu e das coisas que iriam acontecer) e seria corroborada pelos apóstolos, sobretudo Paulo, que em todas suas diversas cartas absolutamente nada citou. E qual seria também o proposto da assunção, se a obra da salvação pelo sacrifício da cruz já fora consumada?

    Mas percebo que Cristo e seu sacrifício numa cruz ainda não te é suficiente, pois é necessário a suposta assunção de uma segunda pessoa que nasceu da carne e não do espírito, como Jesus, para ajudar a garantir a salvação...

    Um breve comentário sobre o artigo que me passou. Li inteiro. Apenas algumas linhas de comentário sobre ele: embora você tenha escrito antes que crê num corpo sem ser este uma instituição, por esse texto me parece que a igreja de Roma ensina que ela é o corpo, pois no texto o rapaz se converteu ao catolicismo. Onde está isto na Bíblia? Eu não me converti ao protestantismo, mas à Jesus, arrependendo-me de meus pecados, seguindo firme e crendo em suas promessas. Se assim fosse mandaria também milhares de artigos de pessoas que se converteram do catolicismo para o protestantismo, mas creio não ser essa a questão. O erro não foi essa conversão dele de um lado para o outro, em minha opinião foi crer em doutrinas extra-bíblicas, não crendo da suficiência de Cristo e seu Evangelho. Paulo combateu firmemente isto já em sua geração, alertando os Gálatas:

    “Mas, ainda que nós mesmos ou um anjo do céu vos anuncie outro evangelho além do que já vos tenho anunciado, seja anátema.” - Gálatas 1:8

    Foi um prazer trocarmos idéias. Perdoe-me ser incisivo, não quero ter sido rude ou ofensivo, se tal coisa aconteceu, me perdoe. Fui tranqüilo e escrevi meus pontos com mansidão e calma. Amigos e irmãos são aqueles se amam, mesmo discordando entre si em algumas coisas.

    Que Deus te abençoe, que Sua graça e sabedoria preencham seu coração. Um abraço fraternal.

    Um versículo para reflexão:

    “Examinais as Escrituras, porque vós cuidais ter nelas a vida eterna, e são elas que de mim testificam;” - João 5:39

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fique com Deus, irmão.

      Excluir
  14. Qualquer coisa que colocamos no lugar de Deus constitui-se em ídolo. Por exemplo, ao dirigirmos nossa oração à Maria ou qualquer outro santo, estamos descartando Deus e colocando um mediador entre nós e a esfera espiritual. Isto é idolatria. O pior cego é aquele que não quer enxergar. Vejam em Salmos 115:3-8:

    Nosso Deus está nos céus; ele faz tudo o que lhe apraz.

    Quanto a seus ídolos de ouro e prata, são eles simples obras da mão dos homens.

    Têm boca, mas não falam, olhos e não podem ver, têm ouvidos, mas não ouvem, nariz e não podem cheirar.

    Têm mãos, mas não apalpam, pés e não podem andar, sua garganta não emite som algum.

    Semelhantes a eles sejam os que os fabricam e quantos neles põem sua confiança.

    Alguma semelhança com o que vemos no interior da igreja católica? Pensemos: ao adentrar numa igreja dessa, em vez de ter apenas os bancos e um lugar para oração, há estátuas, que sugerem a existência de outras divindades.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Suânia, a paz em Cristo!

      "Qualquer coisa que colocamos no lugar de Deus constitui-se em ídolo". Concordo inteiramente com você. E, sinto muito te informar, mas esse tipo de atitude não é exclusividade de católicos! Seria muito fácil acabar com a idolatria destruindo imagens. Todos os problemas estavam resolvidos, não é? Mas, me responde uma coisa: Quando vocês oram uns pelos outros dentro de sua Igreja, também estão praticando um ato de idolatria?

      Excluir
  15. Essa insistência dos católicos em defender seus ídolos e não se arrependerem é bíblica, como destaca Apocalipse 9: 20:

    [...] não se arrependeu das obras de suas mãos. Não cessaram de adorar o demônio e os ídolos de ouro, de prata, de bronze, de pedra e de madeira, que não podem ver, nem ouvir, nem andar.

    Mesmo durante a ira de Deus, durante o julgamente do mundo, o povo não se arrependeu de servir deuses mortos feitos de madeira. Mesmo Deus dando uma última oportunidade de se arrependerem, tal ao não foi feito pels idólatras.

    ResponderExcluir
  16. Graça e paz Juliana e Suânia,

    É um prazer Juliana ler novamente comentários seus sobre o assuntos que debatemos antes. Sempre entrava aqui para ver se retornaria ou se alguém pudesse querer "conversar" um pouco mais sobre. Como você tinha finalizado ao debate, não dando continuidade, entendo caso não quiser ler meus comentários ou respondê-los. Mas deixo aberto à argumentação da Suânia e de outros que aqui lerem.

    Concordo plenamente que a idolatria não está retrita à igreja de Roma. Muitos pensam que apenas ídolos feitos de barro, madeira ou pedra se encaixam no quesito idolatria. Basta vermos o que Paulo escreveu aos Colossenses 3:5 “Assim, façam morrer tudo o que pertence à natureza terrena de vocês: imoralidade sexual, impureza, paixão, desejos maus e a ganância, que é idolatria”. A ganância também é idolatria!

    Neste ponto estamos num mesmo entendimento. Agora como eu respondo sua questão: “Quando vocês oram uns pelos outros dentro de sua Igreja, também estão praticando um ato de idolatria?” ?

    Bem, a Bíblia não entraria em contradição. Em Tiago 5:16 nos diz “ [...] orai uns pelos outros [...] a oração feita por um justo pode muito em seus efeitos.” Assim sendo, a Bíblia corrobora oramos com nossos irmãos, por eles (se estiverem passando necessidades, aflições). Nisso aumenta nossa comunhão e fé. É lícito e correto oramos com eles, quer dizer, estarmos juntamente com nossos irmãos elevando nossa oração a Deus, ou seja, estarmos vivos, orando a Jesus, “Mediador entre Deus e os homens” - 1 Timóteo 2:5”.

    A Bíblia não admite, em nenhuma hipótese, orarmos por pessoas que já não estão mais no plano terreno (que não estão vivas), não é um conceito bíblico. O escritor aos Hebreus nos diz: "E, assim como aos homens está ordenado morrerem uma só vez, vindo, depois disto, o juízo" (Hebreus 9:27). Aqui entendemos que nenhuma mudança na condição espiritual pode ser feita após a morte - ou por si próprio ou por meio dos esforços dos outros.

    Por isso orar com nossos irmãos não constitui idolatria. Agora orar por pessoas que já morreram ou orar para que mortos intermedeiem junto a Deus é uma heresia crassa.

    Não quero aqui magoar, atacar, ser rude, apenas debater biblicamente sobre questões tão importantes como estas. Saí do meio da igreja romana justamente pelas incongruências, erros de interpretação da Bíblia, a corroboração de doutrinas completamente contrárias às Escritudas.

    Por outro lado muitos segmentos protestantes seguiram pelo mesmo caminho, mas ainda há um remanescente "Bereiano", que como diz em Atos 17:2,11, conforme Paulo ia pregando, os fiéis da cidade de Beréia confrontavam suas palavras às Escrituras, para testificar se realmente era verdade o que Paulo dizia. E de fato era. Que Deus em Cristo abençoe você Juliana e todos nossos irmãos católicos. Espero respostas suas (se possível) ou da Suânia.

    ResponderExcluir
  17. Depois da leitura do comentário já postado vi erros de digitação meus, me desculpem, mas a ideia que quis escrever, creio eu, ficou clara. Abraços

    ResponderExcluir
  18. Oi, Andry. Como vai? Quanto aos erros de digitação, nem os vejo. Não se preocupe. Não estou aqui para julgar seu português...kkkk.

    Bom...A bíblia não se contradiz mesmo! Nós é que fazemos isso e muito bem! Quando a palavra diz: "Jesus é o ÚNICO mediador entre Deus e os homens" não está claro? Então por que, na prática, tanto protestantes quanto católicos oram uns pelos outros? A isso não se dá o nome de MEDIAÇÃO? Você já respondeu: "Orai uns pelos outros." É aí que está a chave! Jesus não é sozinho, Ele é a cabeça e tem um corpo, com membros que rezam uns pelos outros fazendo unidade a ELE. Só a Ele e não a outros deuses. Realizando a COMUNHÃO DOS SANTOS. Não entendem o caráter social do evangelho? Quando há cura por meio do guardanapo usado por São Paulo ou por meio da sombra de São Pedro, a isso não se dá o nome de INTERCESSÃO ou MEDIAÇÃO?
    Agora, quanto à morte, vamos ver:

    Romanos 8, 38-39: "Tenho certeza de que nem a MORTE, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem o presente, nem o futuro, nem as potências, nem a altura, nem a profundeza, nem outra criatura qualquer será capaz de nos separar do amor de Deus, que está no Cristo Jesus, nosso Senhor." Dá pra perceber, claramente, que a morte não nos excomunga do Corpo de Cristo. Se não, de quê adiantaria a gente ser batizado ou ser membro do Corpo de Cristo aqui pra depois perder a validade? Então, pra quê serve a Igreja se não for, justamente, pra depois da vida? Pra quê serve a Igreja se não for pra salvação eterna? Se nada disso é justificativa, Então "comamos e bebamos pois amanhã morreremos." Lá em apocalipse também vemos várias passagens onde percebemos a atividade de orações e louvores no céu: "Quando abriu o quinto selo, vi debaixo do altar AQUELES QUE TINHAM SIDO IMOLADOS POR CAUSA DA PALAVRA DE DEUS e do testemunho que tinham dado. Gritaram com voz forte: Senhor santo e verdadeiro, até quando tardarás em fazer justiça, vingando o nosso sangue contra os habitantes da terra?" Note que nem tinha havido a ressurreição ainda. Estavam na tribulação. O que eles estão fazendo se não REZANDO? Tem outra: "Por isso, estão diante do trono de Deus e lhe prestam CULTO, dia e noite, no seu santuário." Então, está mais do que claro que morto reza e presta culto a Deus. Por isso tudo, irmãos, não tenho medo de me ajoelhar diante de uma criatura na qual Deus resplandece a sua glória! Isso não é uma atitude de idolatria é uma atitude diante de toda a criação de Deus. Usamos essas imagens como ÍCONES, janelas transparentes que nos fazem louvar a Deus. Vocês não conseguem enxergar Deus nessas frágeis vidas? Corramos TODOS para único caminho que é Cristo, sempre! A paz aos dois.

    ResponderExcluir
  19. Agora, sinceramente, o que me preocupa muito é a maneira astuciosa com que o demônio vai fazendo as coisas. Enquanto vocês gastam essa energia toda conosco por causa da nossa veneração a coisas ou pessoas que são CLARAMENTE de Deus, a destacar as obras mais fascinantes e visíveis: Milagres eucarísticos (hóstias que se transformaram em carne e vinhos que se transformaram em sangue até hoje INCORRUPTÍVEIS), corpos de santos INCORRUPTÍVEIS, Aparições de Nossa Senhora com mensagens EVANGÉLICAS e milagres que até hoje são visíveis, como algumas fontes de água que apareceram com a ajuda e orientação a seus videntes, tudo isso comprovado cientificamente, o mundo está cada vez mais SECULARIZADO. O Deus cada vez mais tirado do centro. Principalmente do seio da família. As crianças sendo educadas para o consumismo, o individualismo, o egoísmo. Ou seja, não quero UM DEUS porque se tiver um Deus, EU não me pertenço. Aí sim, amigos. Isso sim é a verdadeira IDOLATRIA. É justamente o que o gnosticismo prega. Eu tiro Deus e ME coloco no seu lugar. O que tem mais importância do que carro, joias, dinheiro, fama, corpo perfeito, sexo livre? São justamente os ídolos que não falam, não andam, não cheiram, não vêem e que estão sendo colocados no lugar do nosso Deus! E enquanto a gente está aqui se distraindo com nossas "guerrinhas" é isso que está acontecendo com o mundo! Ontem mesmo eu parei para dar uma olhada no perfil, no face, de um ateu. Fiquei impressionada com a quantidade de gente que está aderindo a esse estilo de vida! E as barbaridades que falam de Jesus...é triste. E é justamente NESSAS coisas que Nossa Senhora frisa em suas aparições. Ela diz que estamos deixando de consolar a Deus por nossas orações, O estamos desagradando porque não pedimos mais pela conversão do mundo! E pede, em todas, ORAÇÃO e PENITÊNCIA! E, em vez, de todos nós darmos testemunho de Cristo ao mundo, nossa rixa serve de zombaria para esses ateus e, o pior, de argumentos para convencer mais e mais pessoas de que religião só serve para alienar.

    ResponderExcluir
  20. Ah, por favor, eu acho que coloquei a palavra GNOSTICISMO em algum lugar. Leia-se ateísmo. Eu estava em outra discussão e acabei trocando as bolas. Mas também nem sei se foi isso mesmo. Só estou com a impressão. (Rsrsrsrs)

    ResponderExcluir
  21. Graça e Paz Juliana! Bons argumentos você trouxe, porém quando se usa texto fora do contexto se gera um pretexto para fundamentarmos qualquer loucura que quisermos, e isso é possível, mesmo usando a Bíblia, utilizando versículos isolados. Eu escreveria explicando detalhadamente, porém creio que deveria usar uns 7, 8 posts. Vou tentar ser claro e suscinto.

    Sobre Mediação, o dicionário (www.dicio.com.br) diz: “Ação de auxiliar como intermediário entre indivíduos ou grupo de pessoas; intervenção”. Ou seja, Jesus no meio entre um homem e Deus, assim:

    Fiel => Oração => JESUS => DEUS (Jesus é o intermediário)

    Uma pessoa orando por outra se dá da seguinte forma:

    Fiel 1 => Oração => JESUS => DEUS
    Fiel 2 => Oração => JESUS => DEUS (Os dois se unem em oração em um mesmo propósito)

    Essa é a forma como a Bíblia nos mostra. Porém seu entendimento na mediação se dá da seguinte forma:

    Fiel => Oração => SANTO => DEUS ou Fiel => Oração => SANTO => JESUS => DEUS

    Quem é o intermediário? O santo que já morreu? Onde Jesus entra? Jesus é falho ou insuficiente no papel de mediação para que necessite da ajuda de alguém? Agora um GRANDE segredo está em Romanos 8:26,27:

    “Da mesma forma o Espírito nos ajuda em nossa fraqueza, POIS NÃO SABEMOS COMO ORAR, mas o próprio ESPÍRITO INTERCEDE POR NÓS com gemidos inexprimíveis. E aquele que sonda os corações conhece a intenção do Espírito, porque o ESPÍRITO INTERCEDE PELOS SANTOS de acordo com a vontade de Deus.”

    Glória a Deus! Não são santos, nem Maria, nem mortos, nem almas, que intercede por nós junto a Deus, mas o próprio Espírito Santo!!!

    Mostre-me na Bíblia onde Jesus usou o nome de Abraão, Isaque, Jacó, Davi ou profetas para orar. Ou que os 12 apóstolos fizeram isso, ou que Paulo tenha feito . Aí mudarei meu ponto de vista. Em Romanos 8:38-39 realmente diz que "[...] nem a MORTE, nem a vida [...] será capaz de nos separar do amor de Deus [...]”. O que significa isso? Que mesmo um fiel morrendo fisicamente, essa circunstância não separará do amor de Deus, ou seja, o diabo não vai “roubar” sua alma pelo fato de ter morrido, pois somente o corpo apodrece na terra, a salvação da alma está garantida em Jesus.

