segunda-feira, 25 de julho de 2016

3 verdades para dizer à tentação



Como verdadeiro filho de Adão, nascido com uma afeição natural pelo pecado, não me faltam oportunidades de considerar o pecado e de considerar o desejo de cometê-lo em suas mais diversas variedades. Como marido, pai, pastor e membro de igreja, não me faltam oportunidades de falar com os outros sobre seus pecados e tentações. E recorrentemente me vejo voltando a verdades mais simples, a palavras que podem e devem ser ditas à tentação.

A primeira coisa a se falar ao pecado que o tenta é: esse não é quem eu sou! Aquela tentação, aquele pecado, não é mais parte da sua identidade. Aqueles que colocaram sua fé em Cristo Jesus estão em Cristo Jesus – “Porque, assim como, em Adão, todos morrem, assim também todos serão vivificados em Cristo (1 Coríntios 15.22). Agora há uma união em Cristo que provê uma identidade nova. “Vocês não pertencem a si mesmos, porque foram comprados por preço” (1 Coríntios 6.19-20). 

Se Cristo é a videira, você é um ramo enxertado na videira e feito indissociável dela (João 15.5). Você não é mais quem você era. Você é uma nova criatura, refeita a imagem de Cristo. Você foi justificado, adotado e santificado. Em sua salvação, você foi transformado de forma que a sua mais profunda identidade, sua identidade eterna, não é mais de Satanás, mas de Cristo. Não mais pecaminosa, porém santa. Seja quem você é!

A segunda coisa a se dizer à tentação é: você não tem poder sobre mim! Houve um tempo em que o pecado e a tentação tinha completo poder sobre você. Você estava sob domínio de Satanás, escravo do pecado e da injustiça (Romanos 6.20). Porém, não mais. Ao colocar sua fé em Cristo, você foi liberto da autoridade do pecado. “(…) sabendo isto: que foi crucificado com ele o nosso velho homem, para que o corpo do pecado seja destituído, e não sirvamos o pecado como escravos; porquanto quem morreu está justificado do pecado” (Romanos 6.6-7). 

Não apenas isso, o Espírito Santo fez de você sua habitação (1 Tessalonicenses 4.8), e ele dá poder para não pecar, além de poder escolher alegremente a justiça. O único poder que o pecado tem é o que você o dá quando se recusa a se utilizar da força “esmagadora de pecados” do Espírito Santo. Nunca se esqueça que o seu pecado não tem poder sobre você.

A terceira coisa para falar para sua tentação é: você promete demais e entrega de menos! O pecado sempre promete muito, mas entrega pouco. Apenas pense no que o pecado prometeu para Adão e Eva (Gênesis 3.4-5) e o que ele realmente entregou a eles (de Gênesis 3.7 a Apocalipse 22.21). Pense no que o pecado prometeu a Abraão, Sansão, Davi, Judas, Pedro, Ananias e Safira e compare com o que ele custou para essas pessoas. Além disso, pense em Jesus e o que o pecado custou para ele (embora o pecado fosse dele por imputação, não por comissão)! 

Se você ler sua Bíblia, mesmo que com o olho entreaberto, você não conseguirá deixar de perceber o abismo entre o que o pecado oferece e o que ele entrega. Se você rever sua vida com um mínimo de honestidade, você perceberá esse mesmo abismo. O pecado promete alegria, mas traz dor. Promete felicidade, mas traz vergonha. Promete vida, mas traz morte. Promete liberdade, mas traz culpa. Promete o céu, mas traz o inferno. É sempre, sempre uma mentira.

A tentação de pecar é inevitável quando você é um ser pecaminoso, vivendo em um mundo de pecado. Mas de fato pecar não é, de forma alguma, inevitável quando somos feitos santos, por meio de Jesus Cristo. Aprenda a falar a verdade, a verdade dele, a todas as tentações.

Fonte: Reforma 21, por Tim Challies

quarta-feira, 20 de julho de 2016

Mais de 3 bilhões de pessoas ainda não ouviram falar de Jesus


O “Ide” é um chamado que continua ativo, pois uma pesquisa recente concluiu que aproximadamente 3,1 bilhões de pessoas nos dias atuais ainda não ouviram falar de Jesus Cristo. O levantamento foi feito pela organização cristã Joshua Project, que se dedica a identificar e mapear os grupos étnicos que mais precisam de atenção das agências missionárias.

Em termos de percentual, esse número é quase metade da população atual do planeta: 42,3%. E o pior cenário de difusão da mensagem do Evangelho é a Ásia, onde cerca de 60% dos habitantes nunca ouviram falar de Jesus. De acordo com informações da Rede Super, a Joshua Project usa uma escala para definir o nível de penetração do Evangelho nos países, o que ajuda formar um panorama de compreensão a respeito de quais etnias não foram alcançadas.

Nesse cenário, quando um grupo tem mais de 10% de cristãos, então ele passa a ser considerado “significativamente alcançado”. Caso esse número varie entre 2% e 10%, é classificado “parcialmente alcançado”, e com taxas inferiores a 2%, a escala o considera “minimamente alcançado”.

Quando o cenário é olhado do ponto de vista de países, a organização considera “pouco alcançados” aqueles que tem mais de 50% de cristãos professos, mas não praticantes, que é o caso da região leste no continente europeu. Os países classificados como “não alcançados” são aqueles que têm menos de 2% de evangélicos e menos de 5% de cristãos professos, como é a atual situação da Índia, que tem a segunda maior população do mundo.

No Brasil, que tem 309 grupos étnicos diferentes mapeados pela Joshua Project, existem 29 que ainda não foram alcançados. No entanto, esses grupos são uma minoria, pois apenas 0,1% do Brasil ainda não teve a oportunidade de conhecer Cristo, o que soma pouco mais de 118 mil pessoas.


Os países que mais precisam de missionários são a Saara Ocidental, que tem 99,9% da população muçulmana, e o Marrocos, onde existem apenas 12 mil cristãos professos, o que soma 0,2% da população.

Fonte: Gospel+

segunda-feira, 11 de julho de 2016

Calvinismo X Arminianismo




Calvinismo (Graça Decretada) x Arminianismo (Graça Livre)

O Calvinismo e o Arminianismo são dois sistemas teológicos que tentam explicar a relação entre a soberania de Deus e a responsabilidade humana em relação à salvação. O Calvinismo recebeu este nome por causa de John Calvin (João Calvino), teólogo francês que viveu de 1509 a 1564. O Arminianismo recebeu este nome por causa de Jacobus Arminius, teólogo holandês que viveu de 1560 a 1609.

Os dois sistemas podem ser resumidos em cinco pontos. O Calvinismo defende a “depravação total”, enquanto o Arminianismo defende a “depravação parcial”. Segundo a “depravação total”, cada aspecto da humanidade está contaminado pelo pecado, e por isso, os seres humanos são incapazes de vir a Deus por iniciativa própria. A “depravação parcial” defende que cada aspecto da humanidade está contaminado pelo pecado, mas não ao ponto de fazer que os homens sejam incapazes de colocar sua fé em Deus por iniciativa própria.

O Calvinismo defende a “eleição incondicional”, enquanto o Arminianismo defende a “eleição condicional”. A “eleição incondicional” afirma que Deus elege pessoas para a salvação baseado inteiramente em Sua vontade, e não em nada que seja inerente à pessoa. A “eleição condicional” afirma que Deus elege pessoas para a salvação baseado em sua pré-ciência de quem crerá em Cristo para a salvação.

O Calvinismo defende a “expiação limitada”, e o Arminianismo defende a “expiação ilimitada”. Este, dos cinco pontos, é o mais polêmico. A “expiação limitada” é a crença de que Jesus morreu apenas pelos eleitos. A “expiação ilimitada” é a crença de que Jesus morreu por todos, mas que Sua morte não tem efeito enquanto a pessoa não crê.

O Calvinismo defende a “graça irresistível” e o Arminianismo, a “graça resistível”. A “graça irresistível” defende que quando Deus chama alguém para a salvação, esta pessoa inevitavelmente virá para a salvação. A “graça resistível” afirma que Deus chama a todos para a salvação, mas muitas pessoas resistem e rejeitam este chamado.

O Calvinismo defende a “perseverança dos santos”, enquanto o Arminianismo defende a “salvação condicional”. A “perseverança dos santos” se refere ao conceito de que a pessoa que é eleita por Deus irá perseverar em fé e nunca negará a Cristo ou se desviar Dele. A “salvação condicional” é a visão de que um crente em Cristo pode, por seu livre arbítrio, se desviar de Cristo e, assim, perder a salvação.


Observação: esta é uma postagem introdutória sobre o assunto. Teremos outras, em que abordaremos com mais profundidade e discorreremos sobre nossa posição sobre o tema, não percam!

Fonte: Got Questions

segunda-feira, 4 de julho de 2016

15 maneiras de lutar contra a pornografia com a Espada do Espírito



É quase impossível escapar da sensualidade no mundo Ocidental. O sexo está na televisão, nos filmes e na nossa música, na lateral dos ônibus, durante o intervalos de programas, nos nossos livros e nas olhadas bem de perto nos caixas do supermercado. O sexo está ao nosso redor nos shoppings, pingando de cada comercial de cerveja, e a dois andares de altura nos outdoors. O pecado sexual está andando nas nossas escolas de ensino médio, se exibindo nas nossas universidades e se escondendo em nossas igrejas.

E, é claro, o sexo está na internet. Pornografia e sites relacionados a sexo compõem 60 por cento do tráfico diário da web. Dos usuários de internet nos E.U.A., 40 por cento visitam sites pornográficos pelo menos uma vez por mês, e este número aumenta para 70 por cento quando a audiência está entre 18 e 34 anos de idade do sexo masculino. Metade dos hóspedes de hotel compram pornografia nos seus quartos. 90 por cento da faixa de 8 à 16 anos de idade com acesso à internet já viram pornografia online, e a média de idade exposta é de onze anos.

O sétimo mandamento não está sendo simplesmente quebrado, mas esmagado em pedacinhos.

E o pecado sexual não é só um problema “lá fora”. Qualquer pastor lhe contará histórias sobre como pecado sexual tem destruído pessoas na sua congregação. Nenhum de nós está imune aos perigos de imoralidade sexual. Em um estudo feito pela Christianity Today muitos anos atrás, 40 por cento dos ministros confessaram ter visitado websites pornográficos. Uma outra pesquisa encontrou que 21 por cento visita regularmente. Ainda outra pesquisa no site Pastors.com encontrou que 50 por cento dos pastores reportaram que viram pornografia no ano anterior. E ainda há o problema subjacente do coração. O sétimo mandamento não somente proíbe adultério e pornografia. Proíbe toda ação, olhar, conversação, pensamento ou desejo que incita concupiscência e impureza.

