sábado, 28 de junho de 2008

Musica Gospel

O termo Gospel tem suas origens na língua inglesa, e deriva de “God-spell", que significa "boas novas". A expressão é uma alusão à chegada de Cristo ao mundo, e se disseminou na comunidade protestante negra americana, no começo do século passado. A origem deste estilo musical está nas músicas carregadas de tristeza cantadas por escravos negros norte-americanos ainda no século XIX. O estilo ganhou força entre os freqüentadores de igrejas protestantes negras nos EUA, no começo do século XX.

Cem anos depois, o termo abrange numerosos gêneros musicais cuja característica comum é o conteúdo das letras, que tratam de temas religiosos sob a ótica cristã protestante. Segundo a professora Magali Cunha, da Universidade Metodista de São Paulo, “nos anos 2000, a música Gospel, nos EUA e no Brasil, passa a ser sinônimo de música contemporânea cantada nas igrejas”.

Magali, que concluiu em 2004 seu doutorado sobre o fenômeno gospel no Brasil, aponta que, nos últimos dez anos, houve um aumento significativo do número de bandas existentes no Brasil. Os gêneros musicais usados pelos grupos também se diversificaram. Segundo ela, esta expansão acontece por duas razões: “Por um lado, houve um aumento significativo do controle de meios de comunicação por parte de grupos evangélicos. Por outro, nos últimos quinze anos, os cristãos se tornaram um segmento de mercado, que atraiu numerosas empresas, entre elas, várias do mercado fonográfico, que no Brasil é o mais aquecido”, explica.

Atualmente, o segmento da música gospel é o segundo que mais vende no Brasil, atrás apenas do pop-rock, segundo a Associação Brasileira de Produtores de Disco (APBD), que reúne as maiores companhias fonográficas brasileiras. Em 2005, último ano em que há dados disponíveis, as vendas de discos gospel movimentaram mais de R$ 40 milhões, quase oito por cento do total de R$ 615,2 milhões gerados pela venda de discos no país. Em 2006, segundo a mesma associação, a vendagem em geral caiu quase 28% no país, por causa da pirataria. Acredita-se, no entanto, que o mercado gospel tenha sido o menos afetado.

Para Magali, o fenômeno de abertura das igrejas para novos gêneros musicais “é bastante interessante porque, na historia das igrejas evangélicas, havia um fechamento grande à cultura brasileira. Existia uma forte influência estrangeira. Hoje, no entanto, eu já conheci, em Porto Velho, uma banda de frevo gospel”, exemplifica.

A pesquisadora acredita também que a principal razão para esta abertura é a necessidade percebida pelas igrejas de atrair jovens para os cultos. “Muitas igrejas encontraram, na música, um modo de conquistar fieis jovens, que se encontravam distantes do mundo evangélico porque sempre houve uma idéia de que aquele era um mundo muito restrito”, argumenta.

No Brasil, esta nova configuração da música cristã começa nos anos 80, quando Estevam Hernandes Filho, líder da Igreja Renascer, cria o selo Gospel Records. Nessa mesma época, surgem no cenário nacional as bandas Oficina G3, Katsbarnea, Resgate e Fruto Sagrado, que são as primeiras a misturar rock e outros gêneros musicais com letras de cunho evangélico.

A Oficina G3 é considerada a maior banda brasileira de rock cristão na atualidade, vencedora por duas vezes do prêmio Grammy por Melhor Álbum de Música Cristã em Língua Portuguesa pelo trabalho ‘Oficina Elektracustika G3’ (lançado em 2007) e por ‘Além do que os Olhos Podem Ver’ (de 2005).

Fonte: A Tarde

Um comentário:

  1. Faculdade de Teologia10 de julho de 2008 14:03

    Isto é muito interessante, gostei muito.

    Fiquem na Paz de Deus!

    ResponderExcluir

Você tem o direito de se expressar, mas se houver agressão, o comentário será deletado.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...