    ResponderExcluir
  22. * Continuação 1

    Sobre o Apocalipse 6:9,10, nos fala dos mártires que foram mortos desde o início do Cristianismo até os tempos da abertura do quinto selo que “clamavam com grande voz, dizendo: Até quando, ó verdadeiro e santo Dominador, não julgas e vingas o nosso sangue dos que habitam sobre a terra?”. O que significa essa clamor? Vemos em Gênesis 4:10 que o sangue de Caim também clamava a Deus.

    Nos dois casos há um clamor de justiça, para que Deus, em seu tempo, traga juízo sobre a terra, sobre aqueles que oprimiram o povo de Deus. Interessante ver que essas almas estavam debaixo do altar, falando diretamente a Deus, pois morreram em Cristo, por isso esse diálogo direto com o Pai. Não vemos aqui pessoas vivas na terra rezando por meio das almas dos mártires que estão no céu para que intermedeiem junto a Deus.

    Também não vemos essas almas dos mártires rezando por homens que estejam vivos na terra. Há apenas um clamor, um pedido a Deus para que se faça justiça. E todos sabemos que os selos, trombetas e taças do Apocalipse são juízos de Deus sobre a terra, ou seja, o atendimento de Deus das orações dos mártires. Não dá para querer colocar outra doutrina nesse texto.

    Meu intuito não é argumentar tudo contra a igreja de Roma numa busca desenfreada para saber quem está certo. Sou apenas um amante das Escrituras, um aprendiz, que entende um mínimo necessário para ter discernimento em saber o que é que está na Bíblia contra o que foi inventado por homens. Tanto é que assisto o programa no Pe. Fábio de Melo e o acho um homem muito sensato, gosto de seus sermões, embora não concorde com tudo o que ele fala. Veja o vídeo, se quiser e puder, em que ele, com uma lucidez excepcional, acaba sendo um ponto fora da curva do catolicismo:

    Link 1: http://www.youtube.com/watch?v=YLHfJO1YZXc

    Diz: “A devoção mariana sendo excessivamente colocada num lugar em que Maria está fora do lugar dela, sendo colocada no lugar do Cristo, ISTO NÃO É CRISTIANISMO. A liberdade consiste em olhar a santidade de Maria e de você rezar com ela para que o tempo todo Cristo prevaleça entre nós, porque não podemos mais admitir a experiência de um Cristianismo sem o Cristo. É Cristo quem nos salva [...] estamos muito amarrados em algumas coisas classificando isso como religioso, isso como bonito”. Agora o principal de seu sermão: “Nós precisamos retomar à seriedade dessa palavra [Bíblia], Paulo não está falando com meios termos, [pois] É Cristo quem nos salva, e é em torno dEle que precisamos organizar nossa vida”.

    Link 2: http://www.youtube.com/watch?v=lmfAQXtogbM

    Diz: ”Dentro do Evangelho, Maria ocupa uma posição muito discreta, de serenidade”. Que ele nunca teve o hábito de fazer novena, de rezar para santos. No minuto 4:43 sabiamente diz: “em muitos segmentos do catolicismo nós realmente desvirtuamos as coisas, nós colocamos os santos acima de Jesus e muitas vezes confundimos a devoção mariana, com nossos exageros”.

    ResponderExcluir
  23. * Continuação 2

    A Bíblia nos fala pouco sobre Maria, mas o essencial para que notemos como foi uma mulher temente a Deus e que se colocava em seu lugar, sendo absolutamente discreta em tudo. Veja que Jesus a chama até de mulher em vez de mãe João 2:4 e João 19:26, como figura de que sua missão na terra haveria apenas ser essa: ser o ventre em que nasceria Jesus, o Messias.

    Concordo quando diz que importa mais em buscamos salvação de almas em vez de atacar um ao outro, que creio que não é o que estamos fazendo aqui (apenas trocando idéias sobre a Bíblia). Mas quando vemos uma matéria como a desse post, em que um homem de carne e osso, pecador como qualquer outro, ter seu sangue retirado e venerado... Dói no coração daqueles que confiaram no sacrifício de Jesus na cruz, vertendo seu sangue para nos perdoar os pecados. E tenho certeza que causa “tristeza” no coração de Deus, por ver pessoas tirando o foco de Cristo e venerando homens...

    Termino com João 1:10, 11: “ [Jesus] Estava no mundo, e o mundo foi feito por ele, e o mundo não o conheceu. VEIO PARA O QUE ERA SEU, E OS SEUS NÃO O RECEBERAM”. Ele veio primeiramente para os judeus, mas estes estavam tão cegos por sua doutrina, de que o Messias viria como um rei terreno e restauraria a nação política de Israel, que não perceberam que o Messias já veio, conviveu 33 anos com eles, morreu e, mesmo após 2000 anos ainda não perceberam que Ele já veio. Assim digo, a igreja de Roma está tão fechada com seus dogmas criados por homens, por concílios e pareceres humanos, referente à idolatria, que não percebem que a Deus trouxe uma luz ao mundo, Jesus, mas mesmo assim os homens preferem olhar para meras lanternas (de homens fiéis que serviram a Deus) .

    Com respeito, sem ofensas, com temor e tremor escrevo isso. Deus te abençoe Juliana, gosto muito de trocar idéias com você, aprendo contigo, prezo muito por essa amizade virtual. Abraço fraterno.

    ResponderExcluir
  24. Ju (posso chamar assim?). Só um adendo. Em Gálatas 2:11 nos mostra uma repreensão de Paulo em Pedro: "E, chegando Pedro à Antioquia, lhe resisti na cara, porque era repreensível." Esta foi o conteúdo da advertência de Paulo, em Gálatas 2:14:

    "Mas, quando vi que não andavam bem e direitamente conforme a verdade do evangelho, disse a Pedro na presença de todos: Se tu, sendo judeu, vives como os gentios, e não como judeu, por que obrigas os gentios a viverem como judeus?"

    Isso se deu porque Pedro era repreensível, ou seja, segundo o texto, ele havia se afastado dos cristãos gentios, com medo dos judeus, que pregavam que ainda era necessário a circuncisão da carne. Pedro estava sendo hipócrita.

    Esse texto nos mostra que quando vemos um irmão caminhando em sentido contrário ao que diz as Escrituras, temos que adverti-lo com amor, conforme Paulo fez, para que aquela vida não seja enganada. Da mesma forma devemos ter a mansidão e equilíbrio de Pedro, de aceitar a advertência de alguém que está vendo erro em nós. Até nisso a Bíblia é rica e não escondeu de nós a divergência entre os 2 maiores apóstolos.

    Veja que esse papo já é antigo. Era o Judaísmo reclamando que o Cristianismo havia saído de dentro deles proclamando uma mensagem diferente, que estavam quebrando a tradição de uma religião fundada pelo pai Abraão, do Deus de Israel.

    O mesmo acontece hoje, a igreja de Roma avocando sobre si como a representante da igreja de Cristo na terra, reclamando que o Protestantismo saiu do meio dela, proclamando uma mensagem diferente, de estar quebrando a tradição da igreja católica ao longo dos séculos.

    Paulo estava errado em “sair” do Judaísmo e aderir-se ao Cristianismo, abandonando a tradição? Não, ele entendeu a mensagem do Evangelho, foi contra algumas práticas judaicas. E, assim sendo, repreendeu Pedro, que estava com costumes judaizantes. Assim sendo, somos contra qualquer postura que sugira um desvirtuamento de Cristo à qualquer imagem, mesmo sendo essa imagem de alguém que O serviu. Melhor é olhar para o Sol da justiça do que para a lâmpada de um candeeiro.

    Por isso esse nosso papo longo, eu aceitando o que você diz, refletindo e da mesma forma espero você ponderar o que escrevo, confrontar nas Escrituras, e ver se vale a pena considerar minhas palavras.

    Abraço fraterno.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pode sim me chamar de Ju, claro. Quanto ao vídeo, pra mim, isso já é uma história velha e que eu estranhei desde a primeira vez que me mandaram. Não confio em vídeos cortados, editados e claramente acrescentados como esse foi. Na internet está cheio de vídeos que, descaradamente, tentam difamar a Igreja Católica. Confesso que já vi um também de católicos usando da mesma medida e que, pra mim, não tem validade nenhuma. Mas, para a grande maioria, é uma poderosa ferramenta para a tentação do "levantar falso testemunho."

      Veja: https://www.youtube.com/watch?v=8ASpfiQj6Tc

      "Quando ele recebeu o livro, os quatro seres vivos e os vinte e quatro Anciãos prostraram-se diante do Cordeiro. Todos tinham harpas e taças de ouro cheias de incenso, que são as ORAÇÕES DOS SANTOS." Mais uma vez, orações trazidas por intermédio. Aliás, o INTERMÉDIO é a relação pela qual Deus se revela no mundo desde que o homem resolveu, pelo pecado, se afastar da sua convivência. Não podemos olhar diretamente para o Sol, que é Deus, mas podemos e devemos olhar para o brilho que ele revela na montanhas (servos). Aliás, é por essa relação, intermédio, que temos hoje essa bíblia nas mãos. Veja, logo que começa a se realizar a Promessa (a Páscoa, o Êxodo, a entrega da Lei e a conclusão da Aliança), a oração de Moisés é a figura surpreendente da oração de intercessão que se realizará no "único Mediador entre Deus e os homens, Cristo Jesus" (1Tm 2,5). Também é aqui que Deus vem primeiro. É Ele quem chama Moisés do meio da sarça ardente. De fato, se "o Deus de Abraão, Isaac e Jacó" chama seu servo Moisés, é porque Ele é o Deus vivo que quer a vida dos homens. Ele se revela para salvá-los, mas não sozinho, nem apesar deles. Chama Moisés para enviá-lo, para associá-lo a sua compaixão, a sua obra de salvação. Há, por assim dizer, uma imploração divina nesta missão, e Moisés, depois de longo debate, conformará sua vontade com a de Deus salvador. Aprende a orar. Esquiva-se, objeta e, principalmente, pede. E, em resposta ao seu pedido, Deus se revelará em seus grandes feitos. Deus falava face a face com ele (Ex 33,11). Moisés implorava, suplicava e depois descia ao povo para repetir as palavras de Deus e guiar o povo. Da intimidade com Deus, Moisés tirou a força e a tenacidade de sua intercessão. Não ora por si, mas pelo povo que Deus adquiriu. Já durante o combate com os amalecitas, ou para obter a cura de Miriam, Moisés intercede.
      Davi é por excelência o rei "segundo o coração de Deus", o pastor que ora por seu povo e em seu nome, aquele cuja submissão à vontade de Deus, cujo louvor e arrependimento serão o modelo da oração do povo.
      A intercessão é uma oração de pedido que nos conforma de perto com a oração de Jesus. Ele é o único Intercessor junto do Pai em favor de todos os homens, dos pecadores, sobretudo. Ele é "capaz de salvar de modo definitivo aqueles que por meio dele se aproximam de Deus, visto que Ele vive para sempre para interceder por eles" (Hb 7, 25). Interceder, pedir em favor de outro, desde Abraão, é próprio de um coração que está em consonância com a misericórdia de Deus. Eu não entendo porque vocês acham que isso é idolatria! Por meio da oração intercessora, fazemos pulsar o Corpo Místico de Cristo, a comunhão dos Santos! E peço, sim, a intercessão dos santos, pessoas a que Deus chamou primeiro, que são JUSTAS, mais do que eu e você, que entregaram sua vida com RADICALIDADE e ABNEGAÇÃO. E Nossa Senhora, não adianta citar o apocalipse, né? A mulher a quem o dragão odeia...Bom, mas é isso. Acho que finalizei por ora.

      Abraços, irmão.

      Excluir
  25. É irmã, vejo que nunca nos entenderemos. Creio na intercessão, que a oração de meus irmãos vivos junto a Deus têm muita valia. Mas essa intercessão não são de meus irmãos que já morreram, pois esses estão aguardando a ressurreição. Em Apocalipse, como disse, há os mártires que clamavam a Deus por justiça. Eles não oravam senão por eles próprios. Não poder olhar para Deus que o sol da justiça? Leia sobre em Isaías 45:2 “Olhai para mim, e sereis salvos, vós, todos os termos da terra; porque eu sou Deus, e não há outro”.

    Jesus é a luz do mundo e somente para Ele devemos olhar. Se eu me ajoelhasse diante de você agora, e orasse: “Ju, cura-me, abra uma porta de emprego, ou me proteja de todo o mal”. Que poder você teria para me atender? Agora se faço isso diante Jesus, todo poder foi dado a Ele nos céus e na terra.

    Sobre a mulher do capítulo 12 de Apocalipse, é fácil interpretá-lo. Fui ensinado também de que é a referência master na Bíblia em que mostra Maria glorificada. Estudando mais, temos a resposta em Isaías 26:15;17-18 , que diz:

    “15 Tu, Senhor, aumentaste a ESTA NAÇÃO, tu aumentaste a ESTA NAÇÃO, fizeste-te glorioso; alargaste todos os confins da terra.”

    “17 Como a MULHER GRÁVIDA, quando está próxima a sua hora, tem DORES DE PARTO, e dá gritos nas suas dores, ASSIM FOMOS NÓS diante de ti, ó Senhor!”

    “18 BEM CONCEBEMOS NÓS E TIVEMOS DORES DE PARTO, porém demos à luz o vento; livramento não trouxemos à terra, nem caíram os moradores do mundo.

    Voltemos à Apocalipse 12. Quem é a mulher? Confome a liguagem FIGURATIVA tanto do texto de Isaías como no de Apocalipse, refere-se à nação de Israel, em que o Messias viria. A mulher “tem coroa de doze estrelas sobre a sua cabeça”, significando as 12 tribos de Israel. Não seria os 12 apóstolos, porque o Messias nem ainda tinha nascido, como poderia usar uma coroa simbolizando os apóstolos?

    É fácil ver uma mulher na Bíblia e querer imaginar Maria. Mas veja que no versículo 6 ela é perseguida e foge para o deserto, onde é alimentada por 1260 dias. Como explicaria isso? Maria foi alimentada por exatamente esse tempo?

    Explicamos esse versículo referindo a perseguição que o povo judeu sofrerá nos tempos do fim, na Grande Tribulação, por 3 anos e meio, pelo Anticristo. A nação de Israel, de onde Jesus veio (Jesus era judeu) representado pela mulher (nação de Israel) no livro.

    Enfim, é importante uma boa exegese para entender o texto. E não meramente associar.
    Mas que possamos ler as Escrituras, entender o Evangelho. Foi muito bom ter visto alguém como você, um católico praticante, e não meramente nominal, que debata a Bíblia.

    Deus em Cristo te enriqueça ainda mais de graça, conhecimento e sabedoria. Se não pudermos nos ver nessa vida, que possamos no encontrar junto ao Pai nas mansões celestiais. Beijo Ju.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha, você viu o vídeo que indiquei? É porque não falou nada...

      Quanto "ao não poder olhar diretamente pra Deus" eu estou aqui falando literalmente. Você consegue ver Deus? Quem consegue? Ninguém. Deus nos ama ATRAVÉS de outras pessoas. É sempre esse o movimento ao qual, aliás, devemos aderir. Minha vida tem que ser uma ETERNA resposta concreta ao amor de Deus. Então, ATRAVÉS de mim, Deus vai amar meus próximos. Por que a caridade não é virtude humana. Não basta eu querer. Ele tem que me dar esse dom.
      Quanto ao "se ajoelhar diante de mim", você foi longe. Você não me tratou como uma INTERMEDIÁRIA, como uma INTERCESSORA, você, no seu exemplo, me tratou como um Deus. E não é essa a relação que temos com os santos. O olhar é sempre voltado a Cristo. É sempre uma ação CRISTOLÓGICA. Não pedimos NUNCA a eles aquilo que só Cristo pode nos oferecer. Quando os discípulos promoviam curas ou expulsavam demônios, faziam em nome de JESUS. Se alguém te ensinou o contrário dentro da Igreja Católica, não estava em plena comunhão com a Igreja!