Então, como poderíamos, neste mundo em que vivemos, e com corações saturados com sexo, obedecer o sétimo mandamento? Permita-me sugerir quinze passagens das Escrituras que podem nos ajudar a lutar contra a pornografia e a tentação da imoralidade sexual.

1) Provérbios 5.18-19Seja bendito o teu manancial, e alegra-te com a mulher da tua mocidade,  como cerva amorosa e gazela graciosa; saciem-te os seus seios em todo o tempo; e pelo seu amor sê atraído perpetuamente.” Este parece ser um texto estranho para lutar contra tentação sexual, mas casais casados precisam saber que eles possuem legal prazer à sua disposição. Nós precisamos saber que sexo é bom, intimidade é bom, corpos unidos em matrimônio são bons. Sexo bom e glorioso é uma guerra espiritual para um casal.

2) Lamentações 3.25-27 Bom é o Senhor para os que se atêm a ele, para a alma que o busca. Bom é ter esperança e aguardar em silêncio a salvação do Senhor. Bom é para o homem suportar o jugo na sua mocidade.” Este versículo é para solteiros. Claro, esta passagem não se trata de estar esperando por um cônjuge. É sobre esperar no Senhor. Mas o ponto principal é: o Senhor é bom para aqueles que nele esperam. Ele sabe o que você precisa. Os versículos anteriores nos dizem:

“As misericórdias do Senhor são a causa de não sermos consumidos; porque as suas misericórdias não têm fim.  Novas são cada manhã; grande é a tua fidelidade. A minha porção é o Senhor, diz a minha alma; portanto, esperarei nele.” Não pense “Como poderei viver sem sexo por mais um ano ou uma década ou duas?” Pense no hoje. O Senhor tem te dado graça para este dia e Ele te dará graça a cada dia subsequente no qual você segue Deus em meio a desejos não atendidos.

3) 1 Pedro 3.15Antes, santificai a Cristo, como Senhor, em vosso coração; e estai sempre preparados para responder com mansidão e temor a qualquer que vos pedir a razão da esperança que há em vós.” Antes que você dê uma segunda olhada ou antes que você se vista para que os outros olhem para você, pense: “Será que isso me deixará mais preparado para falar de Jesus para alguém? ” A sensualidade mata os sentidos espirituais e nos faz menos corajosos e testemunhas menos eficazes para Cristo.

4) 2 Pedro 3.10-14Mas o Dia do Senhor virá como o ladrão… Pelo que… procurai que dele sejais achados imaculados e irrepreensíveis em paz.” Você quer estar traindo o seu cônjuge, masturbando ou assistindo pornografia quando Cristo retornar?

5) Tiago 1.14-15 Mas cada um é tentado, quando atraído e engodado pela sua própria concupiscência. Depois, havendo a concupiscência concebido, dá à luz o pecado; e o pecado, sendo consumado, gera a morte.” Esta passagem nos ajuda a compreender como funciona a tentação e nos faz lembrar que nos sentirmos tentados não é necessariamente o mesmo que pecar. A tentação nos atrai a fazer aquilo que não devemos. E isso não é pecado. Quando o desejo é alimentado, concebe, e dá luz ao pecado (pecado na carne ou pecado na mente).

O pecado então cresce e amadurece, e leva à morte. Não é lascívia sentir-se atraído por alguém ou notar que ele ou ela é bonito ou bonita. Não é lascívia ter um forte desejo por sexo. Não é lascívia estar entusiasmado com sexo dentro do casamento. Não é lascívia, inadvertidamente, perceber que uma mulher está tomando banho no terraço. É pecado continuar notando e começar a maquinar. Atice o fogo da concupiscência desta paixão e isso trará morte. Apenas pergunte ao Rei Davi.

6) Hebreus 2.17-18Pelo que convinha que, em tudo, fosse semelhante aos irmãos, para ser misericordioso e fiel sumo sacerdote naquilo que é de Deus, para expiar os pecados do povo. Porque, naquilo que ele mesmo, sendo tentado, padeceu, pode socorrer aos que são tentados.” Jesus foi tentado, não como nós somos, a partir de uma natureza pecaminosa. Mas haviam vozes externas que chamando-o a pecar.

Que não subestimemos a real natureza das suas tentações e rebaixemos sua simpatia e sua habilidade de ajudar. Jesus estava faminto no deserto. Ele teve um desejo, uma necessidade. Ele foi tentado a fazer das pedras pão para que ele desfrutasse o prazer da comida. Mas ele disse ao diabo, “Nem só de pão viverá o homem, mas de toda a palavra que sai da boca de Deus” (Mateus 4.1-3). Em nossos momentos de tentação sexual, precisamos pensar, “Não é a carne que me sustenta e sim Jesus.”

7) Romanos 14.21 Bom é não comer carne, nem beber vinho, nem fazer outras coisas em que teu irmão tropece, ou se escandalize, ou se enfraqueça.” Como Cristãos, queremos ajudar uns aos outros a evitar o pecado, não levar um ao outro a pecar com flerte, piadas grosseiras e roupas indecentes.

8) Mateus 5.27-30Ouvistes que foi dito aos antigos: Não cometerás adultério. Eu porém, vos digo que qualquer que atentar numa mulher para a cobiçar já em seu coração cometeu adultério com ela. Portanto, se o teu olho direito te escandalizar, arranca-o e atira-o para longe de ti, pois te é melhor que se perca um dos teus membros do que todo o teu corpo seja lançado no inferno. E, se a tua mão direita te escandalizar, corta-a e atira-a para longe de ti, porque te é melhor que um dos teus membros se perca do que todo o teu corpo seja lançado no inferno.” Nós não somos bons lutadores. Criamos desculpas.

Não nos tornamos radicais. Fazemos algumas orações, nos sentimos mal o tempo todo, pedimos a um amigo para que nos diga como estamos indo de vez quando e é só. Precisamos de ação mais decisiva do que estas. Evite os filmes, jogue sua TV fora, arranque seu olho – custe o que custar na luta contra a concupiscência. Há muitas pessoas de corpo inteiro indo para o inferno e não muitos amputados espirituais indo para o céu.

9) Gálatas 6.7 Não erreis: Deus não se deixa escarnecer; porque tudo o que o homem semear, isso também ceifará.” Há, frequentemente, consequências temporais por desobediência. Pode ser DSTs, um passado vergonhoso antes do casamento, consciência culpada, vícios enraizados, distração no trabalho, um fetiche pornográfico que você passa para os seus filhos, destruição da sua família, seu casamento ou seu ministério. Há também consequências eternas se você se entrega a este pecado. Gálatas 6.8: “Porque o que semeia na sua carne da carne ceifará a corrupção; mas o que semeia no Espírito do Espírito ceifará a vida eterna.

10) 1 Coríntios 6.15-20 Não sabeis vós que os vossos corpos são membros de Cristo? Tomarei, pois, os membros de Cristo e fá-los-ei membros de uma meretriz? Não, por certo… Ou não sabeis que o nosso corpo é o templo do Espírito Santo, que habita em vós, proveniente de Deus, e que não sois de vós mesmos? Porque fostes comprados por bom preço; glorificai, pois, a Deus no vosso corpo e no vosso espírito, os quais pertencem a Deus.”

Precisamos de uma teologia do corpo: o corpo é bom, mas não é seu. Jesus não morreu somente para resgatar nossas almas. Ele também morreu pelo seu corpo. E ele agora pertence a Deus. Ele é um membro do corpo de Cristo agora. Certamente, não queremos usar o corpo de Cristo numa aventura sexual ou seus olhos em verem pornografia ou sua mente em fantasia sexual.

11) 2 Coríntios 5.17Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é: as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo.” O liberalismo cultural diz: “Seja você mesmo”. A doutrina da autoajuda diz: “Você pode encontrar uma versão melhor de si mesmo se você procurar a fundo”. O moralismo diz: “Seja uma pessoa melhor”. A Bíblia diz: “Você é uma nova pessoa pela graça de Deus, agora viva de acordo”. “Seja quem você é” é a motivação do evangelho para a santidade.

12) Hebreus 10.24-25 E consideremo-nos uns aos outros, para nos estimularmos ao amor e às boas obras, não deixando a nossa congregação, como é costume de alguns; antes, admoestando-nos uns aos outros; e tanto mais quanto vedes que se vai aproximando aquele Dia.” Ninguém luta uma guerra sozinho, e ninguém terá vitória contra o pecado sexual sozinho. Você precisa conversar com outros a respeito das suas dificuldades e também simplesmente ouvir.

Seja honesto. Faça boas perguntas. Não simplesmente confesse e sinta-se bem. Arrependa-se e mude. Não simplesmente simpatize; admoeste. Acompanhe seus irmãos e irmãs. Orem e relembrem uns aos outros do evangelho.

13) Tiago 4.6Antes, dá maior graça. Portanto, diz: Deus resiste aos soberbos, dá, porém, graça aos humildes.” Deus sempre dá mais graça. Então continue vindo a Ele com o seu pecado e todas as transgressões dos seus mandamentos. Confesse como Davi no Salmo 51 que você pecou contra Deus. Confesse que Deus é a parte mais ofendida como resultado do seu pecado e então creia como Davi em Salmo 32: “Bem-aventurado aquele cuja transgressão é perdoada, e cujo pecado é coberto. Bem-aventurado o homem a quem o Senhor não imputa maldade, e em cujo espírito não há engano”. Nós nunca experimentaremos vitória contínua sobre o pecado a não ser que sejamos rápidos em nos voltar para Cristo todas as vezes que caímos.

14) Mateus 5.8Bem-aventurados os limpos de coração, porque eles verão a Deus.” Este tem sido o versículo que mais tem me ajudado na luta contra a lascívia e a tentação com imoralidade sexual. Devemos lutar contra desejo com desejo. Satanás nos tenta oferecendo algo que será prazeroso para nós. Não somos tentados a nos deliciar com salsichas de fígado, porque para a maioria de nós, isso não nos promete grandes prazeres, mas o sexo sim. A pornografia sim. Uma segunda olhada sim.

A Bíblia nos fornece diversas armas para lutar contra a tentação. Nós podemos dizer para nós mesmos que é errado, que é pecado, que levará a coisas ruins, que não é o que eu devo fazer como Cristão. Todas estas coisas ajudam. Porém, a arma que raramente utilizamos é mais prazer. Precisamos lutar com o prazer efêmero do pecado sexual com o ainda maior e mais duradouro prazer que é conhecer a Deus. A luta por pureza sexual é a luta da fé.

Pode soar como nada além de trabalho duro e ranger de dentes – o oposto da fé. Porém, a fé é o centro desta luta. Será que acreditamos que um vislumbre de Deus é melhor do que um vislumbre de pele? Acreditamos que o amor inabalável de Deus é melhor que a vida (Salmo 63.3)? Nós provavelmente pecaríamos menos se gastássemos menos tempo pensando a respeito nos nossos pecados, sexuais ou não, e mais tempo meditando no amor e na santidade de Deus.

15) Efésios 1.19-21 “…e qual a sobre-excelente grandeza do seu poder sobre nós, os que cremos, segundo a operação da força do seu poder, que manifestou em Cristo, ressuscitando-o dos mortos e pondo-o à sua direita nos céus, acima de todo principado, e poder, e potestade, e domínio, e de todo nome que se nomeia, não só neste século, mas também no vindouro.” O grande poder que criou o mundo, e nos salvou, e ressuscitou Jesus de dentre os mortos – este mesmo poder está agora operando em você.

Devemos crer que Deus é mais forte do que a tentação sexual, o pecado e o vício. Se você crê que Deus trouxe um homem morto de volta à vida, você deve crer que você pode mudar. Não da noite para o dia, geralmente, mas de um passo de glória para o próximo. Operai a vossa salvação de pecado sexual com temor e tremor, porque o poder de Deus já está agindo em você.

Fonte: por Kevin DeYoung, em Reforma 21 

segunda-feira, 27 de junho de 2016

O que Fazer Depois de Pregar?



A conclusão do sermão é um momento perigoso para o pregador. Ele acabou de passar entre 30 e 45 minutos em um dilúvio expositivo, descarregando seu estudo e seu zelo sobre a congregação. As 10-20 horas de preparação para o sermão já são história antiga e ele já entrou em seu carro para voltar para casa. É provável que ele esteja exausto - emocionalmente, espiritualmente e fisicamente. Se você é vocacionado para pregar, você entrega tudo no púlpito. Já passei por isso. E no decorrer dos últimos 30 anos, eu aprendi algumas valiosas lições sobre o que eu devo e não devo fazer depois de um sermão. Aqui estão três lições essenciais:

1) Espere ser atacado

Pregar é arrumar briga com o inimigo a cada semana. Paulo disse aos Coríntios: “... aprouve a Deus salvar pela loucura da pregação os que creem”. (1 Coríntios 1.21) Isso significa que eles são arrebatados do “príncipe das potestades do ar, do espírito que agora opera nos filhos da desobediência” (Efésios 2.2). O ponto que quero enfatizar é que Deus usa a pregação como um meio de mudar as pessoas - arrancá-las do domínio do inimigo.

O lado negro tem uma opinião sobre essa atividade: ela precisa ser parada. Não seja ingênuo em pensar que após entregar a mensagem, você sairá da mira dele. A preparação da mensagem – com o estudo da Escritura, meditação e oração – tem benefícios de proteção. Depois do sermão, você está tipicamente esgotado e vazio. Em outras palavras, você está vulnerável a um ataque aéreo.

A carne também está trabalhando duro. A pregação suscita a tentação. De um lado está o orgulho de como Deus o está usando e do outro, a condenação porque Deus não o está. Além disso, há o problema da própria mensagem, na qual você falou muitas palavras sabendo que “na multidão de palavras não falta pecado”. (Provérbios 10.19)

Quando os homens pregam, há abundância de falhas. 

Se você já pregou por qualquer período de tempo, você sabe que toda mensagem tem alguns defeitos. Bem, essas fraquezas se tornam realmente intimas depois da pregação, batendo na sua porta para fazer uma visita. Não abra a porta! Elas irão invadir sua casa, perturbar sua paz e tingir toda a mensagem diante de seus olhos. Você se sentirá burro, condenado, como se o sermão inteiro não prestasse.

Há tempo e lugar para tudo debaixo do sol. Avaliar o seu sermão imediatamente depois da entrega fará com que você o odeie.

Depois de pregar, você precisa se preparar para os ataques do inimigo e da carne. Assim como os soldados se preparam para a ofensiva do inimigo, você precisa se preparar para ser atacado.

Antes, durante e depois dos ataques, corra para as boas novas do Evangelho. Compreenda que a pregação é sobre o poder da Palavra de Deus, não de suas próprias palavras. Lembre-se que jamais houve um sermão pregado na história do mundo que fosse tão ruim que pudesse drenar o poder da Palavra de Deus. Deus é grande o suficiente para fazer com que as pessoas se lembrem das palavras eternas dele e se esqueçam de suas palavras tolas. Você realmente crê que os propósitos de Deus dependem da qualidade da sua pregação? Não é isso o que você prega. Após a mensagem é sua hora de aplicar a mensagem à sua vida.

Depois de pregar, prepare-se para o ataque, lembrando que Deus é maior que os seus erros.
2) Aquiete a sua alma

Quando você estiver sendo atacado, sua alma estará barulhenta. Pensamentos de acusação darão pancadas na porta da sua mente, exigindo atenção. Ou talvez sejam ideias que inflam o ego, que elevam a sua vaidade às alturas e você acaba pensando sobre si mesmo “além do que convém” (Romanos 12.3). Em momentos assim, você precisa aquietar a sua alma.

Aquiete a sua alma confiando a Deus os resultados de seu sermão. Aquiete a sua alma fixando os seus pensamentos em Deus, não em seu desempenho. Se você se sente orgulhoso, lembre-se de que sua mensagem é insignificante, a menos que Deus a faça poderosa. Se você se sente condenado, lembre-se de que a Palavra do Senhor não volta vazia (Isaías 55:11). Seu sermão realizará exatamente o que Deus deseja. Felizmente, você não pode frustrar os bons planos do Senhor!

Você precisa ignorar os ataques que está experimentando e fixar sua mente nas coisas do alto (Filipenses 4.8). O melhor conselho para um pregador enquanto ele dirige depois de sair do culto da igreja é: “Aquietai-vos, e sabei que eu sou Deus”. (Salmo 46.10) Fazer isso mantém tanto as críticas quanto os elogios no lugar certo.

Uma vez que você entregou o seu sermão a Deus, descanse a sua mente. Faça algo para se distrair. Eu preciso de pelo menos 2 ou 3 horas para me recompor depois de um sermão. Eu passo esse tempo lendo, assistindo um programa ou até mesmo dormindo. Quando os meus filhos eram mais novos, eu fazia, às vezes, algo com eles que me distraísse e revigorasse.

Alguém certa vez disse que pregar um sermão é equivalente a 8 horas de trabalho manual. Não tenho certeza se isso é verdade, mas é, sem dúvidas, assim que eu me sinto! O objetivo é levar seu corpo e sua alma a se recuperarem para que estejam prontos para a próxima mensagem.

3) Não pesque 

Como a pregação incita tanto a acusação quanto a admiração, você será tentado a pescar elogios. Você fará perguntas indutivas projetadas para extrair respostas positivas - uma forma de energético identitário. Eu já fiz isso vezes demais. Há poucas coisas tão superficiais quanto um elogio solicitado, exceto, talvez, quando você está pescando elogios e acaba pegando uma crítica que entorta a sua vara. É útil lembrar que quando vai pescar, você frequentemente não sabe o que pode pegar.

O problema mais profundo por trás dessa expedição de pesca é que nós somos muito focados na entrega. Queremos saber que impressão causamos, qual foi a “sensação”, como se houvesse um barômetro para medir o que Deus estava realmente fazendo ou o que fará. Sentimos a necessidade de nos apoiarmos na aprovação e no elogio dos outros em vez de nos confiarmos a Deus.

É bom lembrar-se que a maioria dos pregadores recebe mais encorajamento em um mês do que outros profissionais recebem em uma década. Não pesque. E quando o encorajamento vier, transfira a glória para Deus.

E, por favor, não ouça o seu próprio podcast, seu próprio sermão. A razão é a seguinte: você é irremediavelmente subjetivo quando se trata de avaliar o próprio sermão. Você dedicou entre 15 e 20 horas à preparação, o que significa que a objetividade saiu da sala há dias. Se você realmente quer ajuda, escolha alguns pregadores experientes e membros confiáveis que não anseiam por sua aprovação e recrute sua ajuda para darem opiniões construtivas. Depois os agradeça por isso, independentemente do que disserem.

4) Conclusão

Charles Spurgeon, possivelmente o maior pregador dos últimos 300 anos, fez a famosa declaração: “Faz muito tempo que eu não prego um sermão com que fico satisfeito. Eu mal consigo lembrar-me se isso já aconteceu”. E ele era conhecido como “O Príncipe dos Pregadores”!

Se Spurgeon se encontrava insatisfeito com seus sermões, é seguro dizer que meros mortais como você e eu nos encontraremos numa posição semelhante.

Que estejamos preparados para esses momentos.

Faça o download do Checklist Pós-Pregação.

Fonte:
Ministério Fiel - Dave Harvey
Tradução: Francisco Brito
Revisão: Vinicius Musselman

segunda-feira, 20 de junho de 2016

Seis perguntas que os dirigentes do culto devem fazer


Mas a hora vem, e agora é, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade; porque o Pai procura a tais que assim o adorem. (João 4:23)

Acho que alguns dos problemas mais bobos do “serviço de culto” de muitas igrejas evangélicas poderiam ser resolvidos se os responsáveis pelo planejamento se fizessem melhores perguntas, ou seja, questões de princípios, questões autorreflexivas. Eu tenho algumas sugestões, naturalmente. Claro que essas não são as únicas questões que merecem ser levantadas, mais creio que elas providenciam alguns trilhos de proteção para aqueles que se envolvem com toda a liturgia de uma reunião de adoração, da preparação do sermão à música escolhida para os sacramentos, até os anúncios e todas as outras coisas próprias de um culto.

1. Existe algum suporte para esse elemento do culto nas Escrituras?
Mesmo que vocês não sejam uma igreja adepta do princípio regulador de culto, isso é inegociável.

2. Esse elemento é compreensível para os visitantes?
A compreensão total de todos os elementos não é possível, é claro, e aceitação espiritual não é possível para aqueles fora da fé, mas incrédulos e outros visitantes devem ser capazes de discernir o que vocês estão fazendo, mesmo que eles não entendam o porquê.

3. Esse elemento é edificante para os crentes?
Não simplesmente: Isso vai entreter ou deixar maravilhado, ou isso irá atrair a atenção ou provocar? Mas: Isso é edificante? Isso é útil para o crescimento dos santos em Cristo e no amor de Deus?