      E quanto a Nossa Senhora, não adianta a gente discutir. Não adianta eu dizer que esse capítulo está no meio de todos os outros que são versões apocalípticas do que JÁ aconteceu. E também porque você apenas tem fé na bíblia como única fonte de verdade. Confia na Igreja pra isso e para as outras coisas, não. Confiou nos bispos para a canonização mas não para os dogmas (verdades de fé que, antes de serem proclamadas, já eram vividas desde os primórdios do cristianismo. Não são caprichos do Papa).

      Está bem, meu amigo. Como já disse antes, foi um prazer debater com você.

      Um forte abraço e que oremos uns pelos outros.

      Excluir
  26. Oi Ju, fiquei pensando tanto no que escreveu que passei batido no link do vídeo que você tinha passado. Assisti agora. O Pe. Fabio, como havia dito, o considero muito sensato, e mais uma vez o foi neste vídeo. Assim como tem evangélicos que editam vídeos de padres, tem católicos que editam vídeos de evangélicos, de forma a propagar contendas. Mas o próprio Pe., continuou sensato ao condenar o uso de medalhinhas como “ fonte de fé”.

    Você disse que fui longe caso me ajoelhasse diante de você fazendo um pedido. Veja a oração à Santa Luzia abaixo, extraída do link: http://www.aascj.org.br/home/2011/12/13/oracao-a-santa-luzia-protetora-contra-as-doencas-dos-olhos/

    Destaques em letras maiúsculas meus:

    “Ó Santa Luzia, que preferistes que vossos olhos fossem vazados e arrancados antes que renegar a sua fé e compuscar vossa alma; e Deus com um milagre extraordinário, vos devolveu dois olhos perfeitos para recompensar vossa virtude e vossa fé, e vos constituiu protetora contra as doenças dos olhos.

    Eu RECORRO A VÓS PARA QUE protejais minhas vistas e CUREIS A DOENÇA DE MEUS OLHOS.
    Ó SANTA LUZIA CONSERVAI A LUZ DOS MEUS OLHOS para que possa ver as belezas da criação o brilho do sol, o colorido das florestas e o sorriso das crianças.

    CONSERVAI também os olhos de MINHA ALMA, A FÉ , pela qual eu possa compreender seus ensinamentos, reconhecer o seu amor para comigo e nunca errar o caminho que me conduzirá onde vós Santa Luzia, vos encontrais , em companhia dos Anjos e Santos.

    SANTA LUZIA, PROTEGEI MEUS OLHOS E CONSERVAI MINHA FÉ. Amém.”

    Percebeu? Em minha oração no comentário anterior, pedi para que você Juliana me curasse, e você mesma respondeu: “você, no seu exemplo, me tratou como um Deus. E não é essa a relação que temos com os santos. O olhar é sempre voltado a Cristo”.

    Agora na oração à Santa Luziam percebe que o fiel pede a ela a cura, pede a ela a conservação da alma e da fé? Onde está Cristo nesta reza? Ela é apenas uma dos milhares que vocês têm.

    Confiei sim na igreja quanto ao cânon, enquanto ela permanecia na doutrina dos apóstolos, estávamos com ela. Quando houve um desvirtuamento, não tinha como continuar. Da mesma forma você estando num carro novo e funcionando plenamente. Se em movimento ele perde o freio e você tem a oportunidade de sair dele pelas portas, não o fará? Ou irá esperar ele se arrebentar num poste?

    Paulo era da tradição judaica, hebreu, circuncidado, doutrinado, militante, conhecedor de tudo sobre o Judaísmo. Mas ele quando viu que aquilo tudo não o salvaria, que havia erros intransponíveis, converteu-se ao Cristianismo. Devolvo sua pergunta: Paulo errou ao largar a tradição, costumes, a verdadeira fé no Deus de Abraão para seguir uma nova fé?

    A maior diferença Ju entre eu e você é que você está com a mente tão fechada nos ensinamentos de homens que não está olhando claramente para o que as Escrituras dizem. Por isso você seria menos cristã do que eu? Absolutamente não. Leia Atos 17, tome aquela lição como uma das mais importantes: ao ver alguém te ensinar algo sobre a fé, confronte na Bíblia, veja se bate, peça direção de Deus para compreender. Também sofro em meu meio, em que há desvirtuamentos terríveis também, o pecado da teologia da prosperidade e afins. Mas permaneço na Bíblia, no fundamento da igreja, que é Cristo e sua palavra.

    Às vezes tento parar de debater contigo por não ver que chegaremos a um ponto em comum, mas te considero e respeito e desejo saber seu ponto de vista, opiniões sobre a Bíblia. Peço que, caso não responda a esse meu comentário, que venha de vez em quando a esse post, pois gostaria de continuar tendo contato, se possível.

    Um abraço fraterno, fique na doce paz do Mestre.

    ResponderExcluir
  27. Também tento parar, mas acho que chegamos ao fim mesmo, se não rodaremos, rodaremos e não sairemos desse carrossel (rsrsrsrs). Mas, espero sim que cheguemos ao fim comum que é CRISTO aquele a quem amamos e escolhemos mesmo com todas as nossas limitações.

    Um forte abraço.

    ResponderExcluir
  28. É, não respondeu nenhuma das minhas perguntas anteriores, principalmente sobre a reza à Santa Luzia. Mas entendo, o carrossel está nos deixando tontos rsrs. Abraço

    ResponderExcluir
  29. Nossa, rendeu bastante aqui. Não tenho o conhecimento teológico de vocês 2, mas concordo com o andry sobre a intercessão. Essa reza a santa luzia ilustra bem que os católicos pedem sim ao santo suas preces, sem envolver Jesus. No exemplo de vcs, o andry "rezando" para a juliana. Se em vida ela nada pode fazer por ele, quanto mais depois de morrer? A mesma coisa acontece em relação aos santos. É só ler bem a bíblia pra compreender esse mistério.

    ResponderExcluir
  30. "Eis que estarei convosco até o fim dos tempos".
    A minha fé me faz acreditar em um Deus atemporal, pois assim o mesmo nos garantiu. Seu eu não olhar cada cristão como obra viva de um Deus que vive e reina eternamente. Não porque está no céu a nos olhar, mas, porque se derrama constantemente por meio de cada cristão.
    Não seria amor um Deus que inspirou a bíblia e a deu aos seus filhos e após a morte de Cristo se calou. Seria diminuir o poder de Deus e seu amor por cada filho.
    Imaginem nossos pais ou nós como pais, escrevendo um livro para nossos filhos com todas as leis da vida e todo o caminho a ser seguido e posteriormente apenas olhá-los entre seus erros e acertos. Eu diria que isso não é amor. Não é zelo. Seria fazer como pilatos: "Eu lavo minhas mãos.
    Mas imaginem um pai imensamente amoroso que educa seus filhos, dar o exemplo,mas, o acompanha durante todo o percurso de sua vida se fazendo presente de diversas formas, como uma fonte inesgotável de doação, de vida, de zelo e de amor. Esse é o deus pai amoroso no qual acredito. Em um Deus que faz com que, por meio de sua graça, todos nós participemos de sua vida divina.
    Jesus se faz presente hoje e sempre por meios, por pessoas, e pela liturgia. A única coisa que nos atraí ao Pai é Cristo, pois, eles são um só. E Jesus vivo presente em cada cristão é porta aberta ao paraíso para muitos. Foi assim com cada um de nós. Cremos em Deus porque nos sentimos amados por Ele por meio da vida nova que Ele gerou em alguma criatura. não fomos atraídos imediatamente pela bíblia, mas, pelo testemunho de fé, de vida de uma pessoa próximo a mim. Perceber na vida de cada um de nós a ação do Espírito de Deus presente e vivo que nos atraí ao Pai.

    ResponderExcluir
  31. ...
    Isso nos deixa claro que não somente a bíblia é fonte inesgotável de Deus, mas, que Ele se derrama a cada um de nós que faz d'Ele o centro de suas vidas.
    Somos feitos a sua imagem e semelhança, e assim como um são o Pai, o Filho e o Esp. Santo, também nós devemos ser um com a Trindade, para que sejamos fonte de Cristo mundo. Assim são os Santos, são fontes, janelas, ícones que nos transportam a Deus. Seria ignorância olhar e conhecer a vida dos Santos e não ler nelas o evangelho. Assim Deus espera de cada um de nós. Que possamos, se algum dia todas as bíblias do mundo forem queimadas, sermos capazes de, com a nossa vida, reescrevê-las. Pois, muitas pessoas podem não ter acesso a bíblia, mas, tem acesso ao testemunho que damos de Cristo por meio das nossas escolhas, do nosso comportamento, do que somos. A nossa vida faz com que Cristo esteja conosco até o final dos tempos.
    Sou admiradora da vida dos santos, pois, ali posso refletir a ação salvífica de Cristo. Olho para uma imagem e minha alma se sente atraída por Cristo, pois, a vida de cada santo me mostra que é possível viver plenamente em unidade com Cristo. Pois, eles não somente são imagem de Deus, como suas vidas se assemelham ao dom de amor da vida de Cristo. Assim como, a vida de cada um de nós deve se assemelhar a vida de Cristo.
    Quem nos olha deve ver a Cristo. Quem acompanha nossa vida, deve poder ver nela o próprio evangelho vivo e vivido.
    ...

    ResponderExcluir
  32. ...
    Somos todos canais do próprio Cristo no mundo, pois, dessa forma Ele se torna atemporal, sempre vivo e cumpre a promessa de estar conosco até o fim dos tempos.
    Não acreditar que Ele se faz presente, e continua a conduzir seu rebanho, por meio de seu Esp. se derramando por inspirações e iluminando seu povo. Seria o mesmo que não acreditar na sua onipotEncia, seria diminuir o poder de Deus. Diminuir sua capacidade de continuar a conduzir seu rebanho.
    Nada do que o magistério da Igreja, ou seus dogmas e doutrina, vão de encontro com as verdades contidas na bíblia. Mas, são um olhar para além da nossa capacidade humana e nossa limitação de compreensão. São uma lupa de aumento naquilo que o Pai quer nos orientar. São verdades de fé que nos conduz a transformar nossa vida em um evangelho lido e visto por todos.
    Não acreditar que Deus encontra outras formas de se fazer presente em nossas vidas é não acreditar no seu Espírito Santo, é negar a sua ação.
    É negar que Ele tenha inspirado Lutero. É assentir que Lutero tenha agido unicamente por meio de seus caprichos e achismos. Sim, Lutero foi inspirado pelo Espírito Santo para transformar em verdades de fé seus ensinamentos. Deus colocou na alma de Lutero a lupa de aumento que queria que a Igreja olhasse naquele momento e desse uma outra direção ao seu rebanho. Mas, Lutero não tendo entendido que era canal da ação do Espírito Santo, achou mais justo romper com a Igreja Católica, a qual ele professava a fé no Espírito Santo. Não insistiu, não brigou e nem defendeu a Igreja, mas, como disse Juliana, achou o caminho mais fácil. Deus não sugeriu a Lutero criar uma outra denominação religiosa, mas, cristificar, sacralizar a Sua Igreja. A Igreja fundada por Ele e confiada a Pedro. Lutero negou a ação do Espírito Santo e escutou suas próprias verdades e razões.
    Ao contrário fez São Francisco, um santo, que tendo entendido a ação do Espírito Santo, lutou pela Igreja, para que Cristo retornasse ao centro dela. Acho que vocês conhecem a vida de São Francisco, e a luta dele pela renovação na Igreja. Tendo Ele amado à Deus o amou até o fim. ATÉ O FIM, ATÉ O FIM, deu testemunho de seu amor por Cristo e pela Igreja, sofreu, mas não desistiu. Assumiu o sofrimento por amor a Cristo e a Igreja.
    ...

    ResponderExcluir
  33. ...
    Assim como fez Maria, fez José e todos os Santos e assim devemos fazer nós Cristãos.
    Jesus é atemporal, sua ação na Igreja é atemporal, sua ação na vida de cada um de nós é atemporal. Não acreditar no seu grandioso poder de se fazer partícipes de Sua vida em nós é não acreditar no deus poderoso. É diminuir, limitar sua divindade, sua ação salvífica através dos tempos.
    Não somos cristãos por mérito próprio, mas, por ação divina. Por obra e graça do Espírito Santo. olhar um santo e se limitar a humanidade dele é não reconhecer a divindade de Cristo. Somente os protestantes, ou os imaturos na fé, é que creem que contemplamos a humanidade dos santos, e acreditamos no poder deles. Pois, para nós católicos um santo é uma dádiva de Cristo, é fonte inesgotável do poder de Deus. É uma visão contemplativa para o poder divino. Não cremos na humanidade e no poder da pessoa humana dos santos, mas, cremos na participação divina e almejamos a vida eterna ao lado de Cristo e é por acreditar que estaremos ao lado de Cristo e frente a frente com o Pai, que pedimos intercessão de quem, COM A GRAÇA DE DEUS, já alcançou os céus. Mas, sabemos que, SOMENTE, se recebe uma graça por meio da generosidade de DEUS. Não pedimos ao homem, pessoa humana do santo, mas, pedimos a participação divina. Pois, tendo cristo feito de nós irmão, somos todos uma única família. E família se cuida, zela uns pelos outros, se amam e pedem, junto ao Pai, por seus irmãos.
    Quem de nós nunca recorreu a mãe, ou ao irmão para ser ser intercessor junto ao pai. Assim a família humana deve ser reflexo da família divina. Tudo Deus deixou como gatilho para nos levar a Ele, para que em tudo se contemple a Ele.
    A bíblia ilumina a vida e a vida ilumina a bíblia, ou seja, contemplamos o mistério de Deus lendo a bíblia, e vivendo como ensina a bíblia abrimos a janela da alma para entender com mais profundidade a bíblia, segundo a vontade do Pai. Entendê-la tbm não é mérito nosso, mas, ação divina de um deus que age em nossas vidas. Por este motivo a fé sem obras é morta. Se lermos a bíblia somente com o olhar da sabedoria humana, seus mistério não nos serão revelados. Mas, ser lermos a bíblia por meio da ação do Espírito Santo, por meio da nossa adesão, a Cristo, iremos mergulhar em águas que somente cristo poderá nos dar de beber. A bíblia está entrelaçada a vida. A uma vida revestida e transformada por Cristo. É por meio da transformação da vida de quem nos cerca é que a bíblia ganha força de verdade e é compreendida por muitos de nós. Posso ler a bíblia por meio da vida dos santos, assim como por meio dos rosário, assim como por meio da vida de Maria. Somente os imaturos na fé, e os não crentes no poder transformador de Deus é capaz de olhar a vida dos santos, uma uma imagem deles, ou uma foto de alguém que já morreu e que era sal e luz para o mundo, que não é capaz de contemplar a grandeza de Deus.
    ...

    ResponderExcluir
  34. ...
    os santos são sal e luz para o mundo, assim como, cada um de nós devemos ser. Eles alcançaram a perfeita unidade com Deus, de tão perfeita que ao olhá-los nos remetem diretamente a Deus. Essa perfeita unidade é que devemos alcançar cada um de nós. Se não formos capazes de com a nossa vida testemunhar a Deus, em vão será a nossa fé. Quando digo testemunhar não digo apenas pregar ou falar, mas, digo ser capaz de, por meio do nosso modo de ser, do nosso comportamento, dar testemunho da ação transformadora de Deus, assim como os santos. Nossa vida deve ser tão unida a Deus, que até no silêncio levem as pessoas a contemplarem a ação de Deus.