4. Esse elemento é ofensivo, alienante, ou marginalizante para algum setor ou subsetor do corpo de Cristo?
Pessoas reclamam de que a música está muito alta, o que muitas vezes é uma preocupação legítima para os mais velhos. As pessoas podem desconsiderar a música ou o sermão entediantes ou apresentados dessa maneira, mas às vezes é uma preocupação legítima para os mais novos. Obviamente, você não pode agradar a todos, já que isso envolve preferências, mas os elementos do nosso culto não devem ser apresentados insensivelmente ou desconsiderando a realidade do corpo. Em outras palavras, nós não vencemos as idolatrias estilísticas de uma demografia ao satisfazer as idolatrias estilísticas de outra. O que serve? O que ministra? O que é apropriadamente permitido para a participação no culto junto com o corpo de Cristo? Sobre esse assunto:

5. Esse elemento exalta a Deus ou aos homens?
Aplique quando for necessário para tudo, desde pontos do sermão até músicas especiais. Não é uma questão de denegrir o homem, ou de não reconhecer as pessoas por suas realizações e coisas do tipo. É uma questão boa para se perguntar já que se refere ao foco da adoração. Poderia ter vindo a calhar no planejamento dos estágios de um culto que assisti, em que uma musica sobre a possibilidade de mudar o mundo com as próprias mãos fazia parte da adoração. Ocorreu-me: “Espera – a quem eu estou adorando neste momento?”. E sobre esse assunto:

6. Esse elemento adorna o evangelho?
Esse elemento está a serviço do evangelho ou de alguma outra mensagem ou foco? Ou, alternativamente, esse elemento do louvor faz Jesus parecer grande?

Traduzido por Ju Néris | iPródigo.com | Original aqui | Compartilhado no PCamaral

segunda-feira, 13 de junho de 2016

Carta a um cristão ansioso


Olá amigo! Eu queria te agradecer por sua carta. Tenho que admitir, entretanto, que lamento saber de suas muitas e penosas ansiedades. Elas são uma carga que você não deveria carregar. Você não está sozinho. O mundo está cheio de gente ansiosa. Eu não me refiro às pessoas que estão ansiosas pelas coisas de Deus – pecado e tentação ou o estado de suas almas. 

Ah, se tivéssemos mais desse tipo de ansiedade e menos das preocupações mundanas! Não, nós nos preocupamos com todo tipo de coisas – dinheiro e saúde, casamento e filhos, escola e trabalho, reputação e aparência, hoje e amanhã; nos preocupamos com o que vamos comer, beber e vestir – e essa lista poderia continuar pra sempre. Em meu caso, preciso admitir, de vez em quando a ansiedade cobre a minha cabeça como uma sombra negra que parece quase impossível de escapar.

Ainda assim, Sr. Ansioso, creio fortemente que um cristão tem tanto direito de se preocupar quanto tem de roubar, mentir ou matar. Isso é, ele não tem esse direito – é ilegal! Ansiedade é descrença, é ser dominado pelas circunstâncias, é uma desconfiança das promessas de Deus. Nos preocupamos, e preocupação é pecado. A ordem é clara, “Não andeis ansiosos” (Mateus 6.25), e “Não andeis ansiosos de coisa alguma” (Filipenses 4.6). Entretanto, alguns cristãos parecem, ao menos pra mim, que são as pessoas mais ansiosas que eu já conheci. Não era pra ser assim! Não é a ansiedade quem paga as contas, nem é ela quem coloca comida na mesa. Preocupar-se não melhora sua saúde nem prolonga seus dias. Nem um pouquinho. Como o salmista disse, “Nas tuas mãos, estão os meus dias” (Salmo 31.15).

Voltando à sua situação, deixe-me oferecer alguns conselhos. A forma de derrotar a ansiedade não é simplesmente esperar até as coisas melhorarem, mas exercitar uma fé presente no Deus da promessa. Então, se me permite, aqui estão minhas recomendações:

Primeiro, lembre-se da grandeza de Deus. Num primeiro momento, isso pode não parecer uma resposta. Afinal, muito de nossa ansiedade vem de uma sensação de que Deus tem coisas melhores pra fazer do que se preocupar com os detalhes de minha vida. No entanto, a verdade é o oposto disso. O profeta uma vez perguntou “Por que, pois, dizes, ó Jacó, e falas, ó Israel: O meu caminho está encoberto ao SENHOR, e o meu direito passa despercebido ao meu Deus?” E como Isaías responde? Ele diz “Não sabes, não ouviste que o eterno Deus, o SENHOR, o Criador dos fins da terra, nem se cansa, nem se fatiga? Não se pode esquadrinhar o seu entendimento”. Veja só, Deus se preocupa com os detalhes da sua vida justamente porque ele é um grande Deus. E assim o salmista canta “Confia os teus cuidados ao SENHOR, e ele te susterá” (Salmo 55.22).

Segundo, lembre-se do cuidado de Deus. A natureza, como você sabe, nos ensina muitas coisas sobre Deus, “Os céus proclamam a glória de Deus” (Salmo 19.1). E como Jesus ensinou, a natureza nos mostra o cuidado de Deus. Ele cuida das aves dos céus, dos lírios e da erva do campo. “Porventura, não valeis vós”, Jesus perguntou “muito mais do que as aves?”. É quase uma pergunta absurda, e certamente só pode ter uma resposta: sim! Qual pai se preocupa mais em aparar a grama do quintal do que com seus filhos? Dessa forma o apóstolo Pedro escreveu “Humilhai-vos, portanto, sob a poderosa mão de Deus, para que ele, em tempo oportuno, vos exalte, lançando sobre ele toda a vossa ansiedade, porque ele tem cuidado de vós.” (1 Pedro 5.6-7).

Terceiro, lembre-se do espírito da oração. Oração verdadeira, por sua própria natureza, é uma renúncia de si para Deus, “Seja feita a tua vontade na terra como é nos céus” (Mateus 6.10). E quando alguém consegue, pela fé, renunciar a si mesmo para Deus, simplesmente não há espaço para preocupação e ansiedade. Por essa razão o apóstolo Paulo disse “Perto está o Senhor. Não andeis ansiosos de coisa alguma; em tudo, porém, sejam conhecidas, diante de Deus, as vossas petições, pela oração e pela súplica, com ações de graças. E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará o vosso coração e a vossa mente em Cristo Jesus.” (Filipenses 4.5-7).

Sr. Ansioso, eu gostaria que você sempre se lembrasse desta grande verdade central – tudo o que diz respeito a um crente está nas mãos de Deus. Você não recebeu toda bênção espiritual em Cristo para então se preocupar e ter medo, ficando ansioso. Esta é uma carga que você não deveria carregar. Eu sei que o mundo vai rir disso. “Fé cega”, eles gritam! “Irracional”, dizem outros. Deixe-me lembrá-lo que a fé é um escudo, e nenhum soldado é zombado por trazer um escudo para a batalha. 

Que Deus lhe dê o que o mundo não pode dar.

Seu Bom Amigo,

Sr. Paz

Fonte: por Kyle Borg, Reforma 21

segunda-feira, 6 de junho de 2016

Paul Washer: A Santidade de Deus e a depravação do homem




A VINACC, entidade organizadora do Encontro para a Consciência Cristã, disponibilizará todas as palestras e pregações em vídeo gravadas ao longo dos anos, nas edições do evento. Os vídeos completos serão publicados no perfil oficial do evento no YouTube. 

As palestras e pregações foram gravadas ao longo das edições do Encontro para a Consciência Cristã, e tratam de vários assuntos de interesse do público cristão, como teologia, missões, apologética, liderança cristã, família, sexualidade, dependência química, louvor e adoração, feminilidade, fé e ciência e outros.

O primeiro vídeo postado foi a pregação do Pr. Paul Washer, sob o tema: A Santidade de Deus e a depravação do homem. Assistam e sejam edificados.

segunda-feira, 30 de maio de 2016

Tentação não é o mesmo que pecado


Esta é uma daquelas coisas que sabemos ser verdade em um nível intelectual, mas esquecemos facilmente em nossa experiência pessoal. Esta verdade é evidente a partir das Escrituras. Na Oração do Senhor, somos ensinados a orar “perdoa-nos as nossas dívidas” e “não nos deixeis cair em tentação” (Mt 6.12–13). Dívidas e transgressões exigem perdão; tentação exige libertação. Elas não são a mesma coisa. Só porque você está lutando com a tentação não significa que você está atolado em pecado. A progressão espiritual no coração do homem vai do desejo, à tentação do pecado para a morte (Tiago 1.14–15).

Somos instruídos a fugir da tentação, não porque já pecamos,​​mas porque no meio da tentação é que desesperadamente nos sentimos como nós queremos. Se ser tentado fosse em si uma marca da maldade, não poderíamos confessar que Jesus Cristo “em todos os aspectos foi tentado como nós somos, mas sem pecado” (Hb 4:15). É possível experimentar profundas tentações para o pecado, e continuar sendo inocente do pecado.

Por que essa distinção importa? Por, pelo menos, duas razões.

Em primeiro lugar, muitos cristãos passam pela vida com um peso de culpa e vergonha pelas tentações que parecem ser pecado, mas elas mesmas não são pecaminosas. Pegue a luxúria, por exemplo. Um homem viciado em pornografia está pecando. Um homem fantasiando sobre a aparência de uma mulher está cometendo luxúria em seu coração. Mas e um homem que percebe que uma mulher é atraente e, em seguida, hesita olhar mais e pensar mais profundamente sobre o que acabou de ver? Essa é provavelmente uma tentação e não um pecado. Pense em Davi e Bate-Seba. Supondo que ele estava no telhado cuidando de sua vida, não era errado Davi achar a mulher atraente. O problema foi que ele, em seguida, indagou a respeito dela. Este desejo cedendo à tentação, é o caminho para o pecado e a morte.

Por uma série de razões, devido ao mundo, a carne e o diabo, nós somos, como seres humanos, tentados. Somos tentados a nos vingar quando alguém nos magoa. Somos tentados guardar rancor quando alguém nos decepciona. Somos tentados a ficar com raiva e impaciência quando nossos filhos não conseguem se comportar direito. Somos tentados muitas vezes por dia, todos os dias. Se confundirmos a contemplação do pecado e a atratividade do pecado com o próprio pecado, vamos sentir uma culpa que não fomos feitos para sentir e perder a compaixão de Jesus que devemos experimentar (Hb 2.18).

Em segundo lugar, é importante manter a distinção entre tentação e pecado para não desistir do combate da fé muito rapidamente. Por que encarar tentações como pecado? E se Davi visse Bate-Seba com o canto do olho, percebesse que ela era bonita, tivesse um pensamento rápido de que ele poderia obter ela para si, mas, em seguida, pedisse a Deus para livrá-lo da tentação? O que ele precisava não era chafurdar nas profundezas do desespero sobre o seu coração concupiscente, mas de um posicionamento forte contra a tentação muito humana que estava lhe atacando.

De qualquer jeito, sejamos rápidos em arrepender-se quando pecamos em pensamento, palavra ou ação. Peçamos a Deus que nos perdoe as nossas dívidas reais. Vamos também orar com mais frequência e fervor “não nos deixeis cair em tentação e livrai-nos do mal.” O pecado e a tentação não são idênticos, mas ambos são ameaças para o cristão.

Fonte: Cedido por André Nascimento Freitas no Reforma21

segunda-feira, 23 de maio de 2016

Voltando ao encontro do Pai



Com o pecado de Adão, toda a humanidade também se tornou pecadora (cf. Rm 3:23) e, por causa do pecado, o homem se distanciou de Deus. No entanto, a morte de Jesus na cruz possibilitou ao homem a sua reconciliação com o seu criador. O desejo de Deus é que toda a humanidade se reaproxime d'Ele (cf. 1 Tm 2:3-4), abandonando o pecado e vivendo uma vida abundante. A parábola de Lc 15:11-24 nos conta a estória de um jovem que se distanciou de seu pai, mas que se arrependeu do erro e voltou para os seus braços. É essa a atitude que Deus espera de nós. Então, vamos aprender com essa parábola o que precisamos fazer para voltarmos a Deus. 

1) TEMOS QUE TER CONSCIÊNCIA DE QUE NÃO PODEMOS VIVER LONGE DE DEUS – Vs. 17 – Aquele jovem “caiu em si”. Estava vivendo na miséria enquanto poderia ter tudo o que precisasse na casa de seu pai. Muitas vezes não percebemos as coisas erradas que estamos fazendo. É necessário deixar “cair a ficha” na nossa vida para enxergarmos a realidade em que estamos vivendo - Jesus está lhe chamando para que você se reconcilie com Ele hoje. Pense na vida que você está levando. É assim mesmo que você quer viver? Você tem consciência de que algo precisa ser mudado em sua vida? (texto de apoio: Sl 16:8 e 11). 

2) ESTAR AFASTADO DE DEUS DEVE NOS LEVAR A UM INCONFORMISMO – Vs. 17 – Aquele jovem passou grandes privações e sérios desconfortos longe de seu pai. No entanto ele não se conformou em continuar vivendo naquela situação e resolveu voltar para casa. Se você tem sentido algum desconforto na sua vida é sinal de que você está precisando da presença de Deus. Jesus quer lhe tirar desse desconforto e lhe proporcionar uma vida de bênção e paz. (texto de apoio: Rm 12:2). 

3) O ARREPENDIMENTO E UMA FIRME DECISÃO DE MUDANÇA DE VIDA NOS REAPROXIMARÁ DE DEUS – Vs. 18 – Deus não retém o seu perdão diante de um coração quebrantado e arrependido. Arrependimento requer mudança de direção. Precisamos decidir mudar de um caminho de pecado para um caminho que nos levará à presença de Deus - Jesus está lhe propondo um novo e vivo caminho. Ele quer lhe ajudar para que você deixe sua vida de pecados e passe a viver em santidade. (texto de apoio: At 3:19). 

4) PRECISAMOS TOMAR A ATITUDE DE IR AO ENCONTRO DE DEUS – Vs. 20 e 22 – Deus nos dá liberdade de escolha. Se a nossa escolha for voltar para Deus, precisamos ter a iniciativa de nos achegarmos até Ele. Ele estará sempre pronto e disposto a nos receber com alegria. Por mais atrativo que possa parecer o mundo, ele só nos trará frustração, ilusão e vazio. Deus não divide sua glória com ninguém e não pode se associar com o pecado. Portanto, não será possível viver “um pouco” com Deus e “um pouco” no mundo - Jesus está lhe dizendo hoje: vinde a mim, vinde a mim.... O seu chamado é constante. Você quer ir ao encontro de Jesus? (texto de apoio: Jo 6:37). Conclusão: Deus sempre esperou o momento em que nós nos reaproximaríamos d'Ele. Deus marcou um encontro com você nesta noite. Você não veio aqui por acaso. Ele quer te abraçar e lhe dar uma nova vida, cheia de bênção e alegria. Você deseja entregar sua vida a Jesus hoje? 

Fonte: Monte Sião

segunda-feira, 16 de maio de 2016

São os filhos castigados pelos pecados dos pais?




Pergunta: "São os filhos castigados pelos pecados dos pais?"

Resposta:
Os filhos não são castigados pelos pecados cometidos por seus pais; nem são os pais castigados pelos pecados de seus filhos. Cada um de nós é responsável pelos nossos próprios pecados. Ezequiel 18:20 nos diz: “A alma que pecar, essa morrerá; o filho não levará a iniquidade do pai, nem o pai levará a iniquidade do filho. A justiça do justo ficará sobre ele e a impiedade do ímpio cairá sobre ele”. Esse versículo mostra claramente que a punição do pecado vem sobre a pessoa que o cometeu.

Há um versículo que, quando não interpretado corretamente, tem levado alguns a acreditar que a Bíblia ensina punição do pecado entre gerações, mas essa interpretação é incorreta. O versículo em questão é Êxodo 20:5, o qual diz em referência a ídolos: “Não te encurvarás a elas nem as servirás; porque eu, o SENHOR teu Deus, sou Deus zeloso, que visito a iniquidade dos pais nos filhos, até a terceira e quarta geração daqueles que me odeiam”. Esse versículo não está falando de punição, mas de consequências. Está dizendo que as consequências dos pecados de um homem vão influenciar muitas gerações. Deus estava dizendo aos israelitas que seus filhos sentiriam o impacto da geração de seus pais como uma consequência natural de sua desobediência e seu ódio contra Deus. Filhos criados em tal ambiente iriam praticar idolatria semelhante, caindo no mesmo tipo de desobediência. O efeito de uma geração desobediente era o de plantar perversidade de uma forma tão profunda que iria levar várias gerações para reverter a situação. Não somos responsáveis diante de Deus pelos pecados de nossos pais, mas às vezes sofremos como resultado dos pecados que nossos pais cometeram, assim como Êxodo 20:5 ilustra.

Como Ezequiel 18:20 mostra, cada um de nós é responsável pelos nossos próprios pecados e devemos carregar a punição pelas transgressões que cometemos. Não podemos dividir nossa culpa com uma outra pessoa, nem uma outra pessoa pode se responsabilizar por nossa culpa. Há, no entanto, uma exceção a essa regra, e ela é válida para toda a humanidade. Um Homem pode carregar os pecados de outros e pagar pela sua penalidade para que os pecadores possam ser justificados e purificados diante de Deus. Esse homem é Jesus Cristo. Deus enviou Jesus ao mundo para trocar Sua perfeição pelo nosso pecado. “Aquele que não conheceu pecado, o fez pecado por nós; para que nele fôssemos feitos justiça de Deus” (2 Coríntios 5:21). Só Jesus Cristo pode pagar pela punição do pecado de todo aquele que aproximar-se dEle em fé.

Fonte: Got Questions

segunda-feira, 9 de maio de 2016

Aprendendo com Daniel a tomar decisões




“Daniel tomou a decisão de não se contaminar com os alimentos do rei e com seu vinho. Pediu ao chefe dos eunucos para deles se abster” (Daniel 1:8). 

Para muitas pessoas, tomar uma decisão é um grande desafio. Devido ao medo, elas preferem fugir dos problemas a resolvê-los. Decidir por algo não é fácil, pois exige cautela, reflexão e sabedoria, e é nesse momento que muitas pessoas ficam ansiosas, sem saber o que fazer. Todos nós temos sonhos e objetivos, contudo, o que vai nos garantir um futuro bem sucedido são as decisões corretas que tomaremos na vida. 

E para nos ajudar nesse desafio, podemos contar com os exemplos de Daniel, um jovem que decidiu agradar a Deus e deu um excelente testemunho em sua geração, ao ponto de seus inimigos não encontrarem nenhum motivo para o acusarem (leia Daniel 6:4,5). 

Veja algumas decisões que você deve tomar para ter uma vida vitoriosa: 

1) Decida ser uma pessoa de excelência 

Daniel foi um exemplo de pessoa que buscou a excelência em tudo o que fez. Ele era um jovem acima da média e a Bíblia cita muitas vezes as suas qualidades. “Porquanto se achou neste Daniel um espírito excelente, e conhecimento, e entendimento (…)”. “Tenho ouvido dizer a teu respeito (…) que em ti se acham a luz, e o entendimento e a excelente sabedoria” (Daniel 5:12-14). 

Deus deseja que você tenha uma vida abundante (leia João 10:10), mas para isso, você precisa ser uma pessoa obediente à Sua Palavra e buscar a excelência em todas as áreas de sua vida. Não se acomode em ser apenas um frequentador de igreja ou um funcionário qualquer no seu trabalho. Busque crescer, aprender com os erros, e tome cuidado com as amizades que te afastem desse propósito. 

Se você buscar ser melhor a cada dia, você colherá muitos frutos bons (Provérbios 22:29). Quem escolhe fazer as coisas com excelência se destaca entre os outros e é recompensado por isso. Daniel era assim. A Bíblia diz: “Ora, Daniel, devido à superioridade de seu espírito, levava vantagem sobre os ministros e sátrapas e com isso o rei sonhava em pô-lo à frente de todo o reino. (…) Foi assim que Daniel prosperou durante o reinado de Dario e durante o de Ciro, o persa” (Daniel 6:3; 28). 

2) Decida ser uma pessoa de caráter 

Infelizmente, a maioria das pessoas valorizam mais o talento do que o caráter. Porém, Deus está procurando pessoas que honrem seus compromissos, que sejam honestas, justas e de boa índole. No Salmo 101:6 está escrito: “Meus olhos aprovam os fiéis da terra, e eles habitarão comigo. Somente quem tem vida íntegra me servirá”. 

Uma pessoa de caráter tem palavra (Mateus 5:37); é correta (2 Coríntios 8:21); e sempre honra o nome que tem (Provérbios 22:1). Ter caráter é muito importante, pois o talento pode até te levar a muitos lugares, mas só o caráter irá te sustentar. Você pode perder seus bens, sua saúde, sua família; mas nunca perca o seu caráter! 

3) Decida ter um relacionamento com Deus 

De todas as decisões que alguém pode tomar na vida, a mais importante e mais sábia é andar com Deus. E para isso, mais uma vez podemos tomar como exemplo Daniel: 

“Ouvindo essa notícia, Daniel entrou em sua casa, a qual tinha no quarto de cima janelas que davam para o lado de Jerusalém. Três vezes ao dia, ajoelhado, como antes, continuou a orar e a louvar a Deus” (Daniel 6:10). 

Nós relacionamos com Deus através da oração e da leitura da Bíblia, e quanto mais buscamos ao Senhor, mais chegamos perto dEle e nos fortalecemos espiritualmente. Com isso, temos o desejo é fazer a Sua vontade e nos afastar de tudo o que não Lhe agrada. 

A intimidade com Deus faz com que Ele nos dê livramentos e nos abençoe no tempo certo. Veja estas passagens: “E Deus fez com que o homem fosse bondoso para com Daniel e tivesse simpatia por ele” (Daniel 1:9); “O meu Deus enviou o seu anjo, que fechou a boca dos leões. Eles não me fizeram mal algum, pois fui considerado inocente à vista de Deus. 