    ResponderExcluir
  35. Perdão pelos erros de português, é que tava escrevendo e atendendo aos meus filhos e não reli e nem corrigi antes de publicar. e foram muitos. Perdão!
    Mas, com ele não quero confrontar e nem me colocar como dona da verdade. mas, contemplar a beleza da comunhão. A verdade é a concretização de um nós, que é Jesus. Cristo é a verdade e Ele é gerado pela comunhão de almas. Que sendo capazes de amar no falar e no silenciar ao escutar, que geramos todos a presença de Cristo e Ele falará no coração de cada um, aquilo que ele desejar falar. Tenhamos todos um imenso Jesus presente e vivo entre nós.

    ResponderExcluir
  36. Poxa, Amelia...eu já tinha dado por encerrado este assunto, mas suas palavras me levaram até Jesus! Obrigada! É justamente o que eu tentava argumentar só que em outras palavras...É muito fácil dizer e escolher: "Só a fé", esquecendo-se do fato de "crucificar" a sua própria vida como maior resposta de amor que você pode dar. É mais fácil ainda dizer: "Só a bíblia" porque não dá trabalho algum pra nosso modo cartesiano de ver as coisas, ou seja, tudo tem que ter uma prova física e se não tem, não é válido. Não precisa mexer demais na fé. É cômodo. É "Tomelístico". Muito melhor é dizer: "Eu não preciso de ninguém pra me levar até Cristo", excluindo de vez qualquer tipo de autoridade que se coloque entre mim e Deus, porque EU me basto. Mas já pensou se isso vira moda desde o tempo dos apóstolos? O fato de Jesus ter dito: "Ensinando-os a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos", não dá pista sobre a autoridade da Igreja? Eu não entendo. Como podem achar que a Depositária da Fé é desviada? Traidora? A verdade é que, como bem disse Amelia, só conseguem olhar para uma imagem e enxergar somente isso. Nada mais. É como olhar para o crucifixo e enxergar somente o lugar onde Cristo sofreu. Não enxerga que aquilo é a declaração de amor permanente de Deus por nós e que é nossa vocação. É pra onde somos chamados se quisermos nos declarar a Ele também. Viver amor sem cruz, é não viver o amor. Todos os santos nos ensinam exatamente isso. Mas, infelizmente, é mais fácil não fazer da minha vida uma VIA CRÚCIS.

    Mateus 28:20

    ResponderExcluir
  37. Graça e Paz Amélia, Suânia e Juliana. Li atentamente cada ponto escrito pela Amélia, gostaria de comentar, mas uma frase da Juliana me esmoreceu, fato este que me fez desistir de comentar, não por falta de argumentos ou conhecimento, mas pelo fato de vocês acharem que a igreja Romana é a única representante de Cristo na Terra, ideia esta da Juliana: "Como podem achar que a Depositária da Fé é desviada?". Deus não confiou a nenhuma instituição o poder universal sobre o Cristianismo. Confiou a fé à homens, que o seguissem em retidão e sinceridade.

    Comecei este diálogo com a Juliana pelo fato de ela ser católica, conhecedora dos dogmas de sua igreja e não ter se mostrado "fundamentalista" . Apenas houve uma discordância de ideias, mas tudo na perfeita paz.

    Se quisermos falar sobre Deus, sobre o Céu, sobre Jesus, qual o paradigma, o modelo, qual é a base senão a Bíblia? Se vocês pararem numa porta de bar, por exemplo, até o mais inebriado pelo álcool terá sua opinião sobre Deus, por ouvir falar, por empirismo ou por imaginação própria. Agora pergunto: É este o paradigma, a opinião? Não é melhor ter como premissa a Palavra de Deus, a Bíblia? Fiquei chateado Ju com suas palavras, uma tentativa de colocar em minha boca palavras que não disse e que também não deixei implícito, transcritas a seguir:

    “Só a bíblia" porque não dá trabalho algum pra nosso modo cartesiano de ver as coisas, ou seja, tudo tem que ter uma prova física e se não tem, não é válido. Não precisa mexer demais na fé. É cômodo. É "Tomelístico". Muito melhor é dizer: "Eu não preciso de ninguém pra me levar até Cristo", excluindo de vez qualquer tipo de autoridade que se coloque entre mim e Deus, porque EU me basto.”

    Não desmereço a autoridade da igreja. Não preciso ser como Tomé, de que precisa ver para crer (embora essa atitude dele nos comprova que o Cristo ressurreto tinha marcas físicas da crucificação em seu corpo). Não digo que não preciso de ninguém, senão nem cristão eu seria.

    Sobre a adoração a santos já deixei tudo tão explicado, comentado, que não quero ser repetitivo. Entrei neste debate como um irmão de vocês, não para afrontar, converter ao protestantismo, pelo contrário. Sempre me dirigi à Juliana com respeito, pedindo desculpas caso fosse rude ou incisivo demais. Minha intenção é examinarmos melhor a Bíblia.

    Deixo apenas deixar um versículo para sintetizar toda essa questão:

    Apocalipse 22:8-9: “ E eu, João, sou aquele que vi e ouvi estas coisas. E, havendo-as ouvido e visto, PROSTREI-ME AOS PÉS DO ANJO QUE MAS MOSTRAVA PARA O ADORAR. E disse-me: Olha, NÃO FAÇAS TAL; porque eu SOU CONSERVO TEU e de teus irmãos, os profetas, e dos que guardam as palavras deste livro. ADORA A DEUS.”

    O forte anjo que mostrou a revelação do apocalipse não quis adoração de João, o repreendeu por isto e disse para apenas adorar a Deus. Caso vocês queiram continuar nesta prática, quem sou eu para impedir, tentei apenas mostrar na Bíblia que tal ato não agrada a Deus, pelo contrário, O aborrece, mas querendo continuar, cada um tem sua consciência com Deus.

    Um abraço fraterno, que a paz de Cristo que excede todo entendimento estejam com vocês.

    ResponderExcluir
  38. Oi Andry, Bom dia

    Ninguém escreveu para afrontar ou converter ninguém a nada. Estamos apenas respondendo a um julgamento feito pelos protestantes que adoramos imagem. Digo julgamento, pois, aquilo que os olhos humanos veem se limitam a enxergar sobre a ótica de seus pré-conceitos, seus paradigmas. Mas, os olhos não enxergam a alma, nem a intenção e com qual intenção se faz. Vocês dizem que olhamos as imagens e nos limitamos adorá-las, mas, não conhecem a nossa alma diante dela. A alma que dirigi o olhar a uma imagem, dirige seu coração unicamente a Deus, unicamente a Deus. As imagens nos servem para dar Glória unicamente a Deus, para que seja dado glória a Ele e ao seu poder transformador. Não conhecem a experiência de ir além daquilo que os olhos humanos nos preenchem. E entendo que é impossível a quem desconhece essa experiência mística, a mística de Cristo, de compreender. Também sentimos que vocês não se dobrem ao poder de transfiguração que Deus realiza nas pessoas. E que sejam incapaz de dar glória a Deus pela doação, pela via de santidade que cada santo percorreu. Pois, eles nos são uma bíblia viva e nela encontramos o próprio Cristo pulsando e vivo. Aí de nós, se não formos também assim para os nossos irmãos. Sei que vocês não acreditam na santidade,mas, ela deve ser o fim de cada cristão. Pois, ser cristão é se transfigurar, se revestir de Cristo para dá-Lo ao mundo. Somente vivendo assim seremos sal e luz, como a bíblia nos ensina. O que aborrece a Deus é que não o amemos com integralidade, radicalidade e que não sejamos porta aberta ao paraíso para os irmãos. E não diria que o aborrece, mas, que o entristece. O que Entristece Deus é que não acolhamos o seu amor. O que o amado deseja, senão ser amado pelo destinatário de seu amor? Isso sim entristece o coração de Deus!

    ResponderExcluir
  39. ...
    E amar significa igualasse ao seu amado. Significa viver a vida do amado. Significa que eu e o amado somos de tão forma unidos, únicos, que quem me vê, vê também o meu amado. Acho que você já fez a experiência, se casado, de chegar nos lugares sem sua esposa e a pessoa se dirigir a você e imediatamente se lembrar dela, esmo que ela esteja ausente, pois a sua presença traz também a presença dela. Assim são para nós católicos os santos, os olhamos e imediatamente enxergamos neles o próprio Cristo, pois, eles fizeram da sua vida um matrimônio com cristo. E de tão perfeitamente unidos a Ele, não nos reportam a sua pessoa humana,mas a dinvidade que ali fez morada, pois, os santos já alcançaram o que Paulo disse: "já não sou eu quem vivo, mas, Cristo que vive em mim". alcançaram as bem-aventuranças. Aquela ao qual somos todos chamados, a sermos um com Cristo, com a Trindade, para que, quem nos veja, veja senão a Cristo. O cristão é chamado, com a própria vida, a levar aos outros a darem glória a Deus. E sim assim não o fizermos, não nos revestimos e nem nos transfiguramos em Cristo. E assim não seremos um com Ele e o Pai, e em vão terá sido a vida, morte e ressurreição de Cristo. Ai de nós se assim não vivermos, ai de nós.

    ResponderExcluir
  40. Existem dois tipos de cristão:
    1 - os "politicamente corretos", aqueles que vivem com zelo os mandamentos, que vivem a vida para não pecar, aqueles que guardam as leis porque querem alcançar o seu pedaço de chão no céu, que quer se salvar, esses aqui vivem apenas o primeiro mandamento;
    2- E existem os cristão que passando desse primeiro nível de conversão, pois, o cristão lá em cima não conseguem ir mais profundo em sua fé, esses cristãos apenas romperam com o pecado e vive para se salvar. Mas, tendo ele ido mais profundo, vivendo mais profundamente. Tendo ele deixado se revestir de Cristo e fazendo da sua vida uma via de santidade para os irmão, esse sim alcança águas mais profundas, esses criam uma intimidade tão com de Cristo, que quem os vê, veem logo a presença viva de Cristo. Esses alcançaram, não somente a imagem, mas, a semelhança perfeita com Cristo. Não por mérito próprio mas por participação divina. Porque anularam a vida, para que Cristo vivendo neles possa atingir a muitos. Esses realizaram a unidade entre o primeiro e o segundo mandamento, como na bíblia nos ensina. Os santos chegaram aqui nesse segundo estágio da vida Cristã.

    ResponderExcluir
  41. E não pense que a Igreja declara santo qualquer um, ou de qualquer forma. são anos e anos para se chegar lá. Muito estudo e oração. E tem que ser provado que cada santo se tornou semente de vida para muitos e muitos. Que ele tenha arrebanhado com seu exemplo de vida várias almas para Deus. isso comprova que ele viveu plenamente o evangelho, pois, se tornou via de Salvação para muitos. E na bíblia diz que não tem amor maior do que aqueles que dá a vida pelos irmão. Eles deram a vida, pois, tendo renunciado a própria vida, os prazeres pessoais, tudo, renunciaram tudo, para serem canal de Cristo no mundo. Como a bíblia nos ensina que quem recebe um enviado de Cristo recebe a Ele mesmo.
    Cristo primeiro viveu e depois falou, Ele dizia eu sou, porque primeiro com a vida deu o exemplo. Não podemos dizer que somos se não vivermos completamente aquilo que professamos.

    ResponderExcluir
  42. Caríssimo Andry, o que nos deixa chateados, digo em nome de todos os católicos, é que somos julgados por uma intimidade que os olhos dos outros não veem. Que dizem o que nossa alma não faz. Que somos falsamente idolatras de imagem, pois, assim como vocês, vivemos segundo a bíblia. E somente a intensão e o olhar do coração de cada Deus conhece, e tenha certeza que Ele não está aborrecido conosco, pois, conhece o que vai em nossa alma diante de uma imagem, pois, é a Ele que nos unimos naquele momento, pois, sabemos dar glória a Deus naquele exemplo de cristão. Nos prostramos diante da grandeza de Deus e pedimos a Deus que com a nossa vida levemos os outros a darem glória a Deus, não por nossa humanidade, mas, por nossa obediência e amor a Deus, pois, somente Cristo atraí almas. E devemos morrer a nós mesmos para que morto (nós), Cristo nos invada, nos preencha, se torne vivo e presente, para que quem nos veja, não enxergue a nós, pois já estamos mortos, e sim a Deus que vive em nós.
    ....

    ResponderExcluir
  43. E sim, na época em que a bíblia foi escrita existiam adoração aos falsos deuses. Existia a adoração ao sol, a lua e a sei mais lá o que. Mas, ao contrário de nós, eles davam poder de Deus ao que não tinha poder de Deus. Eles endeusavam as imagens, trocavam, substituiam. O que não é nosso caso: não colocamos nenhum santo no lugar de Deus e não olhamos para ele e adoramos suas características, sua humanidade, não servimos a dois deuses pois não damos a eles poder de Deus. Pelo contrário olhamos para eles para dar Glória a Deus, olhamos para eles para desejar como eles nos unirmos a Cristo, pois, eles nos mostram que é concreto e possível. Olhamos para eles e dizemos o quanto vale a pena viver e dar a vida por cristo. Olhamos para eles e contemplamos a bíblia e os mistérios de Deus. Não digam o que sentimos e como nos comportamos diante dos santos, isso nos chateiam, isso nos entristece. E levantar falso testemunho aborrece a Deus. Perseguir aqueles que deram a vida por Cristo aborrece a Deus. Escrevo isto não para convertê-lo, mas para que esclarecendo, não sejamos pedra de tropeço para muitos que nos julgam pelo que não fazemos. Você e ninguém pode dizer o que se passa em nossa alma. somente Deus conhece e sabe do nosso coração e a quem prestamos adoração.
    ...

    ResponderExcluir
  44. Deus se entristece com as adorações que anulam a Ele mesmo de nossas vidas. Ele repudia essas venerações e adorações, que tem como centro da alma, o outro, a pessoa humana do outro, as características humanas dos outros. E não o seu poder divino no outro. Quantos de nós não anulamos Deus, pois, vivemos em função do conhecimento humano, da profissão, do dinheiro, da tecnologia, do sexo, da promiscuidade, do adultério, do concumbinato. Quantos de nós não anulamos a importância de Deus por buscar e nos servir do que o mundo nos oferece? Quantos de nós servimos ao mundo e não nos damos conta que isso é que a adoração a qual Deus condena. ser escravo de nós mesmos, de nosos desejos, do nosso egoísmo, das nossas paixões, da ambição, da prosperiedade... Tudo que ocupa o lugar de Deus e que nos escraviza, é que são as adorações ais quais Deus condena. Essas sim entristece o coração de Deus. E não "a nossa" que Ele é o único centro da nossa alma e nosso coração. Nos preocupemos com as adorações as quais tem o mundo e nós mesmo como centro. Para essas é que devemos dar a nossa vida, como fizeram os santos, para que Jesus seja vivo e presente e resgate o mundo.

    ResponderExcluir
  45. Quando olhamos os santos não desejamos outra coisa senão que possuamos a Cristo de tal forma que para os que nos vejam sintam sua presença. Por amor aqueles que o desconhece, e para aqueles que nos vejam, tbm coloquem suas vidas no centro do evangelho. Que são leis e ordens para que se tornem vida, e não apenas meditada e entendida, mas vida.