Também contra ti não cometi mal algum, ó rei” (Daniel 6:22); “Então me disse: Não temas, Daniel, porque desde o primeiro dia em que aplicaste o teu coração a compreender e a humilhar-te perante o teu Deus, são ouvidas as tuas palavras; e eu vim por causa das tuas palavras” (Daniel 10:12). 

Diante disso, dê o seu melhor para Deus e busque a cada dia ser como Daniel, que mesmo nos momentos mais difíceis, não abriu mão dos seus valores e testemunhou a sua fé para todos à sua volta. Se você fizer isso, Deus te honrará e te mostrará o quanto vale a pena ser fiel a Ele! 

Fonte: Pastor Antônio Júnior, via Sou da Promessa

segunda-feira, 25 de abril de 2016

Dando graças por tudo


“Em tudo dai graças, porque esta é a vontade de Deus em Cristo Jesus para convosco.” (1º Tessalonicenses 5.18). 

Ter sentimentos de gratidão, neste mundo tenebroso, é raro. A Bíblia Sagrada nos ensina que devemos dar graças a Deus por tudo o que nos sucede, sejam coisas boas ou más. Porém, nem todo mundo tem o hábito de fazê-lo. Para muitos, agradecer por bênçãos é fácil, mas por infortúnios é muito difícil ou até inaceitável. 

Ter sentimentos de gratidão nesse mundo tenebroso e corrompido é raro e causa, muitas vezes, estranheza para a maioria das pessoas. Há quem acredite que Deus não exista, não se importa com o ser humano e que o Universo está à deriva, largado no espaço sideral. 

Quando o ser humano se vê acometido por uma doença grave, um desastre, uma perda de um ente querido ou outra situação angustiante, ele corre para os braços do Pai. Só assim o homem percebe que não é nada, é pó e “ao pó voltará”. 

O ser criado percebe, então, que precisa viver na dependência do Criador. Porque, em muitas situações que a criatura pensa ser ruim, para Deus é o melhor. O Senhor Deus não dá a ninguém a cruz que não suporta carregar. 

E ele ainda nos orienta a ajudar a carregar as cargas do próximo. É nas lutas, nas provas e nas tentações que ele prova e forja o caráter dos homens. Portanto, não é difícil e nem sacrificante expressar uma imensa e eterna gratidão ao Deus Todo-Poderoso por tudo que se recebe. 

Ser grato a ele é um ato de temor, amor, reverência etc. Pois, ele foi, é e sempre será o Deus Perfeito: Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade e Príncipe da Paz! 

Fonte: FESOFAP

segunda-feira, 18 de abril de 2016

A Bíblia é relevante para os dias de hoje?


Pergunta: "A Bíblia é relevante para os dias de hoje?"

Resposta:
Hebreus 4:12 nos diz: “Porque a palavra de Deus é viva e eficaz, e mais penetrante do que espada alguma de dois gumes, e penetra até à divisão da alma e do espírito, e das juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e intenções do coração.” Mesmo tendo sido escrita por mais de 40 autores por um período de mais de 1500 anos, sua verdade e relevância para os dias de hoje não mudou. A Bíblia é a única fonte objetiva de toda a revelação que Deus nos deu a respeito de Si mesmo e Seu plano para a humanidade.

A Bíblia contém grande quantidade de informações sobre o mundo natural que foi confirmada por observações e pesquisa científica. Algumas dessas passagens incluem Levítico 17:11, Eclesiastes 1:6-7, Jó 36:27-29, Salmos 102:25-27 e Colossenses 1:16-17. Conforme vai se desdobrando a história bíblica do plano redentor de Deus, muitos personagens diferentes são vividamente descritos. Fazendo assim, a Bíblia fornece muitas informações sobre o comportamento e tendências humanas. Nossas próprias experiências cotidianas nos mostram que tais informações são mais exatas e descritivas da condição humana do que qualquer livro de psicologia. Muitos fatos históricos registrados na Bíblia foram confirmados por fontes não bíblicas. Frequentemente, a pesquisa histórica demonstra um alto grau de concordância entre os relatos bíblicos e não bíblicos, a respeito dos mesmos acontecimentos. Em muitos casos, a Bíblia tem sido considerada mais correta em termos históricos.

Entretanto, a Bíblia não é um livro de história, texto de psicologia, tampouco periódico científico. A Bíblia é a descrição dada a nós por Deus sobre quem Ele é, Seus desejos e planos para a humanidade. O componente mais significante dessa revelação é a história de nossa separação de Deus pelo pecado, e as medidas que Deus tomou para a restauração da união através do sacrifício de Seu Filho, Jesus Cristo, na cruz. Nossa necessidade de redenção não muda. Nem o desejo de Deus de que com Ele nos reconciliemos.

A Bíblia contém uma grande quantidade de informações precisas e relevantes. A mensagem mais importante da Bíblia, a redenção, é universalmente e perpetuamente aplicável à humanidade. A Palavra de Deus nunca ficará ultrapassada, suplantada ou necessitando de melhorias. Mudam as culturas, as leis, as gerações vêm e vão, mas a Palavra de Deus é tão relevante hoje quanto o era quando começou a ser escrita. Nem todas as Escrituras necessariamente se aplicam explicitamente a nós hoje, mas todas contêm verdade que podemos e devemos aplicar em nossas vidas hoje.

Fonte: Got Questions

segunda-feira, 11 de abril de 2016

A efêmera prosperidade dos ímpios: uma leitura devocional do Salmo 73


Ser cristão de verdade não é nada fácil. Mesmo que conheçamos e presenciemos o poder de Deus agindo na história, às vezes nos sentimos impotentes diante de tanta injustiça sendo planejada e executada no mundo. No meio dito “evangélico”, então, quanta apostasia! Quanto desprezo pelas escrituras e pelo sacrifício vicário de Jesus! E as igrejas dos heresiarcas de plantão parecem inchar. Sua mercancia de almas parece ir de vento em popa!

Mas a “boa nova” não nos deixa confundidos: o Deus de Israel está no controle! Não importa o quanto os ímpios prosperem. Pouco se dá a quantidade de escravos que façam, quantos discos vendam, quanto poder acumulem. Deus fará todos esses castelos de cartas irem ao chão! É a mensagem animadora que nos é transmitida pelo Salmo 73.

Asafe, o compositor usado pelo Senhor para elaborar essa melodia instrutiva e reconfortante, nos leva a uma reflexão pertinente acerca de três aspectos. São eles os comportamentos do servo frustrado com a prosperidade ímpia, dos rebeldes insolentes, com seu sentimento de autossuficiência e deboche contra o Altíssimo, e do Deus Soberano, inabalável diante desse quadro, a destruir o conselho dos néscios e a fortalecer os seus escolhidos.

Sim, podemos sentir um pouco de “inveja” do sucesso deles (v. 3), afinal de contas, eles têm “mais do que o coração podia desejar” (v. 7), “prosperam no mundo” e “aumentam em riquezas” (v. 12), graças principalmente à falta de conhecimento pleno da Palavra de Deus. E é inevitável o nosso acabrunhamento nessa hora. Parece que tudo é em vão, que nos dispomos apenas de uma canequinha para retirar água de nossa canoa furada, enquanto eles navegam sobranceiros em seus transatlânticos de poder e dinheiro, a zombar de nós e do Verbo Encarnado.

Mas é nessa hora que nós entramos no santuário do Pai das Luzes, e “atentamos para o fim deles” (v. 17). Aleluia! O medo desses sacerdotes da mentira é justamente a sentença do Justo Juiz, que não tarda. Mesmo que arrotem bazófia e boçalidade, por dentro eles ficam “totalmente consumidos de terrores” (v. 19), pois o próprio Deus os expõe ao ridículo, desprezando a aparência deles (v. 20), colocando-os em lugares escorregadios e lançando-os em destruição (v. 18). E nós, mesmo na nossa evidente fragilidade, embrutecidos, com nossos corações azedados por tanta injustiça (vv. 21-22) somos sustentados por Sua destra, guiados por Seu conselho e recebidos na Sua Glória (vv. 23-24)!

Não há como não se lembrar, ao ler essa verdadeira ode à soberania de Jeová, da arguta e solene advertência de Saulo de Tarso às igrejas da Galácia, que à época sucumbiam à tentação judaizante: “Não erreis: Deus não se deixa escarnecer; porque tudo o que o homem semear, isso tambem ceifará. Porque o que semeia na sua carne, da carne ceifará corrupção; mas o que semeia no Espírito, do Espirito ceifará a vida eterna” (Gl 6:7-8).

Por isso, jamais nos deixemos intimidar pelos camorristas da fé. Sigamos o testemunho de valentes como os nossos irmãos que, na última quinta-feira, “contramarcharam” para Jesus e foram agredidos pelos gorilas dos Corleones saduceus. O FIM (com maiúsculas mesmo) deles é iminente. E que garante é Aquele que operou o maior dos milagres: a nossa salvação.

Fonte: Genizah, por Thiago Lima Barros

segunda-feira, 28 de março de 2016

Será que sou Capaz?


“Então Moisés disse a Deus: Quem sou eu, que vá a Faraó e tire do Egito os filhos de Israel?” (Ex 3:11)


Quantas você você já se sentiu incapaz de fazer algo que lhe foi designado? Quantas vezes você já se sentiu pequeno diante de uma situação que considerou impossível de resolver? Por quantas vezes você fugiu de um problema pois teve medo dele?

A Bíblia conta a história de um homem chamado Moisés que foi criado como um príncipe no palácio de Faraó, rei do Egito. Certo dia, ao ver uma injustiça sendo cometida contra um irmão hebreu (pois tinha consciência de sua origem), mata um soldado egípicio e, com medo das consequências, foge para as terras de Midiã, para não ser condenado e morto. Certo dia, Moisés apascentava as ovelhas de seu sogro e o Senhor fala com ele do meio de uma sarça, a qual ardia mas não se consumia. Ali dá ordem à Moisés para que volte ao Egito e vá até Faraó para livrar o seu povo da escravidão.

Assim como Moisés, cometemos erros, e nossa primeira reação é fugir. Mas Deus tinha uma missão para ele. Se você estivesse no lugar de Moisés como se sentiria se o Senhor mandasse você voltar a um lugar onde querem te matar? O que você faria? Como se sentiria? Você relutaria se sentindo incapaz e fugiria ou confiaria no Senhor e iria em frente, como fez Moisés?

Moisés confiou no Senhor e obteve a vitória, livrou o povo de Israel do cativeiro egípcio. Esse é o nosso Deus! Ele sempre nos capacita para enfrentar as situações adversas, pois sabe da nossa fragilidade humana. O Senhor está no controle de todas as coisas! O nosso Deus está conosco em TODOS os momentos! Confie no Senhor mesmo que você não se sinta capaz, pois ele te capacitará e te dará a vitória!