    ResponderExcluir
  46. Bom, quanto a instituição, a Igreja e se achamos que somos a Igreja pensada por Deus, sim, não vou mentir que assim não achamos, pois, assim pensamos. Mas, que ela é único caminho que nos leva a Deus, talvez não, pois Deus se aproveita daquilo que Ele permite para nos resgatar.
    Deixa eu explicar, sem falta de respeito ou desmerecimento. Longe de mim. Os amo imensamente, pois, somos todos filhos de Deus, pensados por Ele, e a salvação e o coração somente cabe a Deus. E tenho certeza que assim vcs pensam com relação a nós.
    Mas, deixa eu seguir minha linha de raciocinio:
    Existe a vontade de Deus, e eiste as permissões de Deus, qual a diferença?
    1_ A vontade de Deus é tudo aquilo que nasce primeiro no seu coração, que foi pensado por Ele, desejado por Ele;
    2- Permissão de Deus é tudo aquilo que não sendo pensado e nem desejado por Deus, foi acolhido por Ele, pois tendo nos dado a liberdade de escolha, Ele respeita essa liberdade, ao contrário não seria amor e sim ditador e controlador. E mesmo Ele não tendo desejado ainda tenta de todas as maneiras nos levar até a Ele, ou seja, aproveita de alguma forma para nos tocar, para que voltemos ao raio da sua vontade, daquela vontade que nasce daquilo que Ele planejou.
    Pois bem, sendo Deus uno e Trino, Ele nos ensina que a sua principal característica é a unidade. Somos feitos a sua imagem e semelhança para estamos unidos a Ele. Jesus diz que vê a Ele vê o Pai, pois são uma única coisa. A unidade é sua primeira e principal característica. E Jesus veio a terra para nos unir, a todos, em Deus. A unidade é desejada, pensada e vivida por Deus, assim Ele nos quer num único Corpo que é sua Igreja.
    Ai chegamos na Igreja, Jesus diz: "Pedro tu és pedra e sobre pedra edificarás a minha Igreja. Jesus confia a Pedro sua Igreja, e diz que tudo que ele ligar na terra será ligado no céu e tudo que ele desligar na terra será desligado no Céu. vejam que Jesus confia a Pedro não só a sua Igreja, mas, a unidade dela diante do céu e da Trindade. E Deus quando escolhe uma alma para exercer tal grandeza na terra Ele dá a essa alma as formas de ser fiel ao chamado de Deus, Ele não apenas confia como Ele mesmo conduz por meio de sua presença, de seu Espírito Santo. Ou seja, a Igreja confiada a Pedro nasce do coração de Deus, nasce da vontade de Deus e assim como a primeira característica de Deus é a unidade, também a primeira característica da Igreja é a unidade, pois, ela deve nos unir como um único corpo, onde Cristo é a cabeça.

    ResponderExcluir
  47. Dizer que Cristo é a cabeça do Corpo, significa que tudo que o corpo fará nascerá do cérebro que está na cabeça do corpo. Tendo Deus confiado a Pedro essa autoridade na terra, Ele mesmo se derramará para conduzir essa igreja por meio do Seu Espírito Santo, ai nasce o magistério da Igreja, para aprofundar as verdades da fé depositadas na bíblia, com a graça e participação divina, por meio da ação do Espírito Santo que é o próprio Cristo cabeça de sua Igreja.

    ResponderExcluir
  48. Então, confiamos na graça do Papa, não por sua ação humana, mas, por ação divina como luz para que a Igreja alcance a unidade dos cristãos. Porque a Igreja é Católica e Apostólica?
    1- Católica porque é universal, é para todos e depositária da totalidade e integralidade da fé;
    2- Apostólica porque nasce dos ensinamentos dos apostólos, é apostólia por sua origem em Pedro, que foi confiado por Jesus a conduzir sua igreja. Jesus confiou a Pedro a continuação de sua missão."como o Pai me enviou, assim também vos envio. Aqui percebemos que a igreja a qual foi confiada a Pedro nasce do coração de Deus, é planejada e deseja por Ele. Ele não diz a Pedro vai e constrói as minhas igrejas, mas, a minha Igreja, pois Deus é unidade e unida também deve ser a Igreja d'Ele.

    ResponderExcluir
  49. Então fica claro que a vontade do Pai é que a Igreja seja confiada a Pedro e seja una, assim como a Trindade. Mas, como sabemos a Igreja é santa, imaculada, pois ela é casa do Pai, mas, os seus membros são fracos e pecadores e passíveis de macula. E na hist´ria da Igreja, seus membros sucubiram ao pecado, as fraquezas, mas mesmo assim, Deus deseja imacular sua Igreja, e suscita em seus fiéis, por meio do Seu Espírito uma dimensão nova, um redirecionamento ao centro dela que é Cristo. Vários santos foram suscitados por Deus para imacular a sua igreja, os seus mebros, e por essa causa eles deram as suas vidas. Lutero foi um dos membros dessa Igreja que foi suscitado por Deus para redirecionar sua Igreja, para leva-lo ao centro da Sua Igreja. Mas, no final de tudo o que ele fez? Dividiu a Igreja, ao invés de dar a sua própria vida para redirecionar a Igreja, ou seja, ele rompeu com o projeto de Deus que é a unidade. Ele cria uma nova denominação religiosa, uma nova igreja, que difere daquela pensada por Deus, daquela que nasce da vontade de Deus.

    ResponderExcluir
  50. Mas, Deus permite, pois Lutero assim como cada um de nós, é livre. E em sua liberdade Lutero dá uma contra- testemunho, que é não ser obediente a Deus, e depois a igreja. Ele primeiro foi infiel a bíblia, pois, na bíblia Jesus deixa claro que a Sua igreja foi e será sempre confiada a Pedro. Ele foi infiel a Cristo que é sua cabeça, a unidade deseja por Deus e a ação do Espírito Santo. Deus já nos mostrou que o caminho não é acabar com tudo e criar algo novo. Senão Ele teria feito conosco e o mundo, seria mais fácil exterminar com todos que salvá-nos. Mas Deus mostrou, por meio de Seu filho, que o caminho é ardúo e a porta estreita, e que devemos sacralizar, tornar nova todas as coisa e não destruí-las. Mas, uma vez Lutero mostra que não compreendeu em sua totalidade a imensidão e os mistério de Deus. Pois mais vale o incorreto na unidade, do que o certo fora dela. Lutero desobedeceu a Deus e a Igreja e tendo desobedecido a Igreja, desobedeceu a Trindade.

    ResponderExcluir
  51. E depois disso quantas igreja de denominações diferentes surgiram e surgem? Vária, e várias e várias. Veja que com sua vida Lutero deu um contra-testemunho e abriu a porta da desunidade do corpo de Cristo. Muitos seguirão seu exemplo. Mas, ao contrário a vida dos santos nos leva sempre para Deus e a obedecê-lo, pois eles deram um testemunho de sacrificio, doação e amor e obediência a Deus e a igreja. Veja a diferança que a nossa vida causa na vida dos demais fieis. A nossa vida ou serve de ponte que nos leva até deus, ou de ponte que só nos afasta d'Ele.

    ResponderExcluir
  52. Mas, não podemos negar que Deus agem em seus fiéis, pois, Ele quer sempre aproveitar daquilo que fazemos para nos resgatar. Há ação do Espírito Santo nos fieis de outras Igrejas, sim, mas esses fiéis não participam em sua totalidade dos depósitos da fé - A liturgia, os sacramentos, os dogmas de fé e a doutrina da Igreja católica, pois, eles aprenderam a rejeitar o tesouro que Deus injeta e se injeta na Igreja a qual Ele criou e confiou a Pedro. Aqui fica claro de onde nasce a Igreja católica e de onde nasce as outras Igrejas. Assim como o que é vontade de Deus e o que é permissão de Deus. E que o projeto de Deus e sua característica é a unidade. Sendo Ele uno, assim fez sua igreja, una. Mas, todos estamos unidos na vontade de servir a Deus, mas, não estamos todos unidos na totalidade de Suas verdades de fé.
    Com amor e sem pretensões, mas, na verdade,
    Amelia Aguiar, Paz e bem!

    ResponderExcluir
  53. E dou por encerrado minha participação. Somente se sentir que assim Deus me pede. Caso contrário será somente o meu eu tentando argumentar e isso não é vontade de Deus. Ninguém deve guerrear, mas, iluminar e atrair e fazer refletir somente Deus que nos usou como instrumento na escrita. E a permissão da nossa alma para refletir e deixá-Lo falar. Desejo que sejamos todos testemunhas de Deus e de seu amor, mediante Sua vontade.
    Abraços sinceros e acolhedor a cada um!
    Amelia Aguiar.

    ResponderExcluir
  54. Graça e paz Amélia. Li todo seu longo comentário, gosta tanto de escrever como eu. Gostaria de argumentar biblicamente, algo que você não o fez, utilizando-se apenas de opiniões, empirismos e, me desculpe a sinceridade, uma profunda ignorância em interpretação bíblica, história geral, história da igreja e do protestantismo. Quero aqui levantar apenas dois erros dos diversos que escreveu, mas não pretendo contra-argumentar. Lutero fundou uma igreja? Desde quando? A pretensão dele não foi fundar uma Igreja. Queria, isso sim, uma reforma da Igreja Católica Romana de sua época.

    Embora discordasse da Juliana, ela escrevia com propriedade, utilizando versículos, um pouco de história, de teologia, da história da igreja. Mas você apontou o que não sabe. Por exemplo ao afirmar que “Sei que vocês não acreditam na santidade,mas, ela deve ser o fim de cada cristão”. Reveja esse seu conceito.

    Outro erro, é remover um versículo do contexto, criando um pretexto. Digo sobre Mateus 16:18. Cristo edificaria SUA igreja sobre um homem e este seria Pedro? Se você acha isso, o que me diz do versículo 23 do mesmo texto, em que Jesus repreende Pedro, dizendo:

    "Para trás de mim, Satanás! Você é uma pedra de tropeço para mim, e não pensa nas coisas de Deus, mas nas dos homens".

    Opa, Cristo edificou sua igreja sobre uma pedra de tropeço? Pelo que você escreveu, induz que Cristo edificaria sua igreja em alguém que Ele mesmo chamou de Satanás. Nesse caso Pedro é bem antagônico, sendo pedra de edificação, pedra de tropeço e alguém movido por Satanás que falou o que não devia no verso 22. Veja que contradição! Pegar um verso fora de contexto para formar um pretexto. Devemos usar de coerência exegética, teológica, a Bíblia nunca se contradiz.

    Logo percebemos que essa pedra da qual Cristo falou não é Pedro. Então quem seria? A rocha, a pedra a qual Cristo falou não é Pedro, mas a declaração que ele fez segundos antes, no verso 16, declarando:

    “Tu és o Cristo, o Filho do Deus Vivo”. Sobre esta declaração de que Jesus é o Messias, o Enviado de Deus para salvar que seria edificada a igreja de Deus.

    Mas faz de conta que sobre Pedro realmente tenha sido edificado a igreja. Leia 1 Pedro 2:4, livro escrito pelo mesmo Pedro, em que ele diz:

    “E, CHEGANDO-VOS PARA ELE, PEDRA VIVA, reprovada, na verdade, pelos homens, mas para com Deus eleita e preciosa”.

    Não era Pedro a pedra? Ele não deveria ter dito o seguinte? [E chegando a Jesus através de mim, a pedra viva, a qual foi edificada a igreja]. Perceba que até mesmo Pedro reconhece no próprio livro que escreveu que quem é a pedra é Cristo e não ele. Veja também em 1 Pedro 2:6:

    “Por isso também na Escritura se contém:Eis que ponho em Sião a PEDRA PRINCIPAL da esquina, eleita e preciosa;e QUEM NELA CRER NÃO SERÁ CONFUNDIDO.” Crer em quem? Pedro? Obviamente que não. Aqui fala de Jesus.

    ResponderExcluir
  55. * Continuação 1:

    Veja que na Bíblia, há outras citações de quem é a pedra a qual a igreja está edificada. Leia:

    Salmos 18:2: “O SENHOR É O MEU ROCHEDO, e o meu lugar forte, e o meu libertador; o meu Deus, a minha fortaleza, em quem confio; o meu escudo, a força da minha salvação, e o meu alto refúgio”.

    Isaías 28:16: “ Portanto assim diz o Senhor DEUS: Eis que EU ASSENTEI em Sião UMA PEDRA, uma pedra já provada, PEDRA PRECIOSA DE ESQUINA, que está BEM FIRME E FUNDADA; aquele que crer não se apresse.” Se Pedro foi chamado de petrus (pedrinha em grego) e de tropeço em Mateus 16:23, como Pedro seria uma rocha firme, como está escrito em Isaías 28:16?

    Mateus 21:42: “Diz-lhes Jesus: Nunca lestes nas Escrituras: A PEDRA, que os edificadores rejeitaram,essa foi POSTA POR CABEÇA DO ÂNGULO;PELO SENHOR FOI FEITO isto,E é maravilhoso aos nossos olhos?”.

    Agora a referência master, incontestável:

    1 Coríntios 3:11: “Porque NINGUÉM PODE PÔR OUTRO FUNDAMENTO além do que já está posto, O QUAL É JESUS Cristo”. Nenhum outro alicerce, fundamento pode ser posto. Pedro era um pecador como você e eu, não poderia ser nunca u fundamento da igreja.

    Passei onze anos dentro da igreja de Roma, sendo educado e catequizado por ela. Mas a partir do momento que comecei a ler a Bíblia, percebi as graves distorções que me fora ensinado. Percebe que em nosso papo você só defende sua igreja? Enquanto eu aqui uso as escrituras para defender o Evangelho? Percebe que na tentação do deserto Jesus venceu o diabo pela Escritura? E você ainda dizem que a Palavra de Deus não basta. Jesus devia estar errado então ao vencer o diabo com a Palavra. Ele deveria ter pego algum escrito de algum rabino sábio da época, algum concílio de anciões ou outro documento.

    Me desculpa por ser incisivo, não quero jamais atacar sua fé, é difícil desconstruirmos o que aprendemos. Insisto apenas que medite na Bíblia, ore para Deus dar conhecimento, estude, compare tudo aquilo que te foi ensinado se realmente condiz com a Palavra de Deus.
    Um abraço fraterno, que Deus em Cristo te abençoe, pretendo não voltar a discutir religião aqui. Caso queira debater ideias da Bíblia, sempre estarei disposto.