Fonte: Semeando a Palavra para Alcançar Vidas, por Diego Barros

segunda-feira, 21 de março de 2016

O que é o Cristianismo e em que os cristãos acreditam?


Pergunta: "O que é o Cristianismo e em que os cristãos acreditam?"

Resposta:
1 Coríntios 15:1-4 diz: “Irmãos, venho lembrar-vos o evangelho que vos anunciei, o qual recebestes e no qual ainda perseverais; por ele também sois salvos, se retiverdes a palavra tal como vo-la preguei, a menos que tenhais crido em vão. Antes de tudo, vos entreguei também o que recebi: que Cristo morreu pelos nossos pecados, segundo as Escrituras, e que foi sepultado e ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras.”

De forma sucinta, esta é a crença do Cristianismo. O Cristianismo é único entre todas as outras fés, porque o Cristianismo é mais um relacionamento do que uma prática religiosa. Ao invés de aderir a uma lista de “faça isso e não faça aquilo”, o objetivo do Cristianismo é cultivar um andar próximo ao Deus Pai. Este relacionamento se torna possível por causa da obra de Jesus Cristo e do ministério na vida do cristão pelo Espírito Santo.

Os cristãos acreditam que a Bíblia é a Palavra inspirada e inerrante de Deus, e que seus ensinamentos são a autoridade final (2 Timóteo 3:16, 2 Pedro 1:20-21). Os cristãos acreditam em um Deus que existe em três pessoas: o Pai, o Filho (Jesus Cristo) e o Espírito Santo.

Os cristãos acreditam que a humanidade foi criada especificamente para ter um relacionamento com Deus, mas que o pecado separa todos os homens de Deus (Romanos 5:12; Romanos 3:23). O Cristianismo ensina que Jesus Cristo andou pela terra, sendo completamente Deus e mesmo assim completamente homem (Filipenses 2:6-11), e morreu na cruz. Os cristãos acreditam que após Sua morte na cruz, Cristo foi sepultado, ressuscitou e está agora assentado à direita do Pai, intercedendo para sempre pelos crentes (Hebreus 7:25). O Cristianismo proclama que a morte de Jesus na cruz foi suficiente para pagar completamente o débito do pecado devido por todos os homens, e que isto é o que restaura o relacionamento que havia sido rompido entre Deus e os homens (Hebreus 9:11-14, Hebreus 10:10, Romanos 6:23, Romanos 5:8).

Para alguém ser salvo, deve apenas depositar sua fé, inteiramente, na obra que foi completada por Cristo na cruz. Se alguém acredita que Cristo morreu em seu próprio lugar pagando o preço pelos seus pecados e ressuscitou, este alguém está salvo. Ninguém pode ser “bom o suficiente” para agradar a Deus por conta própria, porque todos nós somos pecadores (Isaías 64:6-7, Isaías 53:6). Além disso, não há nada mais a ser feito, porque Cristo já fez tudo o que havia para se fazer! Quando estava na cruz, Jesus disse: “Está consumado!” (João 19:30).

Assim como não há nada que alguém possa fazer para ganhar a salvação por conta própria, uma vez que este alguém deposita sua fé na obra de Cristo na cruz, também não há nada que possa fazer para perder a salvação. Lembre-se que o trabalho foi realizado e finalizado por Cristo! Nada relativo à salvação depende daquele que a recebeu! João 10:27-29 afirma: “As minhas ovelhas ouvem a minha voz, e eu conheço-as, e elas me seguem; e dou-lhes a vida eterna, e nunca hão de perecer, e ninguém as arrebatará da minha mão. Meu Pai, que mas deu, é maior do que todos; e ninguém pode arrebatá-las da mão de meu Pai.”

Alguns podem pensar: “Isso é fantástico – uma vez salvo, posso fazer aquilo que mais me agradar, e não perder a minha salvação!” Porém, a salvação não se trata de ser livre para fazer o que mais lhe agrada. A salvação é tornar-se livre de ter que servir à velha natureza pecaminosa e também para buscar um relacionamento correto com Deus. Enquanto os crentes viverem neste mundo com seus corpos pecaminosos, haverá um conflito constante contra ceder ao pecado. Viver em pecado obstrui o relacionamento que Deus procura ter com a humanidade, e enquanto alguém viver em pecado, mesmo sendo um crente, não irá desfrutar do relacionamento que Deus gostaria de ter com ele. No entanto, os cristãos podem ter vitória sobre este conflito contra o pecado através do estudo e aplicação da Palavra de Deus (a Bíblia) nas suas vidas, e por serem controlados pelo Espírito Santo – isto é, por submeterem-se à influência e liderança do Espírito em todas as circunstâncias do dia a dia, e através do Espírito obedecer à Palavra de Deus.

Portanto, enquanto tantos sistemas religiosos exigem que se faça ou não certas coisas, o Cristianismo se trata de ter um relacionamento com Deus, e de acreditar que Cristo morreu na cruz como pagamento pelo nosso próprio pecado e ressuscitou. O seu débito do pecado é pago e você pode ter comunhão com Deus. Você pode ter vitória sobre a sua natureza pecaminosa e andar com Deus em comunhão e obediência. Isto é o verdadeiro Cristianismo bíblico.

segunda-feira, 14 de março de 2016

Quem é o meu próximo?



Ele, porém, querendo justificar-se a si mesmo, disse a Jesus: E quem é o meu próximo? (Lucas 10:29)

Num mundo essencialmente egoísta, a parábola do samaritano é um alerta para nós. Nosso mundo, apesar de grande na extensão territorial, tem sido encurtado dia a dia por conta do avanço tecnológico, da comunicação e dos transportes. As facilidades diminuem a distância entre as pessoas, mas apesar dessas facilidades, fica uma pergunta “quem é o meu próximo e como ele está?”

Para responder essa pergunta, Jesus contou a parábola do bom samaritano (Lc 10: 25-37). Na composição da parábola, aparecem alguns elementos muito conhecidos das pessoas que lêem as Escrituras. A narrativa começa assim: um homem descia de Jerusalém para Jericó e foi assaltado, bateram nele, tomaram seus pertences e o deixaram meio morto. Por ali passava um sacerdote, um levita e um samaritano. Os líderes religiosos, de quem se espera uma postura diferente, esses passaram e foram embora. Mas o samaritano, considerado uma pessoa impura e sem nenhum crédito naquele meio, compadeceu-se do homem ferido, sem medir consequências coloca a mão no arado, socorrendo o homem, procurando um lugar para que pudesse ter a sua recuperação com a dignidade e o valor concedido por Deus como ser criado.

Primeira lição, olhando para o texto: meu próximo pode aparecer de forma inesperada e precisar da minha compaixão. Nisto está a beleza do cristianismo. O homem foi e sempre será o objeto maior do amor de Deus. Precisamos mostrar pelas nossas atitudes se Cristo vive em nós. Como disse Paulo, devemos demonstrar se estamos ou não crucificado com ele. Certamente, é mais fácil ser um bom médico do que um bom pai, ser um bom engenheiro do que um bom marido. Nem todos assimilam com precisão essas exigências propostas pelo cristianismo.
O cristianismo ensina que a mesma proporção que eu me dedico para ser um bom médico, devo fazê-la para ser um bom pai, bom engenheiro e bom marido.
Vejam o sacerdote e o levita que pregavam a ética e o amor ao próximo com suas leis rígidas, esqueceram que, acima de tudo isso, está o amor e a compaixão. O problema é que compaixão não surge em nossas discussões acaloradas, em que a oratória sobrepõe a razão. Compaixão é algo que vem de dentro do coração da alma piedosa que aprendeu com Cristo o que significa misericórdia. Não é discurso, não são palavras sem emoções verdadeiras. Misericórdia e compaixão, foi esse o tratamento que Jesus demonstrou ao jovem rico, foi a manifestação do pai na recepção do pródigo que voltava para o convívio da família depois dos maus tratos e sofrimento. Não haverá sacerdócio nem levirato verdadeiro sem esses dois atributos: compaixão e misericórdia.

Segunda lição: o meu próximo sempre espera de mim uma resposta que satisfaça sua necessidade. Ao ver o homem caído, o samaritano parou e foi ao seu encontro, demonstrando não o título que carregamos, que legitima o que pregamos ou ensinamos em nossos púlpitos e igreja, mas sim aquilo que acontece no dia a dia a favor do meu próximo.

Temos visto dezenas de pessoas com muita conversa bondosa, mas que não concretizam suas ações, desculpem, amados , mas conversa bonita sem ação não dá liga. Acredito que isso tem se tornado enfado aos ouvidos de Deus, precisamos mesmo é fazer algo. O meu próximo não vive só de teoria. Alguém dirá que as obras não salvam, o que é pertinente, mas são frutos da verdadeira fé. Observem o que diz Tiago (2: 14-17): meus irmãos, de que adianta alguém dizer que tem fé se ela não vier acompanhada de ações? Será que essa fé pode salvá-lo?

Por exemplo, pode haver irmãos ou irmãs que precisam de roupa e que não têm nada para comer, se vocês não lhes dão o que eles precisam para viver, não adianta nada dizer: “Que Deus vos abençoe! Vistam agasalhos e comam bem”. Podemos ir à igreja, levar nossos dízimos e ofertarmos, cantarmos belos louvores, o que certamente alegrará o Senhor, mas quando chamados a socorrer alguém, devemos agir com alegria.

Terceira lição: o meu próximo pode sofrer cada vez mais quando e me esquivo a ajudar e quando eu deixo aflorar o meu egoísmo.

Na parábola contada por Jesus, se fosse hoje, nocautearia gente do alto escalão da igreja. O que temos de liderança mesquinha e avarenta em toda a esfera do cristianismo é impressionante, na prática contestam, mas estão fazendo uso daquele jargão famoso: ”faça o que eu mando, mas não o que faço”. Por essa razão, sem medo de errar, essa foi a maior lição que o texto nos ensina.

O que existe de sacerdote e levita passando de longe e por longe dos necessitados é um absurdo. Tem gente que tem um slogan assim: “o que é meu é meu, é somente meu, solidariedade nem pensar.” Mas, como diz a palavra, Deus tem os seus remanescentes, por isso, obrigado Senhor, e bendito sejam os samaritanos que o Senhor tem deixado de plantão em nosso meio.

Acho que já podemos responder à pergunta da parábola. O meu próximo é qualquer pessoa que precisar de mim em qualquer lugar, em qualquer circunstância. E não é preciso ser sacerdote, muito menos levita. Acho que já podemos agradecer repetindo o que dissemos há pouco: bendito sejam os samaritanos, que o Senhor tem usado para nos ensinar essa preciosa lição. Que Cristo trabalhe em nós, transformando o nosso coração, para servirmos com amor.