    ResponderExcluir
  56. Caríssimo Andry,

    Permita-me louvar a Deus quando na bíblia ele diz ""...escondestes estas coisas dos sábios e entendidos e revelastes aos pequeninos" - (Mt 11,25-30) . Felizes daqueles que acolhem as inspirações do Pai. Como amo meu Deus que sendo grande, se fez pequeno. Sendo Deus, se fez homem. Permita-me falar com minha humildade, "ignorância" e com minha pequenez me dirigir ao seu vasto conhecimento, sua grandeza de estudo e sabedoria. longe de mim me igualar aos seus conhecimentos históricos e teológicos. Me chama a atenção quando você diz que quando começou a ler a Bíblia, não sei de onde você tirou, em seu vasto conhecimento que católicos não leem a Bíblia e que não fazem dela a base de sua vida. Ela é sim o livro da verdade, mas, não é o único canal da presença de Cristo, se passou onze anos na Igreja católica deve ter se aprofundado com igual fervor em seus dogmas, doutrina e tendo feito isto, viu que o magistério da Igreja católica aprofunda o que a Bíblia nos ensina. O magistério da Igreja católica tem como base a Bíblia. E sim, ambos estamos defendendo a nossa religião, pois, você se baseia nas verdades da fé da sua religião para contra argumentar, assim como faço com os ensinamentos aprendidos no catecismo da igreja, os ensinamentos do Papa à luz de Deus, seus dogmas e doutrina. A diferença é que vcs acreditam somente na Bíblia como depositária de fé e nós não. Então qualquer conversa entre nós será uma divergência de "idiomas", ou seja, falamos em língua diferentes. A palavra de Deus nos basta, mas, ela não se calou, não se calou, ela continua a falar. A palavra de Deus é atemporal, pois, Ele se faz presente hoje. Sim, eu leio a Bíblia, medito diariamente, estudo o catecismo da Igreja, mas, peço humildade e sabedoria divina, não para enriquecimento do conhecimento, mas, para que me permita viver segundo a Sua palavra. Para que me permita não adquirir conhecimento, mas, que eu possa viver ao ponto de morrer e Jesus se fazer vivo em mim. Educo meus filhos segundo o evangelho, vivo meu matrimônio segundo o evangelho, faço minhas escolhas segundo o evangelho, e sempre que medito a Bíblia peço a graça da obediência e nunca do conhecimento, sabedoria sim, mas, divina, para que eu possa olhar as coisas segundo a ótica de Deus e não a minha. E sim, o magistério da Igreja Católica me permite ler a Bíblia com uma lupa de aumento, com a graça derramada por Cristo que é a cabeça dela. leio a Bíblia com o conhecimento de Cristo presente na Igreja e não com meu conhecimento histórico e teológico, mas, segundo o Magistério da minha Igreja. Pois sou fiel ao Pai nela. E nesses anos todos de reflexão na Bíblia, nunca encontrei nada, nada que fosse contra o Magistério da minha Igreja. Mas, talvez ainda seja pequena demais para alcançar tal grandeza. Estar na Igreja não significa que tenhamos tido uma conversão totalitária, as vezes, somos cristãos rotineiros, sem muito se aprofundar. O pecado de Adão e Eva, consistiu em uma busca por um conhecimento desmedido, por uma autosuficiência... O Magistério da Igreja não nasce da pessoa do Papa, mais, é passada, desde os primeiros apóstolos até hoje, através dos Papas, nada que o Papa nos ensina nasce do coração dele, mas, veem desde os díscipulos de cristo, passado de Papa em Papa, tudo que é visto hoje vem sendo estudado por meio da Tradição apostólica durante séculos e séculos... Até o fim dos tempos!

    ResponderExcluir
  57. E Pedro não é fundamento, mas, depositário, missionário e a Ele foi confiado o Magistério da Igreja. Cristo é a pedra fundamental, Cristo é a cabeça e tudo nasce de Seu Espírito. Vivemos em pecado, mas, o pecado não é o que somos. Pois, o cristão o é, se romper com eles, caso contrário, não seremos dignos das promessas de Cristo. Não alcançaremos as bem aventuranças. Somos imagem e semelhança de Cristo, e o pecado é algo que escolhemos como fundamento de vida. Mas, por graça divina rompemos com eles e somos chamados minuto a minuto de nossas vidas a não viver ou permanecer neles. Eis que a bíblia deve ser o fundamento da nossa vida para que rompamos com o pecado.

    ResponderExcluir
  58. Não confunda fundamento e cabeça da Igreja, com confiado a Pedro. Quando eu confio a alguém algo sei que esse alguém cuidará segundo a vontade de quem o confiou. Cristo é a pedra angular, é o fundamento da Igreja, é a cabeça dela, ou seja, é o "patrão". Pedro e seus sucessores são os servos, os depositários, os missionários, os "empregados". Que sendo fiel a tradição, que teve origem nos apóstolos, traz desde então seus ensinamentos como Magistério da Igreja. Ninguém diz que o Papa ou os santos são maiores que Cristo, que a bíblia, mas, que são e somos todos servos de Cristo e que vivemos para que a voz de Cristo não se cale, para que ele continue a falar, a nos conduzir, a nos ensinar. a viver!

    ResponderExcluir
  59. Agora gostaria que me disse quem escreveu a Bíblia, os evangelhos e seus livros? Me tire essa dúvida por favor. Quem escreveu o fundamento de sua fé e da nossa fé? Quem as escreveu? E sim, eu sei que a intenção de Lutero era uma reforma, pois, foi o próprio Cristo que pelo Espírito Santo soprou em seu coração, e não por mérito de Lutero ou por conhecimento adquirido, mas, por iluminação divina. Ele encontrou resposta na Bíblia, mas, não as possuiu por conhecimento, mas por inspiração e sabedoria divina. Não por mérito de conhecimento próprio, mas, por permissão e desejo de Deus. Ele fez essa reforma? Foi persistente, levou esse desejo de Deus até o fim? Qual solução ele encontrou? E se a Bíblia diz que nada deve ser acrescentado ou tirado dela, por que Lutero retirou 7 livros da Bíblia? por que mudou algumas palavras? Sugiro que leia e assista a vida de São francisco, acrescentará seu conhecimento!
    E me perdoe minha pequenez, minha falta de provas, ou conhecimento histórico e teológico. Mas, escrevo não para enaltecê-los, mas, para que me fazendo pequena, me fazendo nada, permita que o espírito Santo pouse sobre mim. E nunca irei me encontrar com Cristo em suas palavras para provar ou contra provar, mas, para que me pedindo eu possa obedece-Lo. Leio a Bíblia para ter com Ele, e diante dela me faço ainda mas pequena e um nada. Para que vazia Ele me preencha.
    Que Ele seja sempre o ponto que nos une. Que possamos dialogar para encontrar o que nos une e não o que nos separa.
    Diante da minha pequenez e do meu nada, um forte abraço,
    Maria Amelia Aguiar.

    ResponderExcluir
  60. Outra coisa que esqueci de mencionar, se me permiti, e se ainda achar interessante ler minha ignorância. Juliana é minha irmã, fomos criadas com a mesma base cristã, lemos e discutimos juntas a Bíblia, estudamos o catecismo e dialogamos sobre os estudos. Nos aprofundamos no Magistério da Igreja e dialogamos juntas. Tivemos a mesma educação cristã e o mesmo exemplo de radicalidade e fidelidade a Deus em casa que foi nossa mãe. E com ela aprofundávamos a Bíblia e Os ensinamentos da Igreja. Com ela aprendemos muito. a vida dela nos impulsionou a transformar a nossa vida em evangelho vivo. Somos catequistas desde adolescentes, e sempre estamos em unidade na espiritualidade e no aprofundamento de nossa fé. E o que escrevi e o que Juliana escreveu, não diferem em essência, somente diferem na forma como foi colocado. Moramos em cidades diferentes, mas, aprofundamos e estudamos juntas, por e-mail, telefone, facebook, blog, watsap. O essencial, as vezes, só é visto quando se vai além, quando se mergulha em águas mais profundas. E todas as minhas ideias estão fundadas na Bíblia, e nunca em mim mesma. Não provar de onde refleti não quer dizer que não sejam tiradas de lá. Não saber decorado os versículos, capítulos, não significa dizer que não possua a Palavra de Deus. Toda a minha vida é pautada nela. O que seria dos analfabetos, se esse fosse o único critério de "conhecimento"? Não pretendo decorar a Bíblia, mas, contemplar e possuí-la para que tendo compreendido por meio da graça divina poder vivê-la. Não seremos julgados senão por nosso amor a Deus?
    Não leio a Bíblia para adquirir conhecimento, mas, para refletir, e meditar, para que tenha como fruto uma mudança de vida. Não quero decorá-la, mas, vivê-la, torná-la viva!
    abraços.

    ResponderExcluir
  61. Também concordo que não devemos "brincar" com os versículos bíblicos pra deixá-los convenientes à circunstância. Coisa que não é especialidade de Católicos, pois o que eu e Amelia estamos colocando aqui é a interpretação da Igreja que é UNA em seu pensar. Engraçado...na hora em que Jesus chama Pedro de Satanás, Ele não está se reportando diretamente a Satanás, que usava Pedro naquele momento e que repetia a sua tentação do deserto a querer leva-lo a salvar sua vida. Não, de modo algum, chama Pedro de pedra de tropeço, como se, essa fosse sua condição de vida, né? MAS... na hora em que Jesus chama Pedro de Pedra, agora não. Jesus não está chamando Pedro diretamente de alguma coisa, vamos buscar interpretar isso de outra maneira. Ou seja, quando Jesus chama Pedro de algo ruim, vale mas quando chama de algo muito bom, não vale. Acaso, parafraseando a parábola de Mateus 20, 15, não é lícito ao patrão fazer o que quiser do que é dele? Ou mal é nosso olho porque ele é bom? Amelia, está falando coisas de que se tem certeza porque tudo que é de Deus não está contido somente na bíblia, mas em outros documentos e registros a que vocês ignoram, um dos mais fascinantes é uma das sete cartas (preservadas no Codex Hierosolymitanus) que Santo Inácio de Antioquia (século I), bispo de Antioquia, discípulo de João e sucessor de Pedro na Igreja em Antioquia, escreveu:

    ResponderExcluir
  62. "Convém estardes sempre de acordo com o modo de pensar do vosso Bispo. Por outro lado, já o estais, pois o vosso presbitério, famoso justamente por isto e digno de Deus, sintoniza com o Bispo da mesma forma que as cordas de uma harpa. Com vossos sentimentos unânimes, e na harmonia da caridade, constituís um canto a Jesus Cristo. Mas também cada um deve formar juntamente com os outros, um coro. A concórdia fará com que sejais uníssonos. A unidade vos fará tomar o dom de Deus, e podereis cantar a uma só voz ao Pai por Jesus Cristo. Também ele, então, escutar-vos-á e reconhecerá pelas obras que sois membros do seu Filho. Importante, por conseguinte, vivermos numa irrepreensível unidade. Assim poderemos participar constantemente da união com Deus".

    Pois assim, unidos numa mesma Fé tanto será mais forte a oração. A caridade esta diretamente ligada a unidade da Igreja, por isso Inácio chama de orgulhoso aquele que não guarda a unidade da Igreja junto com o Bispo:

    "Se a oração de duas pessoas juntas tem tal força, quanto mais a do bispo e de toda a Igreja! Aquele que não participa da reunião é orgulhoso e já está por si mesmo julgado, pois está escrito: "Deus resiste aos orgulhosos." Tenhamos cuidado, por tanto, para não resistirmos ao Bispo, a fim de estarmos submetidos a Deus.".

    E mais ainda:

    Os discípulos de Jesus eram chamados de nazarenos vistos como uma seita dentro do judaísmo, posteriormente como vimos acima os discípulos de Jesus então são conhecidos como cristãos, como registrado nos Atos dos Apóstolos. Isso é um fato muito significativo, pois os discípulos de Jesus Cristo não são reduzidos a serem meramente mais uma seita do judaísmo, mas são os discípulos do Messias prometido a humanidade, e, portanto, a obra da salvação atinge sua plenitude em Cristo tornando-se universal, daí dos cristãos serem chamados de católicos, pois pertencem a Igreja Católica (Universal):

    "Onde está Cristo Jesus, está a Igreja Católica.".

    "Segui ao Bispo, vós todos, como Jesus Cristo ao Pai. Segui ao presbítero como aos Apóstolos. Respeitai os diáconos como ao preceito de Deus. Ninguém ouse fazer sem o Bispo coisa alguma concernente à Igreja. Como válida só se tenha a Eucaristia celebrada sob a presidência do bispo ou de um delegado seu. A comunidade se reúne onde estiver o Bispo e onde está Jesus Cristo está a Igreja católica. Sem a união do Bispo não é lícito Batizar nem celebrar a Eucaristia; só o que tiver a sua aprovação será do agrado de Deus e assim será firme e seguro o que fizerdes".

    Inácio também afirma em suas cartas o primado da Sé de Roma: "Roma preside a Igreja na caridade." (Carta aos Romanos Prólogo).

    Agora, te pergunto: A igreja nasceu católica ou você vai escolher a "historiografia" ensinada pelo protestantismo de que ela é obra de Constantino?

    Também te convido a dar um mergulho maior do que onze anos de ensino superficial de freiras que só puderam te dar "comida pastosa". Você não continuou na Igreja a tempo de receber a "sólida".

    Me desculpe também, acho que passei dos limites quanto ao uso da temperança. Mas, estou numa época de tantas descobertas, de tanto aprofundamento que, acho que corre nas minhas veias uma adrenalina que eu devo conter um pouco mais. Acho que toda essa discussão não foi em vão, pelo menos pra mim. Fiquem todos na paz.

    ResponderExcluir
  63. Graça e Paz Amélia e Juliana. No meu comentário anterior, no último parágrafo, eu mencionei que jamais queria atacar a fé, a sinceridade de vocês. Já disse isso premeditando que você interpretaria errado minha fala, quando disse da “profunda ignorância” . Deixa-me explicar melhor. Me referi a essa ignorância sobre o fato de você ter escrito que nós protestantes não cremos em santidade, que não buscamos isso para nós mesmos. Também sobre quando disse que Lutero queria fundar uma igreja. Dado a este desconhecimento sobre esses dois pontos eu disse o que disse sobre a ignorância.

    Jamais quis rebaixar sua fé, conhecimento, querendo te apequenar e me engrandecer. Longe de mim tal ato. Que Cristo cresça em mim e que eu diminua! Eu só entro numa conversa e afirmo alguma coisa quando sei sobre o que se fala. Não solto palavras quando desconheço do assunto. Muito do que você disse está correto, exceto as discordâncias de ideias e interpretações que temos. Minha crítica não foi à sua pessoa, mas ao que você disse. Não podemos julgar as pessoas, mas palavras ditas sim, retendo o que é útil e edificador.

    Um outro ponto foi quando disse que tiro texto fora do contexto, que utilizo muitos versículos para supostamente querer defender meu ponto de vista. Absolutamente não. Devolvo essa sua crítica a você, pois ninguém nunca mostrará, por exemplo, que Pedro é a pedra a qual a igreja foi edificada. Do contrário, mostrei diversos versículos do Antigo e Novo Testamento comprovando que a pedra é Jesus. Perceba que Jesus usou textos da Escritura para vencer o diabo em sua tentação no deserto. Tento apenas aprender com o Mestre, pois nos tempos atuais muitos são enganados por falta de conhecimento. Veja em Oseías 4:6:

    “ MEU POVO FOI DESTRUÍDO POR FALTA DE CONHECIMENTO. Uma vez que vocês rejeitaram o conhecimento, eu também os rejeito como meus sacerdotes; uma vez que vocês ignoraram a lei do seu Deus, eu também ignorarei seus filhos.”

    Muitas comem de tudo que fala sobre Deus sem nunca conferir o que a Bíblia diz. Opiniões repetidas por muitos viram doutrinas, sem mesmo não estar na Bíblia. Digo isso referente a muitos religiões, não diretamente a sua.

    Adquiri um pouco de conhecimento ao me debruçar sobre a Bíblia, não para me mostrar ou querer me parecer esperto. Mas para aprofundar-me em Deus, conhecer um pouco mais sobre Seus mistérios.

    Um julgamento que você fez foi que consumi apenas “comida pastosa” das freiras. Onze anos são onze dias? Juntamente com freiras, nos reuníamos com padres, com todo tipo de hierarquia eclesiástica da igreja de Roma para aprendermos. Eu lia muitos os livros que nos era indicado, consumia seus ensinamentos sem questioná-los, comprová-los na Bíblia. Me foi muito útil, tive a iniciação no Evangelho. Quem dera as crianças de hoje pudessem ter essas mesmas valiosas lições que tive junto com as freiras e padres.

    Não entrei numa igreja evangélica para depois querer contradizer tudo o que aprendi dos católicos, Pelo contrário, estando dentro da igreja de vocês, ao meditar mais profundamente nos textos bíblicos, sem nenhuma orientação protestante, me vi numa situação angustiante: como compatibilizar alguns ensinamentos do catolicismo com o que a Bíblia os contradiz ? Por que têm essa interpretação?

    ResponderExcluir
  64. * Continuação 1

    Estudando história, a Patrística, escritos dos Pais da Igreja, com oração, horas a fio sobre a Bíblia comecei a entender o que me estava obscuro. Não digo que vocês estão errados e eu certo. Há ramos dentro do protestantismo completamente fora dos padrões bíblicos. Agora a diferença é que vocês defendem uma instituição com garras e dentes. Eu não. Veja 1 Coríntios 3:4:

    “Porque, dizendo um: Eu sou de Paulo; e outro: Eu de Apolo; porventura não sois carnais?”

    O povo da igreja de Corinto se identificava tanto com os apóstolos, que causavam divisões dentro da igreja. Não sou da católica, não sou de Lutero, nem do protestantismo. Sou de Cristo e do povo que Ele virá buscar, independentemente de placa de igreja, que não se contaminaram com esse mundo.

    Se se sentiu atacada por minhas palavras Amélia, ofereço minha outra face; me perdoe. Ataquei suas palavras não sua pessoa. Não quero aqui mais discutir religião. Querendo falar sobre a Bíblia, sempre estarei por aqui. Que a graça e paz de Cristo sejam com vocês.

    Abraço fraterno.

    ResponderExcluir
  65. Oi Andry,

    Talvez a sua intenção não tenha sido, mas, foi exatamente o que vc fez e me fez me sentir diminuida e ainda o tornou a fazer quando diz que só entra numa conversa quando sabe do que fala. também entro numa conversa para falar do que sei, pois, aquilo que falo é aquilo que sou e quando vc ataca o que falo, ataca diretamente quem sou ou o que sou. Pois, somos uma só coisa. Não falo daquilo que não vivo e daquilo que não sei. A interpretação como falei sobre a bíblia será sempre diferente. A minha interpretação e a de Juliana , será sempre pautada em unidade com o Magistério de nossa igreja, em unidade com todos os católicos, em unidade com Roma, em unidade com o Papa, com os dogmas, doutrina e as verdades de fé da nossa Igreja. Isso não será dissociado de nós, pois, isso é o que somos, é como vivemos e é em que acreditamos. Não me diga que não falo do que não sei, sem me conhecer, conhecer meu nível de aprofundamento e meu comprometimento, pois, assim você somente diminui o outro e enaltece a si mesmo. Estudamos e lemos a Bíblia com vertentes, espectros e dimensões diferentes. E neste caso sempre iremos discordar. Quando entrei na conversa, entrei apenas para fazer conhecer a outra face, no caso nós católicos, a respeito do julgamento a respeito da adoração a imagens. E não para guerrear e tentar provar nada, mas, para dialogar, para gerar uma comunhão e não para ganhar. Nunca poderemos achar que conhecemos a alma do outro por conta do exterior do outro. Somente poderá dizer que adora algo, quem o faz e não quem interpreta por uma visão externa. Pois, a adoração nasce no coração, na intenção, e isso somete Deus poderá julgar. O restante somente faz um falso julgamento, pois, de nada conhece o interior e a alma do outro. E não, não acho construtivo conversarmos com base na interpretação bíblica doutrinal, pois, isso é o que nos separa. E não geraremos uma comunhão dessa forma, nem mesmo agiremos pela caridade uns com os outros, pois, seremos sempre inflamados pelo desejo de defender o credo ao qual professamos. Pois, a nossa interpretação nasce do magistério dele, pois, Cristo e a Igreja são um só. O senhor com base no Magistério da sua Igreja e nós com base na nossa. Mas, estarei sempre aberta a um diálogo que gere uma comunhão que nasce do ponto que nos une: Cristo e seus mandamentos. Será um prazer trocar experiência de vida cristã com o senhor, para que possamos cada vez mais nos transfigurar em Cristo. Pois, tendo Ele se feito homem, o fez para nos ensinar como devemos ser e viver. E ser e viver como Cristo é o ponto que nos une. mas, peço que repense, e o faço com amor sincero, a forma como julga e se dirige ao outro, pois, como falamos e aquilo que falamos ao outro deve ser sempre para somar e nunca para diminuir. Lembrando que Jesus se dirigia sempre por meio de parábolas, para justamente, ser amor para o outro, para usar de ferramenta que o outro pudesse entender e nunca com provas, e citações, mas, com a sua vida e pescando da alma do outro falava. E assim devemos ser com nossos irmãos. Devemos evangelizar com base na evangelização de Cristo, para fazer, como Ele fazia. Pois, Ele nos ensinou não somente a viver e como viver, mas, nos ensinou a metodologia d'Ele para evangelizar, e que deve ser também a nossa. Abraços e paz.

    ResponderExcluir
  66. P.S: A vida cristã nasce da Bíblia, ela é a experiência que fazemos, quando transformamos Bíblia em vida e quando vivemos aquilo que estudamos. O conhecimento só é totalitário quando transborda, quando gera vida, quando vira vida. Então podemos sempre falar de como vivemos e o que somos, pois, o cristão é Bíblia, pois, a nossa vida não deve ser senão de outra forma. E para gerar essa comunhão não precisamos usar citações, transcrevê-la tal e qual, mas, sim com menções, pois, é um diálogo. É uma comunhão, um encontro de duas almas falando do esposo delas: Cristo.

    ResponderExcluir
  67. Agora me despeço de fato. Um forte abraço fraterno e amoroso,
    Maria Amelia Aguiar.

    ResponderExcluir
  68. Graça e paz Amélia. Novamente fui mal interpretado, permita-me mais uma vez explicar-me. Em meu comentário anterior destaquei 2 pontos em que, na minha opinião, você não sabia o que estava falando, e indico fatos para provar sobre isso. Quando disse sobre evitar entrar numa conversa quando não se sabe me referi ao que você disse sobre Lutero, que ele queria fundar uma igreja. Inadmissível isso. Ele tentou de todas as formas dialogar com o clero e o papa, mas estes nem sequer lhe deram ouvidos, antes o excomungara. Você com certeza sabe que nessa época o papa queria vender o perdão de pecados, através de indulgências. Não quero me aprofundar muito, senão ficaria muito longo meu comentário. Mas que cristão que estuda a Bíblia aceitaria tal aberração? Daí a angustia de Lutero e sua ação.

    Segundo ponto que você escreveu, em que achei desconhecimento de sua parte sobre no que creio: “Sei que vocês não acreditam na santidade,mas, ela deve ser o fim de cada cristão”. Poderia citar diversos versículos aqui para informar seu equívoco, mas você não gosta muito quando cito a Bíblia. Então só gostaria de destacar que nós cristãos protestantes também procuramos a santidade em vida. De nos afastarmos das paixões do mundo, do que é pecaminoso, até chegarmos à estatura de Cristo, conforme nos diz em Efésios 4:13.

    Nesses dois pontos acima que me referi no comentário anterior sobre o desconhecimento. Jamais intentei ferir sua honra, sua fé, sua crença, te diminuir. Veja todos meus comentários acima que não fiz isso com a Juliana nem com você; contigo fora apenas em questões pontuais, citadas acima.

    Novamente te peço perdão Amélia. Aprendemos com nosso Mestre este dom que é saber pedir perdão e saber perdoar. Te ofereço minha outra face.

    Que Deus em Cristo te abençoe, te guarde, te guie, que Seu Espírito resplandeça ainda mais em sua vida. Um abraço fraterno.

    ResponderExcluir
  69. Oi Andry,

    Não se preocupe, entendi perfeitamente sua colocação. Somente expus como me senti, e que devemos, ambos, observar como nos dirigimos aos outros. Pois, assim como na afirmação da adoração a imagens, somente sabe a intenção da alma é quem a fez. Assim, como não poderia conhecer a intenção da sua alma ao falar para mim, pois, julguei segundo a forma externa. Assim, tento dizer, que não podemos afirmar que há adoração as imagens, pois, somente o coração e a alma contém a intenção de quem dirige o olhar para elas. E não entenda mal, não é que eu não goste de citar a bíblia, mas, se ela for usada para nos distanciar ela não cumpre com o desejo de Deus, que é amor e unidade. Então, é melhor que cada um faça a leitura dela segundo seus direcionamentos doutrinais e espirituais. Pois, da forma que fizemos, estamos apenas provando e contra-provando. mas, fiquemos com o ensinamento central dela que é o amor a Deus e ao próximo, que devem ser o centro de nossas vidas e o ponto que nos une. E sim, com relação a isso podemos falar e muito, pois, o mundo deve conhecer como vivemos, pois somente dessa forma ele (o mundo) se converterá a Deus: «É por isto que todos saberão que sois meus discípulos: se vos amardes uns aos outros» (Jo 13, 35). Caso contrário, estamos aqui guerreando e querendo provar, e somente estamos, dando um contra- testemunho, entendes Andry?
    Mas, se ao invés coloquemos nossas experiências de vida em comum, o como fazemos para viver o evangelho no trabalho, na faculdade, em casa, na escola, na família, nos relacionamentos. os frutos que esta vida gera, ai sim, será enriquecedor e construtivo. E acompanhado a estas experiências a frase da bíblia que nos impulsiona a viver, esses sim será uma comunhão enriquecedora e dará testemunho do nosso amor, pois, no centro dessa comunhão estará o próprio Cristo. Notas a diferença de como podemos citar a bíblia, parafraseá-la em prol da unidade de todos os cristãos e para a conversão de muitos e como podemos ter um diálogo saudável inter-religioso? Nosso diálogo deve sempre baseado no ponto que nos une: os dois primeiros mandamentos. E como podemos dividir com o mundo a nossa experiência de vivê-los. Usarmos da tecnologia para dizer ao mundo que amamos a Deus e ao próximo sobre todas as coisas, assim, como Jesus nos ensinou. E se cada um quiser entender a religião do outro, que esteja pronto a acolher o outro e a experiência do outro, sem pretensões: "Acolhei-vos uns aos outros, como Cristo vos acolheu, para a glória de Deus"(Rm 15,7). Sem querer contra-provar nada, mas, para se aprofundar no outro e em suas escolhas, entendes?
    Com todo o meu coração livre te digo, não mais nele existe qualquer lasca de desconforto ou mágoa. Mas, uma felicidade imensa em compreender que o que importa é o amor ao outro, a acolhida ao outro, o respeito as escolhas do outro, pois, a finalidade de todo ensinamento de Cristo é o amor. E fazer com que o amor sempre apareça, para que o mundo creia que as virtudes cristãs não tem outra origem senão no Amor e não tem outro fim senão o Amor.
    Portanto, não percamos tempo nas pequenas guerras, mas, nos empenhemos em nos amar, pois, nos amando damos testemunho de Deus ao mundo, para que o mundo creia.
    Portanto, sigamos, todos nós, fieis a Deus segundo a fé que cada um professa. E que possamos nos encontrar para um diálogo inter-religioso que gere uma comunhão e uma unidade entre, todos, os cristãos.
    Caso queira me encontrar, tenho um blog: familiacomunidadedeamor.blogspot.com.br, mas, não para provas e contra provas,mas, para que o amor a Deus e como vivemos seja sinal de d'Ele e unidade no mundo. Com essa experiência, aprendi que, muitas vezes, devemos silenciar para acolher com amor o outro. Mas, nunca silenciar se for para dar Deus ao outro. Mas, mesmo assim devemos respeitar os limites do outro por amor ao outro. Pois, o próprio Cristo nos ensina: “Eis que estou à porta, e bato; se alguém ouvir a minha voz, e abrir a porta, entrarei em sua casa e cearei com ele e ele comigo.” (Apocalipse 3.20)
    Paz e bem,
    Amelia.

    ResponderExcluir
  70. Os dois passaram um pouco do ponto, tanto o andry como a amelia. Mas certo é que não é fácil manter uma conversa legitima, porque em vez de falaram da biblia, nossos irmãos católicos se apegam muito a escritos não inspirados, que inovam em doutrinas, entrando em conflito com o que diz a biblia. Mas dizendo isso a eles, somos massacrados. Enfim, cada um dará conta a Deus do que fizer.

    ResponderExcluir
  71. Escritos não inspirados?????? Você controla o movimento LIVRE do Espírito Santo???? Você está falando dos escritos da Sagrada Tradição????? Acaso foram os pastores ou o próprio Lutero que guardaram com seu sangue o magistério????? Inovam em doutrinas???? Você está falando da VELHA doutrina apostólica???? Não entendi...

    Podemos ver uma coisa juntas? Pegue a sua Bíblia agora, abra no primeiro capítulo do Evangelho segundo João e veja o que está escrito lá sobre a "Palavra de Deus", muito claramente....
    Já viu? Sim, é isso mesmo: o Verbo ou a Palavra de Deus, por excelência, é JESUS CRISTO. A Sagrada Escritura, inspirada pelo Espírito Santo, também é considerada Palavra de Deus, mas não no sentido literal e absoluto que vocês, protestantes, querem lhe atribuir.

    Veja, é importantíssimo você entender uma coisa muito óbvia: vamos pegar versículos de 2Tm, que vocês normalmente usam para se autojustificarem, como exemplo. Quando esse livro foi escrito, a Bíblia que você tem hoje simplesmente não existia ainda!

    A Bíblia Cristã, como a conhecemos, composta de Antigo e Novo Testamento, só foi canonizada pela Igreja Católica após o século IV.

    Portanto, quando o Apóstolo Paulo fala em "pregar a Palavra", e quando fala em "Sã Doutrina", ele não está falando da Bíblia que você conhece, de modo algum, porque ela nem sequer existia.

    ResponderExcluir
  72. Paulo está se referindo diretamente à Tradição dos Apóstolos, ele próprio o declara, categoricamente, em outras partes da mesma Bíblia:
    "Então, irmãos, estai firmes e guardai a TRADIÇÃO que vos foi ensinada, seja por palavras, seja por epístola nossa." (2Ts 2,15). Aí está o Apóstolo Paulo declarando objetivamente que devemos guardar tanto a Tradição dos Apóstolos ('por palavra') quanto por escrito (isto é, a Bíblia Sagrada dos cristãos, pois sem a parte que foi escrita pelos Apóstolos só resta a Bíblia Hebraica, com a Lei e os Profetas, que os judeus observavam antes de Cristo).

    Em 2Ts 3,6, vemos ainda:
    "Mandamo-vos, porém, irmãos, em nome de nosso Senhor Jesus Cristo, que vos aparteis de todo o irmão que anda desordenadamente, e não segundo a Tradição que de nós recebeu."
    Apartai-vos de todo irmão que não anda segundo a Tradição da Igreja! Como que prevendo o que aconteceria, ainda na mesma Bíblia, o Apóstolo Pedro faz a advertência que resolve todo o problema:

    “Antes de tudo, sabei que nenhuma profecia da Escritura é de interpretação pessoal.” (2 Pedro 1,20)

    ResponderExcluir
  73. Se não são para interpretação particular, a quem cabe a interpretação das Escrituras? Como eu sei que você aceita somente o que está escrito literalmente na Bíblia, vejamos novamente o que o Livro Sagrado tem a dizer sobre isso:

    "Escrevo para que saibas como comportar-te na Igreja, que é a Casa do Deus Vivo, a coluna e o sustentáculo da Verdade." (1Tm 3,15)

    Aí está escrito na Bíblia, explicitamente, que a própria Bíblia estava sendo escrita para que os cristãos soubessem como se portar sendo membros da Igreja, que é, ela sim, a coluna e o sustentáculo (outras traduções dizem 'firmeza e fundamento') da Verdade!