Fonte: Sou da Promessa  - Manoel Lino Simão

segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

Ainda existe uma chance



Porque há esperança para a árvore que, se for cortada, ainda se renovará, e não cessarão os seus renovos. Se envelhecer na terra a sua raiz, e o seu tronco morrer no pó, Ao cheiro das águas brotará, e dará ramos como uma planta. Jó 14:7-9



Jó é um livro escrito quase que inteiramente em forma de poesia, por isso se vale de algumas figuras de linguagem e uma forma poética para nos contar acerca da vida de Jó, um homem sincero, reto e temente a Deus, e desviava-se do mal (Jó 1:1). Esse homem foi desafiado por satanás a abandonar Deus a negar a soberania e amor do Todo-Poderoso, Jó foi instigado a amaldiçoar a Deus e pecar contra a sua Palavra.

Jó perdeu tudo, perdeu saúde, família, amigos, bens, casa, honra, prestigio, fama, dignidade, Jó perdeu quase tudo, exceto uma coisa: Jó não perdeu a esperança.

Por vezes passamos por situações semelhantes a de Jó, momentos de angustia, tribulação, perdas, dor, enfermidade, abandono, miséria, momentos de tristeza e até depressão.

Mas em momentos como esses é possível ter esperança?

Esperança é uma crença emocional na possibilidade de resultados positivos relacionados com eventos e circunstâncias da vida pessoal. A esperança requer uma certa perseverança — acreditar que algo é possível mesmo quando há indicações do contrário.

Ter esperança é ter fé, ou seja, crer e confiar em Deus e na plenitude da sua existência, saber que Deus estará lá no futuro, Ele jamais nos abandona. A esperança jamais acaba, ainda que pareça difícil ou impossível, para quem crê ainda existe uma chance.

Todavia a condição do homem sem Deus é sem esperança, sem perspectiva, é como viver nas trevas e não saber para onde ir (Jo. 12:35), viver num charco de lodo (Sl. 40:2). O homem sem esperança não tem forças para dizer “não” ao vicio, às drogas, o homem sem esperança não perdoa. O homem sem Deus tem o coração endurecido como de faraó (Mas endureceu Faraó ainda esta vez seu coração, e não deixou ir o povo. Êxodo 8:32). O homem sem esperança vive na prisão do pecado, condenado à morte (Gn. 2:17 e Rm 6:23) “Porque o salário do pecado é a morte,”. Romanos 6:23a.

Mas Deus amou de tal maneira a humanidade que nos ofereceu gratuitamente a esperança, através de Jesus Cristo, como nosso único e suficiente Salvador. “…mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna, por Cristo Jesus nosso Senhor”. Romanos 6:23b

Em Jesus Cristo podemos ter esperança, renascer em Deus. Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, aos que creem no seu nome; Os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus. João 1:12-13

O homem com Deus confia e entrega a sua vida ao Senhor Jesus Cristo de modo que vive na luz e não mais nas trevas, dos seus lábios se ouve um cântico novo e os seus pés não mais fraquejam, mas estão firmes na Rocha Eterna. E pôs um novo cântico na minha boca, um hino ao nosso Deus; muitos o verão, e temerão, e confiarão no SENHOR. Salmos 40:3

O socorro sempre vem: Levantarei os meus olhos para os montes, de onde vem o meu socorro. O meu socorro vem do SENHOR que fez o céu e a terra. Salmos 121:1-2.

Existe esperança para a arvore cortada, ainda que a sua raiz envelheça e seu tronco no pó morra, ao simples cheiro das águas a arvore brotará e dará ramos novos.

“Bendito o homem que confia no Senhor, e cuja esperança é o Senhor. Porque ele é como árvore plantada junto ás águas, que estende suas raízes para o ribeiro e não receia quando vem o calor, mas a sua folha fica verde, e no ano de sequidão não se perturba nem deixa de dar o seu fruto” (Jeremias 17:7-8).

Fonte: Manuela Rozanez em Sou da Promessa

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

Prevenir é melhor que remediar


“Tesouro desejável e azeite há na casa do sábio, mas o homem insensato os desperdiça” Provérbios 21:20 

Você já ouviu o provérbio popular que diz: “Prevenir é melhor que remediar”? Pois bem, ele diz que ao sabermos de riscos iminentes, devemos antecipá-los com ações sabiamente firmes e preparatórias, suficientes para evitarmos o que ameaça a segurança do que é importante para nós. 

As recentes estatísticas econômicas brasileiras, veiculadas frequentemente pelos órgãos de comunicações, afirmam que o Brasil está vivendo os índices mais pessimistas, desde a década de 1990 (The Economist apud UOL Economia). Não se pode subestimar o potencial que Brasil reserva para se levantar em meio a todo o cenário que a atual gestão pública tem conduzido o país, mas também não se pode ignorar que este momento requer, de cada um, sensível observação e cautela financeira, se quisermos evitar que a crise instalada cause maiores danos às nossas contas do que podemos evitar. 

Como poderíamos lidar com as nossas finanças, especialmente nesse final e início de novo ano? Abaixo, gostaríamos de sugerir algumas medidas preventivas que, certamente, exigirão muito menos que os resultados indesejados por ignorá-las. 

01. Fiquemos atentos aos perigos que se escondem por detrás das ofertas. 

É impressionante o quanto setor do comércio pressiona a população a desacreditar na realidade da crise. São propagandas exaustivas de ofertas em todo tempo e por todos os meios. Apelando para a compra, a obtenção, provocando o materialismo e a cobiça desenfreadamente. Tais propostas parecem ser interessantes, mas não nos esqueçamos que ao aceitá-las estamos assumindo também dívidas em tempos incertos para o emprego e para o rendimento familiar. 

Avaliemos bem o preço a ser pago ao nos permitir ser seduzidos por um sistema comercial que é egoísta, organizado para tirar o máximo de vantagem de cada um, independente do dano que causará às necessidades mais importantes, além de ainda incluir, impiedosamente, nossos nomes em instituições de cobranças como mau pagadores. 

02. Não somos obrigados! 

Sim, não somos obrigados a atendermos as exigências da nossa cultura, quando elas nos induzem à imprudência financeira. Ainda não entendemos porque muitos, em circunstâncias do Natal e Ano Novo, não se libertam da pressão de decorar a casa, prédios residenciais, instituições, etc., com lâmpadas que consomem imoderadamente, dia após dia, a energia elétrica e elevam o seu custo. Só neste ano, em algumas cidades brasileiras, o aumento das contas de energia chegou a 70% (www.valor.com.br). Também, não somos obrigados a gastar o que não “temos” com aquilo que não necessitamos porque todos trocam presentes no final do ano. 

E quem disse que somente com presentes demonstramos o carinho e a consideração por quem amamos? Nenhum deles é capaz de construir ou substituir o valor de relacionamentos saudáveis, baseados no amor e respeito. O melhor presente não é comprado por dinheiro algum, mas conquistado pela presença constante, apoio mútuo, mensagens carinhosas, confraternização com familiares e amigos, abraços verdadeiros e cooperação nos interesses pessoais. 

03. Cuidado com as fraudes. 

Com a renda extra no final do ano, proveniente do 13o. salário e férias, o brasileiro se torna alvo obstinado de criminosos virtuais, os quais agem com inteligência para invadir contas bancárias, instalar malwares em computadores que extraiam informações confidenciais, enviar e-mails fraudulentos em nome de instituições bancárias e lojas virtuais, websites falsamente desenvolvidos para capturar dados de cartões de crédito, mensagens para celulares, ligações maliciosas de pessoas/instituições de caridade que não se pode conferir a identidade e a legitimidade de tal ação por este meio, etc., tudo planejado para tirar vantagem de pessoas ignorantes ou distraídas da segurança eletrônica. Nunca atendamos a tais contatos sem antes verificarmos a origem e sermos assistidos por alguém que entende, no mínimo possível, os cuidados nestes casos. 

Não custa dizermos o quanto devemos evitar acesso a caixas eletrônicos a noite ou em regiões que apresentam pouco movimento de pessoas, e ainda sozinhos. Os bandidos andam a cada dia mais ousados, mas, em geral, atuam com a cautela por medo de serem presos, linchados e até mortos por suas iniciativas, por isso, tais conselhos nos previnem de perdermos o que tanto trabalhamos, honestamente, para conseguirmos. 

04. O quanto podemos gastar no final do ano? 

Bem, esta questão cada um de nós precisa pegar uma calculadora e começar fazer cálculos. Para começar, façamos um orçamento comparando receitas e despesas (fixas e variáveis) previstas, anotando com particular atenção todas as despesas que, anualmente, o nosso orçamento não suporta, fazendo-nos entrar em dívidas. Por exemplo: material escolar, IPVA (quem paga no primeiro semestre), IPTU, IRPF/IRPJ, regularização de dívidas contraídas no decorrer do ano... são algumas das prioridades que merecem atenção, antes de comprometermos a renda extra de final de ano com viagens, festas, presentes e decorações. 

Se quisermos evitar a angústia das dívidas e privações nas necessidades familiares básicas, precisaremos fazer economia no final do ano para não termos de viver em dívidas o ano todo. A renda extra pode ser a solução para um círculo viciado de contas que nunca se “fecham”. 

05. Sem exageros. 

A situação atual requer de cada brasileiro lucidez no uso das finanças, mais que em tempos passados. É claro que isso não significa dizer que devemos ser pessimistas, mas cautelosos. Não há necessidade de pânico e sim de prudência. Muitas autoridades políticas administraram muito mal, por corrupções das suas legítimas funções, as contas públicas e agora querem obrigar o cidadão de bem, o trabalhador incansável e honesto, que tanto já sofre com o descaso dos seus direitos, a pagar mais sob a imposição do aumento de impostos e juros. 

É muito triste toda esta experiência que estamos sendo submetidos, mas jamais podemos nos entregar deixando de curtir com a família aqueles momentos preciosos no final do ano e nas férias, acompanhados por algumas regalias que só podem ser experimentadas neste período. Não seria imprudente fazer alguns investimentos neste sentido, desde que não haja exageros por falta de consideração do momento em que vivemos e das exigências que ele nos impõe. 

O melhor a fazermos é nos contentarmos com o que temos, gastar somente dentro dos limites que possuímos e exercer paciência para alcançar o que pretendemos em médio e longo prazos. Estes princípios se baseiam na sabedoria bíblica e são capazes de nos proteger de problemas financeiros que podem ser evitados previamente. A prioridade na vida daquele que considera a Palavra de Deus autoridade para guiar a sua vida, não é acumular riquezas e carregar o fardo das insatisfações (Ec 5:12), mas trabalhar honestamente, ganhar o que é justo por seu esforço e administrar seus proventos com equidade. Lembrando-se sempre que o Senhor é Aquele que nos dá o sustento! 

 Fonte: Reflexões do Cotidiano, por Rev. Ericson Martins, via Bereianos
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...