    ResponderExcluir
  74. ...
    "O que supostamente legitimaria o argumento de que a Pedra citada pelo Cristo no Evangelho segundo Mateus (16,18) não seria o Apóstolo Pedro, mas sim o próprio Jesus, é o fato de as Sagradas Escrituras, em outras passagens, identificarem o Cristo como “Rocha” e “Pedra Angular”.

    Esta é, para dizer o mínimo, uma argumentação infantil; tola, mesmo. De fato, existem passagens bíblicas em que os termos “pedra” e “rocha” se referem a Jesus. E daí?? Ora, é mais do que óbvio que isso não significa que todas as vezes em que a Bíblia usa essas palavras está se referindo exclusivamente a Jesus. Só porque se dá a Jesus o título "Pedra", numa determinada passagem, será que todas as vezes que lermos a palavra pedra, nas Escrituras, será uma alusão ao Cristo? Claro que não.

    No mesmo sentido, poderíamos usar quantos exemplos, de quantas citações bíblicas? Ora, o próprio Cristo proclamou-se “Luz do Mundo” (Jo 8,12). Mas Ele também disse aos Apóstolos que eles deveriam ser “Luz do Mundo” (Mt 5,13). Não é porque Jesus é chamado Luz, numa passagem, que todas as vezes que o texto sagrado falar em luz estará se referindo exclusivamente a Jesus. Será muito difícil entender isto?

    Da mesma maneira, é óbvio que nem todas as vezes que as Escrituras falam em "pedra" estão se referindo a Jesus. Podemos ver, por exemplo, o livro do Profeta Isaías, cap. 51, vs. 1 e 2: nesta passagem, a pedra é Abraão. Também em 1ª Pedro (2, 4-5), fala-se nas "pedras vivas", que, neste caso, são o próprio Jesus juntamente com os cristãos fiéis.

    Vemos então o que é evidente por si mesmo: que Jesus ser chamado "Pedra Angular" é uma coisa, e o fato de o discípulo Simão Barjonas ter sido feito, pelo mesmo Jesus, a Pedra sobre a qual edificaria a sua Igreja, é outra coisa, completamente diferente. Tanto isso é fato que até o nome do Apóstolo foi mudado, de Simão para Pedra (que na tradução virou 'Pedro', já que Pedra é um substantivo feminino e não poderia servir de nome para um homem)".

    ResponderExcluir
  75. ...
    "Mais do que isso, o fato de Jesus aplicar a Simão Filho de Jonas um título que a Bíblia aplica também ao Filho de Deus, isto, por si só, demonstra e confirma a intenção do Senhor em fazer de Simão um representante seu, assim como acontecera antes com Abraão, que também teve seu nome mudado (antes Abrão) ao ser escolhido para conduzir o povo de Deus, ele que também foi comparado a uma pedra, exatamente como Pedro. E Jesus Cristo ainda confirmou explicitamente sua intenção ao entregar a autoridade sobre a Igreja a Pedro, quando lhe deu as Chaves do Reino, que lhe permitiriam ligar ou desligar na Terra o que seria ligado ou desligado no Céu! O que mais seria preciso?

    Além de tudo isso, convenhamos: se Jesus estivesse naquele momento falando de si mesmo, simplesmente diria "Eu sou a Pedra", assim como disse "Eu sou a Luz do Mundo", "Eu sou o Pão da Vida", "Eu sou a Ressurreição e a Vida" ou "Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida". Por que diria: "Simão, tu és a Pedra, e sobre essa Pedra edifico minha Igreja", se estivesse falando de si próprio? Perdoe-me o desabafo, mas que tipo de loucura é esta?

    O Senhor Jesus Cristo, sem dúvida alguma, elevou Pedro como um "pai" para a família dos cristãos (Is 22,21), para guiar o seu rebanho. E o "Príncipe dos Apóstolos" é mais uma vez confirmado como o pastor terreno das ovelhas de Cristo logo após a Ressurreição do Senhor: vemos no Evangelho segundo João (21, 15-17) como por três vezes Jesus pergunta a Pedro se ele o amava, e por três vezes Pedro reafirma seu amor e comprometimento. E como então o Salvador, às vésperas de deixar os seus discípulos, confia expressamente a Pedro a guarda do seu rebanho, isto é, da sua Igreja, e é nítido que, naquele momento, confiava-lhe o cuidado de toda a cristandade, fazendo questão de entregar a guarda dos "cordeiros" e também das "ovelhas. “Apascenta os meus cordeiros”, repete o Senhor por duas vezes; e, à terceira, diz: “Apascenta as minhas ovelhas”.

    ResponderExcluir
  76. ...
    "O verbo “apascentar”, todos sabemos, significa cuidar, conduzir, guiar, assumir a responsabilidade pelo rebanho; neste caso, é receber do Divino Proprietário a autoridade sobre o seu povo. Apascentar os cordeiros e as ovelhas é, portanto, governar com autoridade a Igreja de Cristo; é ser o condutor: é ter o Primado. E ainda mais, como se tanto não bastasse, todo o contexto do Novo Testamento demonstra bem como era Pedro quem tinha a palavra final nos assuntos da Igreja primitiva, em diversas passagens:

    # É Pedro quem propõe a eleição de um discípulo para ocupar o lugar de Judas e completar o Colégio dos Doze (At 1,15-22);

    # É Pedro o primeiro a pregar o Evangelho aos judeus no dia de Pentecostes (At 2,14; 3,16);

    # É Pedro quem, inspirado por Deus, recebe na Igreja os primeiros gentios (At 10,1);

    # Pedro é retratado realizando visitas pastorais às igrejas (At 9,32);

    # No Concílio de Jerusalém, temos a prova definitiva: é Pedro quem põe fim à longa discussão que ali se travava, entre todas as autoridades da Igreja reunidas, decidindo ele que não se deveria impor a circuncisão aos pagãos convertidos. E a Escritura descreve como ninguém ousou opor-se à sua decisão (At 15,7-12).

    E esta autoridade de Pedro, assim como a dos outros Apóstolos, era e continua sendo transmitida de um homem para outro, sendo eleitos os novos sucessores pelo próprio Colegiado dos Apóstolos, através dos tempos. No caso de Pedro, as Chaves do Reino dos Céus, entregues por Jesus Cristo, vêm sendo transmitidas, nesses dois mil anos de história, através do papado.

    Dizer que a autoridade de Pedro morreu com ele seria o mesmo que renegar a Promessa do próprio Senhor Jesus Cristo: "Ide e fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; ensinando-os a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado. Eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos. Amém".

    Se o Senhor prometeu que continuaria com a sua Igreja até o fim do mundo, também a autoridade que ele concedeu à sua Igreja permanece, até o fim dos tempos. Esta é a doutrina católica. Esta é a Palavra de Deus, segundo as Sagradas Escrituras. Esta é a Tradição Cristã, de dois mil anos de história. E quem pregar o contrário, seja anátema. Porque:


    "De fato, não existem 'dois evangelhos': existem apenas pessoas que semeiam a confusão entre vós, e querem perturbar o Evangelho de Cristo. Mas ainda que alguém, nós ou um anjo baixado do céu, vos anunciasse um evangelho diferente do que vos temos anunciado, que seja anátema" (Gálatas 1, 6-8)".

    Graças a Deus.
    ...

    ResponderExcluir
  77. ...
    "Entramos, a partir deste ponto, numa segunda parte deste estudo. Como os fatos que apresentamos até aqui, se observados bem de perto revelam-se inquestionáveis, surgem algumas outras argumentações, – supostamente melhor embasadas, sob uma casca de aparente "erudição", – na tentativa desesperada de negar a realidade do Primado de Pedro.

    Há uma outra contestação que diz mais ou menos o seguinte: "Sim, nós reconhecemos, a Pedra do Evangelho de Mateus é Pedro, mas... no texto original em grego a palavra para pedra grande é 'petra', que significa rocha, pedra grande. A palavra usada como nome para Simão é 'petros', que significa pedra pequena, uma pedrinha"...

    Pois é. Durma-se com um barulho destes. De fato, o argumento é tão fraco e desprovido de razão que, neste sentido, chega a dificultar a resposta: de tão inteiramente absurdo, o difícil é saber por onde começar a desmantelá-lo. E antes de tudo, mais uma vez, vemos o quanto são desunidas as denominações ditas "evangélicas", e como seu único objetivo comum parece ser realmente negar a autenticidade da Igreja Católica. Ora, se este argumento fosse válido, então o anterior, que diz que o a palavra Pedra não se refere a Pedro, mas ao próprio Jesus Cristo, torna-se blasfemo. Estaria o Evangelho chamando Jesus de "pedrinha"!?.. Sem perceber, todas unidas contra a Igreja Católica, as igrejas "evangélicas" acabam desmoralizando-se umas às outras.

    Veja, Ana Paula, como uma igreja "evangélica" acaba ridicularizando a teoria de outra igreja "evangélica", na tentativa de negar o catolicismo. Porque, se houvesse mesmo essa alegada diferença nas expressões em grego (que não existe, como veremos), isto só serviria como uma comprovação a mais de que Jesus não poderia estar se referindo a si mesmo naquela frase".
    Fonte: http://www.ofielcatolico.com.br/2002/03/pedro-pedra-autoridade-da-igreja.html

    ResponderExcluir
  78. Que TODOS nós sejamos fieis aos ensinamentos de Cristo, cada um, segundo a fé que professa. E sendo fiel a Ele, e não a nós mesmos. Nos esvaziando por completo e nos doando com plenitude ao outro, ao próximo. Encontremos neste esvaziar a voz do pastor e Ele nos conduzirá segundo o vosso desejo. De certo que, as inquietações de nossa alma já é um sopro do pastor em suas ovelhas, então, atendamos a esses questionamentos em nosso coração, pois, já é um chamado e deixemos que Ele nos conduza, e a parte que nos cabe é que abramos nosso coração para essa condução.
    Paz e bem e um abraço em todos, fraterno e amoroso.
    Amelia.

    ResponderExcluir
  79. Novamente uma busca pela defesa da INSTITUIÇÃO que crê. Simplesmente não há um dialogo franco sobre as Escrituras com você. Sei que discordamos da interpretação quanto à pedra ser Pedro ou Cristo. Mas seus argumentos são esdrúxulos, é uma CTRL+C e CTRL+V da internet.

    Por mais que eu argumente aqui, meus comentários vão servir apenas como um material que será analisado para que se encontrem contra-argumentos para supostamente desestruturá-los. Sendo que meu propósito é justamente o contrário: que vejam como interpreto e busquem na Bíblia se o que digo está de acordo. Faço o mesmo com suas palavras e da Juliana. Leio atentamente cada argumento, reflito, vejo se tem base na Bíblia, e tento questionar apenas nos pontos contraditórios.

    Enfim, gostaria sim de argumentar e questionar seus últimos comentários, no que não vejo correlação na Palavra de Deus, e tenho boas refutações e desconstruções nas incongruências que você escreveu, mas estou vendo que não vale a pena. Não está sendo uma troca de ideias da Bíblia, enquanto estava com Juliana estava. Mas você entrou no debate para defender sua instituição, a "única detentora da guarda da fé, do evangelho, a única que tem as chaves dos céus". Parabéns, se isso significa vencer uma conversa (só que não). Mas caso queiram conversar sobre a Bíblia, estarei novamente aqui, como sempre tenho entrado aqui nesse post.

    Graça e paz a todos.

    ResponderExcluir
  80. Mas ela não foi desonesta! Colocou todas citações entre aspas! Colocando textos que, claramente não são seus. Não quis roubar para si algo que ela citou.

    A paz também irmão.

    ResponderExcluir
  81. Citou até as fontes! Acaso não tem direito? O pensamento Católico é UM só. Recebemos a interpretação da Igreja de acordo com a vontade de Cristo.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  82. Sim Juliana, não disse que ela foi desonesta. Mas eu não sou papagaio de pastor, ou seja, não repito o que eles dizem. Vou às Escrituras confrontar suas palavras, para ver se procedem. O que eu esperava da Amélia não era ela copiar e colar um texto da internet, pois eu bem sei como vocês pensam a respeito. Gostaria que ela interpretasse, explicasse o por quê de pensar assim.

    Receber a "interpretação conforme a vontade de Cristo" . Não diga isso... Veja a história das atrocidades que papas fizeram durante a história, não quero aqui descrevê-las. Só não coloque o nome de Cristo em tudo o que fizeram. Sim, muitas coisas o foram, mas boa parte não.

    Enfim, não quis ser deselegante, e na verdade vou tentar mesmo nem inquiri-la mais, pois posso passar, injustamente e novamente, pelo papel de estar rebaixando-a (que de forma alguma aconteceu).

    Encerro minhas palavras. Graça e paz a vocês.

    ResponderExcluir
  83. Olá, Andry. Graça e paz. Espero que um dia o Espírito Santo te traga novamente a esta página.

    Recentemente, assisti a um filme sobre a vida de Santa Teresinha e a história dela flechou a minha alma! Me chamou muita atenção o fato de a santidade dela ter vindo de atos tão pequenos e silenciosos. Sem propaganda, sem holofotes, sem reconhecimento. Só amor. Comecei a entender que não adianta estudar e conhecer tanto se eu não sei o que fazer com esse tesouro. Um arrependimento imenso tomou conta de mim por cada discussão vazia, por cada ataque, por cada ironia que eu pratiquei contra as outras religiões, especialmente, a protestante. Isso realmente não é a vontade de Deus. No fim, acho que estava procurando minha própria glória. Me ocorreu que a Igreja Católica não se ocupa das misérias das outras denominações. Os Papas, há gerações sendo chamados de anticristo, só oferecem um amor silencioso a que a maioria dos protestantes desconhecem. Quem sou eu, na base dessa Igreja, a querer fazer o contrário? Por isso, pensei em você. Gostaria que você me perdoasse pelas palavras sarcásticas e por essa discussão que não edifica em nada. Pode ter certeza que você e todos os irmãos que não frequentam o mesmo chão da Igreja onde piso, estão com um lugar garantido no meu coração. Em oração por todos nós!

    Abraços.

    ResponderExcluir
  84. Graça e Paz Juliana!

    Muito bom poder comunicar novamente com você. Sempre visito este blog, lembrei de revisitar este artigo e encontro um novo comentário seu.

    Fique em paz, não tenho absolutamente nada contra você ou contra a Amelia. Foram apenas discussões de ideias, que, quando antagônicas, podem nos levar a uma ênfase maior, gerando este desconforto, a sensação de estar magoando o outro com palavras.

    Também te peço perdão.

    Um grande segredo que o homem não sabe ou não quer cultivá-lo é saber amar o próximo mesmo tendo discordâncias com ele. Pelo fato de te respeitar, de te pedir perdão e te amar em Cristo não me faz voltar atrás no que creio e no que discordo em relação à doutrina que você segue, mas aprendemos com nosso Senhor:

    "Nisto todos conhecerão que sois meus discípulos, se vos amardes uns aos outros." - João 13:35

    Um abraço fraterno, que em tudo Deus continue te abençoando.

    PS.: não sei se tem contato com Amália, caso tenha, envie essa mensagem de perdão a ela, creio que fui muito incisivo com ela. Graça e paz

    Andry Bastos

    ResponderExcluir

Você tem o direito de se expressar, mas se houver agressão, o comentário será deletado.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...